InovaçãoNewsNewsletter

Pesquisadores brasileiros desenvolvem dispositivo portátil capaz de detectar em tempo real o Sars-Cov-2

0

O teste rápido é uma ferramenta fundamental no combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus no Brasil. Para contribuir com este monitoramento, a Biosintesis, empresa de pesquisa, desenvolvimento e inovação, criou um dispositivo portátil capaz de detectar o Sars-Cov-2, com análises em tempo real, o GRAPH Covid-19. Com rapidez, precisão de resultados e portabilidade, o novo produto pode colocar o país em um novo patamar tecnológico na batalha contra este vírus e também no controle de outras tipos de doenças.

O GRAPH Covid-19 é uma plataforma de Diagnostic On a Chip (DoC) baseada na tecnologia inovadora de biossensores avançados com nanocompósitos de óxido de grafeno.

Uma das vantagens é que a plataforma de diagnóstico GRAPH usa baixo volume de amostra biológica – como, por exemplo, uma gota de sangue -, sendo capaz de detectar e monitorar diversas doenças, tendo como prioridade testar a infecção por Sars-Cov-2. Além disso, o dispositivo terá produção nacional, dispensando a necessidade de importação de insumos e possibilitando alta escala de produção para atender rapidamente a demanda diagnóstica em todo o país.

Diagrama de funcionamento GRAPH Covid-19.

Atualmente, os testes rápidos importados são realizados por imunocromatografia, método de baixa acuracidade e que traz grande preocupação com resultados falso negativo. Por isso, a chegada de biossensores como plataforma diagnóstica no setor clínico é uma evolução tecnológica disruptiva com grandes vantagens frente às soluções disponíveis.

De acordo com Fabiana Medeiros, doutora em Biotecnologia pelo Programa de Tecnologia Nuclear do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares – IPEN / SP e sócia-fundadora da Biosintesis, os biossensores avançados associados a nanocompósitos de óxido de grafeno, podem ser usados para diagnóstico em tempo real e monitoramento de diversas doenças. “Esta tecnologia disruptiva traz benefícios significativos em relação a metodologias analíticas convencionais, tais como rapidez, alta sensibilidade e especificidade. Sua portabilidade permite diagnosticar a Sars-Cov-2 em qualquer local: postos do SUS, unidades de saúde, drive through, regiões remotas e até controle de portos e aeroportos”, explica.

“Os biossensores, quando aplicados em saúde, podem também detectar os diferentes tipos de biomarcadores prognósticos e diagnósticos associados ao câncer, diabetes, alzheimer, infecções virais (Zika, Dengue, Chikungunya, etc) e bacterianas, assim como vários tipos de técnicas de sensoriamento eletroquímicos utilizadas para a detecção precoce de potenciais biomarcadores para estas doenças”, ressalta Fabiana.

Diferenciais

  • Método mais rápido disponível no mercado, com resultado em menos de um minuto;
  • Produção 100% nacional, ou seja, não depende de importação de insumos (kits);
  • Expectativa de redução de custo em torno de 25% em comparação aos testes atuais
  • Não necessita de laboratório de biossegurança;
  • Não precisa de mão de obra especializada para sua análise;
  • 100% portátil, sem necessidade de usar ponto de energia, internet ou estrutura laboratorial;
  • Solução de monitoramento da pandemia no Brasil;
  • Potencial de exportação de tecnologia.

Parcerias

Sob a coordenação da Biosintesis, empresa residente na Incubadora USP/IPEN-Cietec, o projeto tem parceria com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Conta com a participação de uma equipe de pesquisadores multidisciplinares, composta por quatro diferentes Centros de Pesquisas: Biotecnologia (CEBIO), a Ciência e Tecnologia de Materiais (CCTM), Combustível Nuclear (CECON) e Tecnologia das Radiações (CETER).

“Com a pandemia, as empresas e o governo estão ampliando os investimentos em projetos de inovação e automação de empresas, principalmente para produção de equipamentos hospitalares que podem ser usados no combate ao novo coronavírus. O momento é oportuno para startups voltadas à saúde, como a Biosintesis que está trazendo sua importante contribuição, por meio da criação deste dispositivo inovador”, afirma Sergio Risola, diretor-executivo do Cietec.

Com foco no desenvolvimento de soluções para apoio ao Sistema Único de Saúde (SUS), o IPEN/CNEN tem incentivado e apoiado vários projetos de pesquisa na prevenção e no combate à Covid-19, os quais têm caráter inovador e propõem soluções criativas para o enfrentamento aos desafios desse momento de crise no País. “Muitas dessas pesquisas têm se revelado um sucesso, este é o caso da Biosintesis, que conta com a colaboração de pesquisadores de vários Centros de Pesquisa do IPEN, os quais, com suas expertises, têm dado grande contribuição para o sucesso do projeto. Esses recursos humanos altamente qualificados são motivo de muito orgulho para a nossa instituição”, avalia Isolda Costa, diretora de Pesquisa, Ensino e Desenvolvimento do IPEN.

Sobre o Biosintesis

Em operação desde 2008, o laboratório Biosintesis investe constantemente em novas tecnologias para oferecer ao mercado os mais modernos protocolos, realizando estudos mais rápidos, precisos e com reconhecimento em Boas Práticas de Laboratório (BPL), seguindo as atuais regulamentações nacionais e internacionais. A empresa atua em duas frentes centrais de trabalho:

– pesquisa, desenvolvimento, inovação: desenvolvimento de novos materiais, engenharia de tecidos e testes / protocolos in vitro

– prestação de serviços para P&D e registro de produtos, atendendo cinco áreas principais: dispositivos médicos e odontológicos, farmacêutica, puericultura, cosméticos.

Sobre o IPEN

O IPEN é uma autarquia vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) do Governo do Estado de São Paulo e gerida técnica e administrativamente pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), órgão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), do Governo Federal.

Com destacada atuação na área nuclear, proporcionando avanços significativos no domínio de tecnologias, na produção de materiais e na prestação de serviços de valor econômico e estratégico para o país, o IPEN/CNEN também é excelência na formação de recursos humanos, no âmbito de seu Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Nuclear associado à USP.

Sobre o Cietec

O Cietec – Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia, fundado em abril de 1998, tem como missão incentivar o empreendedorismo e a inovação tecnológica por meio da criação, fortalecimento e a consolidação de empresas de base tecnológica. O Cietec apoia a transformação de conhecimento em produtos e serviços para o mercado, a inserção no ecossistema de inovação, a capacitação técnica e de comercialização, contribuindo para o aumento da competitividade no Brasil.

O Cietec é a entidade gestora da Incubadora de Empresas de Base Tecnológica USP/IPEN, onde são conduzidos processos de incubação de empresas inovadoras, em diferentes níveis de maturidade. Nesses processos, são oferecidos serviços de apoio para demandas nas áreas de gestão tecnológica, empresarial e mercadológica, aproximação com o investimento-anjo, capital semente e venture capital, recursos de fomento público, além de infraestrutura física para a instalação e operação dessas empresas.

Fundação São Francisco Xavier testa soluções tecnológicas do Desafio de Inovação

Artigo anterior

Techtools health innovation anuncia parceria com Governo do Paraná para atendimento em saúde

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar