InovaçãoNewsNewsletter

Cápsula de baixo custo ajuda Manaus no combate à Covid-19

0

A cidade de Manaus foi uma das mais afetadas pela pandemia de Covid-19 e pode ser uma das primeiras a vencê-la. Esta foi uma das conclusões de um estudo feito pela Universidade Federal do Amazonas, que apontou uma série de iniciativas realizadas em junho como as responsáveis pela redução de 89% na ocupação de leitos pela doença nos hospitais da cidade. Uma delas foi o uso da cápsula Vanessa, criada pelo time de fisioterapeutas do Grupo Samel.

O equipamento recebeu este nome em homenagem à primeira paciente que precisou ser intubada e se recuperou do coronavírus. Sensibilizada por ver uma paciente tão jovem passar por um tratamento tão agressivo, a equipe de fisioterapeutas do Grupo Samel decidiu desenvolver a cápsula. Como suas especificações são abertas para quem quiser construí-la, o custo de produção é de cerca de R$ 450 por unidade (cerca de US$ 86) e os profissionais da Samel estão disponíveis para compartilhar informações com quem tiver interesse em produzi-la.

Trata-se de uma caixa construída com peças de PVC e coberta com plástico transparente. Colocada sobre o corpo dos pacientes, a cápsula cumpre duas funções importantes: servir como barreira de proteção aos profissionais de saúde e permitir a realização de ventilação não-invasiva (VNI), já que impede a dispersão de partículas/gotículas no ambiente. Segundo especialistas, muitas vezes o uso de VNI substitui a intubação orotraqueal precoce, reduzindo o uso de respiradores, a recuperação de pacientes e a possibilidade de infecções.

Desenvolvida em uma parceria com o Instituto Transire, a cápsula vem sendo utilizada desde março nos hospitais do Grupo Samel e foi fundamental no Hospital de Campanha da Prefeitura de Manaus, gerenciado pelo grupo, e no Hospital de Campanha de Roraima. Por conta de deficiências em seu protocolo, somente em maio a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu a VNI como uma opção efetiva para o tratamento de Covid-19. “Nós fomos os pioneiros porque entendemos que a intubação tradicional era desnecessária em muitos casos”, afirma o presidente do Grupo Samel, Luis Alberto Nicolau.

Resultados efetivos

Grande parte da eficiência da cápsula Vanessa vem da simplicidade de seu projeto. Sua estrutura conta com um sistema de exaustão e filtros antivirais e antibacterianos que renovam o ar e criam um ambiente de pressão negativa em seu interior. É essa pressão que impede a saída de aerossóis quando o zíper é aberto para a realização de procedimentos médicos. “Nosso time de fisioterapeutas teve a ideia de fazer a cápsula, que é muito simples”, afirma Daniel Fonseca, médico e diretor técnico do Grupo Samel.

“Nós começamos a utiliza-la no momento em que o paciente chega ao hospital e os resultados foram muito bons, com uma redução significativa do tempo de hospitalização, de 15 para 7 dias, e uma taxa de intubação de menos de 5%”, explica, lembrando que seu uso não elimina, no entanto, o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs), por parte dos profissionais de saúde. Essa redução foi a chave para manter a disponibilidade de leitos hospitalares e, com isso, evitar o colapso do sistema de saúde.

Por conta da efetividade de seus resultados, a cápsula Vanessa vem sendo utilizada em cerca de 40 cidades no estado do Amazonas; em outros estados, como Pará, Acre, Roraima e Mato Grosso; e também na Bolívia. Até aqui, foram produzidas cerca de 2,2 mil unidades, a maioria delas doadas para uso público. “Iniciativas como essa nos ajudaram a dar alta a mais de 1,4 mil pacientes, 600 deles somente no Hospital de Campanha da prefeitura”, afirma Nicolau.

Grupo Reserva lança máscara de proteção de tecido com tecnologia que inativa o Covid-19 em até 2 minutos

Artigo anterior

Consulta online que alia IA e Telemedicina já atendeu mais de 18 mil pessoas em Blumenau

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar