GestãoNewsNewsletter

Hospital Santa Catarina chega à marca de 500 cirurgias robóticas

0

Em um cenário pós-pandemia no Brasil, algumas técnicas e estratégias dentro da medicina deverão ganhar força, para garantir um sistema de saúde mais eficaz e seguro. Uma dessas soluções é a cirurgia robótica, tecnologia que se desenvolve e aprimora desde o final dos anos 90, nos Estados Unidos, e é considerada a inovação que mais movimentou a área da saúde nos últimos anos. Desde 2015, as cirurgias robóticas cresceram cerca de 500% no Brasil, e já há cerca de 50 equipamentos desse tipo por aqui, em todas as regiões, comprovando que o método está mais acessível e procurado pelos pacientes.

No mês de junho, o Hospital Santa Catarina (HSC), de São Paulo, chegou à marca de 500 cirurgias realizadas por meio da robótica, exatamente dois anos após o início das operações. Desse total, cerca de 200 procedimentos foram de cirurgias gerais, 200 urológicas e 100 ginecológicas, que são algumas das especialidades que mais se beneficiam da tecnologia. Dos hospitais brasileiros que possuem apenas um robô, o HSC foi o que apresentou melhor desempenho ao completar 300 cirurgias.

Ao adquirir o robô modelo da Vinci Xi, um dos mais modernos da área, em meados de 2018, o HSC implantou um programa de treinamento para habilitar seus cirurgiões para usarem a tecnologia. Hoje, já são 24 médicos certificados e mais três que irão concluir o treinamento ainda em 2020, que envolve atividades em simulador e certificação internacional concedida na sede da empresa Intuitive, fabricante do Da Vinci, na Califórnia. 81% das cirurgias robóticas realizadas no Hospital Santa Catarina são feitas por profissionais capacitados pela própria Instituição. Foram investidos 16 milhões de reais na aquisição do robô cirúrgico da Vinci Xi e na modernização do Centro Cirúrgico.

A ginecologista Dra. Simone David é a única mulher habilitada para cirurgias robóticas no Hospital, e uma das poucas no estado de São Paulo. Ela, que já era especialista em cirurgia laparoscópica e minimamente invasiva, viu a robótica como evolução natural no seu aprendizado. “São necessários anos de estudo e experiência prática antes de chegar na tecnologia. A cirurgia robótica veio para aperfeiçoar e refinar a cirurgia minimamente invasiva, gerando inúmeros benefícios ao procedimento e ao paciente. Na ginecologia, há muito espaço para essa técnica, como no tratamento de miomas uterinos, cânceres e especialmente endometriose, doença que necessita muito cuidado na preservação de tecidos para o tratamento da dor pélvica e infertilidade”, afirma a especialista.

Recentemente, outros dois hospitais da Associação da Congregação de Santa Catarina (ACSC), que administra o Hospital Santa Catarina – a Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro, e o Santa Isabel, em Blumenau – também adquiriram robôs, formando um dos poucos grupos hospitalares do país a contar com três desses equipamentos.

Pesquisa da IBM diz que setor de saúde lidera em custos anuais de violação de dados, superando US$ 7,13 milhões

Artigo anterior

Canon e MV fazem parceria na área de Medicina Diagnóstica

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais Gestão