NewsNewsletter

SUS paulista economiza 60 mil horas com tecnologia que prioriza atendimento em pacientes com suspeita de coronavírus

0

O sistema automatizado implementado pela Fundação Instituto de Pesquisa e Estudo de Diagnóstico por Imagem (FIDI) – gestora de serviços de diagnóstico por imagem da rede pública – já economizou 60.710 horas (ou 6,9 anos) para o sistema público de saúde de São Paulo, com a priorização de atendimentos com suspeita de coronavírus. A tecnologia, usada em 47 unidades de saúde atendidas pela FIDI no estado, ajuda a evitar a propagação do vírus e melhora a resolutividade dos casos.

Com a solução, os exames de tomografia computadorizada de tórax de pacientes na emergência são laudados de maneira mais rápida pela equipe médica da FIDI, com redução de 22% do tempo. Da mesma maneira, os laudos emitidos de internados resultam em uma economia de 16% de tempo. Para exames ambulatoriais, a resolução é dada com antecedência de 55% do tempo usual.

Dr. Igor Santos, médico radiologista e superintendente de Inovação da FIDI, esclarece a importância da economia de recursos para a saúde pública. “O tempo poupado permite agilidade no atendimento, com menor tempo de espera para o resultado dos exames, além de garantir que os não acometidos sejam rapidamente liberados, evitando o risco de infecção”, diz.

O sistema já priorizou 46 mil casos de pacientes com suspeita de contaminação pelo novo coronavírus. Destes, 25 mil tiveram achados de imagens suspeitos para Covid-19, ou seja, 54% do total. A média de idade destes pacientes é de 55 anos, sendo a maioria masculina (54%).

Somente na cidade de São Paulo, em 12 hospitais com gestão da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), foram priorizadas 16.000 tomografias computadorizadas de tórax em pacientes com suspeita clínica de contaminação por Covid-19. Deste total, 7.646 tiveram achados de imagens suspeitos para Covid-19, ou seja, 54% do total.

A nova rotina de atendimento começa na abertura da ficha, quando é marcada como suspeita para a doença, de acordo com o pedido médico. Após isso, este paciente é priorizado para realização de tomografia computadorizada de tórax e seu exame é avaliado imediatamente. Uma vez realizada a checagem, independentemente de ser positiva ou negativa para Covid-19, o médico a sinaliza no sistema como exame suspeito para a doença, encaminhando a imagem e o laudo para a rede de hospitais e, também, para os celulares dos médicos solicitantes, que conseguem ver esses resultados de maneira mais ágil.

Se o exame não tiver indícios da doença, o paciente é liberado rapidamente, o que evita o risco de ser infectado pelo vírus dentro da unidade hospitalar. Se o resultado for positivo, ele é imediatamente encaminhado para conduta médica. As ações são tomadas a fim de evitar a propagação do vírus no ambiente hospitalar e de melhorar a eficiência e resolutividade dos casos.

Dr. Igor Santos explica que todos as informações são registradas em um banco de dados, atualizado em tempo real. “O sistema é capaz de apontar quantos casos de suspeita clínica e suspeita tomográfica são lançados por dia, em cada unidade, quantos pacientes são internados, em quais hospitais, além da distribuição por faixa etária”, esclarece.

Com a constante atualização de informações, a Fundação tem controle de todas as fichas abertas como suspeitas clínicas e tomográficas para a doença. “Quando a checagem aponta como suspeita tomográfica, há uma grande chance de haver infecção pelo coronavírus. Contudo, isso ainda não confirma o diagnóstico, que é dado pelo PCR, exame responsável por detectar o vírus”, explica o médico.

Sobre a FIDI

A Fundação Instituto de Pesquisa e Estudo de Diagnóstico por Imagem (FIDI) existe há mais de 30 anos e é responsável por gerir sistemas de diagnóstico por imagem na rede pública de saúde. Fundada em 1985 por médicos professores integrantes do Departamento de Diagnóstico por Imagem da Escola Paulista de Medicina – atual Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) -, a FIDI nasceu com o objetivo de prestar assistência à população, além de contribuir para o aprimoramento de médicos radiologistas por meio de programas de educação permanente, bolsas de estudo e cursos de especialização.

Com 2.500 colaboradores e um corpo técnico formado por mais de 500 médicos, a FIDI realiza anualmente 5 milhões de exames entre ressonância magnética, tomografia computadorizada, ultrassonografia, mamografia, raio-X e densitometria óssea. Desde 2006, a FIDI deixou de ser Instituto e passou a ser denominada Fundação. Em 2009 ganhou status de Organização Social, expandido sua atuação e hoje está presente em 85 unidades de saúde nos estados de São Paulo e Goiás, além de ter participado da primeira Parceria Público-Privada de diagnóstico por imagem na Bahia.

Aplicativo brasileiro que monitora Covid-19 já está em uso por 15 países

Artigo anterior

Estudo inédito revela como a pandemia afetou a saúde mental dos empreendedores brasileiros

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News