News

Evolução dos wearables levanta preocupações com privacidade de dados

0

Com o avanço dos dispositivos vestíveis (wearable devices), a coleta e uso dos dados pessoais de saúde, como frequência cardíaca, padrões de sono, calorias e níveis de estresse levantam novas questões de risco de privacidade e segurança. O alerta foi dado por pesquisadores da American University, de Washington, e do Center for Digital Democracy em um relatório publicado no final de dezembro. Apesar de se direcionar ao ecossistema regulatório e de aparelhos dos Estados Unidos, o documento levanta importantes questões sobre o assunto. Ele pode ser baixado (em PDF) clicando aqui.

De acordo com o relatório, já há muitos dados sendo gerados a partir desses dispositivos de saúde, atividade que seria “focada em compilar e monetizar dados pessoais e de saúde com objetivo de influenciar no comportamento de consumidor”. Tais práticas de marketing incluem mirar em condições de saúde, em modelos “semelhantes” visualmente, análise preditiva (de comportamento) e outros usos baseados em contexto. No caso específico de wearables, a indústria farmacêutica seria a maior beneficiária, utilizando biossensores para “permitir que usuários ‘sintam’ sensações reais no corpo”.

Com a popularização desse ecossistema, essa coleta de dados tende a ganhar ainda mais volume, alerta. O relatório sugere maneiras como governo, indústria, instituições acadêmicas, filantropos e organizações sem fins lucrativos poderiam desenvolver de forma conjunta uma abordagem compreensiva para tratar de privacidade de dados de saúde e proteção à privacidade. Para tanto, afirma que é necessário criar padrões claros de coleta e de uso da informação; processos formais para mostrar benefícios e riscos da utilização dos dados; e uma regulação mais forte de marketing direto dirigida especificamente a companhias farmacêuticas.

“Americanos agora encaram uma crescente perda de suas informações mais sensíveis com a coleta e análise de dados de saúde de forma contínua e combinada com informações sobre suas finanças, etnia, localização e comportamentos online e off-line”, declara o diretor executivo da Center for Digital Democracy e co-autor do relatório, Jeff Chester. (Bruno Amaral, da Teletime).

Programa distribuição de maconha medicinal expõe dados de pacientes

Artigo anterior

Philips lança aplicativo com técnicas Dixon para estudos médicos

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News