News

Ciberataque afeta sistema de saúde inglês

0

Um cibertaque na sexta-feira passada, 12,  Serviço Nacional de Saúde (NHS) da Inglaterra e deixou praticamente paralisados os computadores e telefones de ao menos 16 hospitais e ambulatórios de Londres, Nottingham ou Herefordshire, entre outros locais. Trata-se de um ataque ransomware, no qual as telas exibem uma mensagem exigindo dinheiro como resgate para libertar as informações sequestradas.

Após disseminar na Europa, o ataque cibernético começou a se espalhar em vários países do mundo. De acordo com a empresa de segurança Kaspersky, já são 74 países atingidos e 57 mil casos do ataque. O mais atingido, no momento, é a Rússia, que tenta lidar com a vulnerabilidade de seus sistemas virtuais e que, de acordo com o governo do País, já chega a 1 mil computadores.

“O ataque não tinha como objetivo específico o NHS e está afetando a organização de uma ampla categoria de setores”, segundo o próprio serviço. Vários hospitais tiveram que desligar os computadores e utilizar papel e lápis para poder operar com alguma normalidade, informa a BBC. Em muitos outros as reservas foram canceladas até que o sistema volte a operar.

O próprio serviço informou através da página NHS Digital que é um ataque com “uma variante de malware Decryptor Wanna” e que o ataque não se limita ao serviço de saúde. A nota acrescenta que não há nenhuma evidência de que foram subtraídos registros médicos dos pacientes.

Segundo a revista on line Istoé Dinheiro,  o sistema que reúne os exames de pacientes e protocolos do Hospital Sírio Libanês estava fora do ar. Assim como o site do hospital que, ao ser acessado, às 11h45, exibiu um erro de DNS, o que indica que o servidor foi desligado. A informação não foi confirmada pelo hospital.

No Brasil, os portais de Internet do Tribunal de Justiça e do Ministério Público de São Paulo foram tirados do ar como medida preventiva ao ciberataque.

Ramsoware

O malware “Wanna Cry 2.0” é um ransomware, programa malicioso que criptografa todos os arquivos de um computador e só os devolve mediante o pagamento de bitcoins aos hackers para liberação do acesso, que pediram o equivalente a US$ 300 por máquinas sequestrada. Estima-se que quase 80 mil máquinas já foram infectadas em todo o mundo. As últimas informações divulgadas são que o ataque se baseou numa vulnerabilidade do Windows, e embora a brecha já tenha sido resolvida, grande parte das empresas não haviam ainda atualizado o path. O NHS britânico, segundo informações, tinha mais de 80% se sua base instalada rodando o antigo Windows XP.

DASA realiza hackathons para aprimorar qualidade dos serviços

Artigo anterior

Hospital Unimed Recife III utiliza solução Capsule da Qualcomm Life para conectividade dos dispositivos médicos

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News