ArtigosNewsletter

Faturamento indevido e glosas: a diferença está no processo

0

No meio da saúde, “Glosar” financeiramente é o ato de não concordância em um pagamento por um viés contratual, clínico ou, até mesmo, administrativo. O fato de um insumo ou serviço hospitalar não ser acatado por uma operadora não significa necessariamente a instância de uma glosa.

Existem rejeições em contas simplesmente por não corroborarem com o mínimo aceitável. Imaginem uma cobrança de duas diárias em um único dia. Ou então cobrar múltiplas taxas de sala em procedimentos simultâneos.

Isto é lógico ou aceitável?

Pois bem, neste caso se trata de faturamento indevido, algo bem diferente de glosa, e que deve ser bem mitigado pelos gestores hospitalares, um verdadeiro controle de risco que deve ser tratado com ferramentas em automação.

A assertividade deve ser garantida apenas pelo fator sentinela do processo agregado à tecnologia.

Controlar, então, é a palavra-chave para gerir e otimizar este indicador. Entender os processos, evitando erros por cobrança indevida trará um saneamento fundamental ao ciclo financeiro da sua instituição de saúde. Afinal, a previsibilidade de receita é crucial em qualquer economia de mercado.

Não tem negócio que se sustente com a realidade aquém da expectativa

Não seria diferente na gestão hospitalar. Errar na cobrança agrega também um reprocesso custoso e perigoso à instituição, além da manipulação excessiva de contas médicas. Quando mais ajustar uma conta médica por cobranças indevidas, mais estará suscetível a falhas nas cobranças devidas.

Isso mesmo, devidas!

Os prazos e metas a cumprir trazem um estresse normal em todos os setores. Estressados contra o tempo, analistas de contas podem deixar de cobrar algo devido, por tanto trabalhar no lançamento e ajustes de itens indevidos. Estima-se que 45% [Dados da ANAHP] dos lançamentos em conta são alterados, excluídos ou inseridos de forma manual.

Assim, bem melhor que acertar é deixar de errar. Quando se controla os números e as origens dos faturamentos indevidos através da automação é possível limpar esta sujeira. Nada de pôr para debaixo do tapete, e sim resolver na origem.

Controlando a reincidência é possível ir ajustando e evitando manipulações desnecessárias. Tudo com a devida rastreabilidade em motivos de ajustes separados. Indevido é indevido, glosa é  glosa. Se o ciclo travar, que seja pelas glosas administrativas, as quais muitas vezes não existe forma de evitar.

O ganho na assertividade da cobrança será impactante na antecipação de caixa e redução do ciclo financeiro.

Atenção redobrada a estes indicadores, afinal não é possível dar ao credor a chance de travar os recebíveis. Se o ciclo travar, que seja pelas glosas administrativas, as quais muitas vezes não existe forma de evitar.

Henrique Antunes, Diretor Executivo e Cofundador da GIF HealthTech.

Saber da Saúde orienta como buscar conteúdo de qualidade na Internet

Artigo anterior

Câmara aprova MP sobre incorporação de tratamentos em planos de saúde

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar

Mais Artigos