InovaçãoNewsNewsletter

Solução voltada para análise de dados sobre obesidade infantil está entre os vencedores do SAS Hackathon

0

A equipe brasileira Tupã Fit foi a vencedora em uma das categorias do primeiro SAS Hackathon com uma solução voltada para análise de dados sobre obesidade infantil e educação da sociedade sobre o tema. O time, composto por pesquisadores da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), Universidade Estadual da Paraíba (UNPB) e da NK Sistema de Informação em Saúde, foi uma das participantes do desafio global lançado pelo SAS, líder em analytics, para desenvolver soluções que solucionem problemas complicados usando Big Data e IA. Equipes de todo o mundo usaram as análises avançadas do SAS Viya, nativa da nuvem, Microsoft Azure e outras ferramentas para facilitar a vida das pessoas, melhorar os negócios e promover um planeta mais saudável.

Durante todo o mês de março, centenas de mentes curiosas se reuniram, online, para o Hackathon. A competição desafiou cientistas de dados, entusiastas de tecnologia e visionários de negócios de diversos setores a usar tecnologia para solucionar problemas corporativos e humanitários do mundo real. Além do reconhecimento, várias das equipes serão convidadas a comercializar suas ideias em parceria com o SAS. As equipes selecionadas terão acesso gratuito e contínuo ao SAS Viya no Azure, orientação de especialistas, além de recursos e suporte para desenvolver ainda mais as soluções criadas.

“Nós realizamos os hackathons para inspirar e inovar, assim como ajudar negócios e a sociedade”, disse Bob Messier, VP sênior de engajamento de cliente e suporte do SAS. “As diversas equipes deste Hackathon global despertaram novas ideias ao abordar quase 100 casos de uso únicos. A grande variedade de tecnologias analíticas que eles utilizavam me impressionou. Todas as equipes merecem um reconhecimento especial e o nosso agradecimento pelo ótimo trabalho e contribuições”.

O primeiro Hackathon global do SAS reuniu participantes de mais de 30 países, com experiências de novatos e especialistas. Eles incluíram clientes e parceiros SAS e startups, além de muitos estudantes de universidades. “Além de solucionar grandes problemas, o Hackathon global deste ano teve o intuito de criar a melhor experiência de ensino virtual e networking para refinar habilidades existentes e adquirir outras”, disse Einar Halvorsen, líder global do Hackathon no SAS. “Com a gamificação da experiência e um pouco de competição amistosa, o Hackathon transcendeu a história e a geografia dos participantes para fomentar a colaboração e a inovação que beneficia a todos”.

Hoje, o SAS anuncia os vencedores regionais para as Américas, Ásia-Pacífico e EMEA (Europa, Oriente Médio e África); assim como os vencedores nas subcategorias específicas por indústria e tecnologia. Na próxima semana, o SAS vai nomear os vencedores globais em três categorias – Indústria, Dados para o Bem e Startups – durante o SAS Global Forum 2021.

Regionais

Américas – NPK4Ever [EUA]. A equipe da Universidade Estadual da Carolina do Norte e da Startup Phinite usou SAS Analytics para criar um modelo de reciclagem de fertilizantes à base de esterco, que pode beneficiar o meio ambiente e a produção de alimentos. O modelo identificou fontes potenciais de esterco em grandes fazendas dos EUA, depósitos onde o fertilizante poderia ser consolidado e seco, e fábricas para onde poderia ser enviado para processamento. O modelo também analisou os diversos preços para as compensações de carbono.

Ásia-Pacífico – Nanyang Polytechnic [Singapura]. A equipe de professores e estudantes desenvolveu um sistema usando a inteligência artificial do SAS que aplica redes neurais para reconhecimento de padrões e machine learning para padrões acústicos para máquinas de controle numérico computadorizado. Dar “ouvidos” a essas máquinas comuns de manufatura pode ajudar a monitorar e detectar anomalias (como desgaste ou quebra de ferramentas) em tempo real, melhorando a eficiência, a manutenção preditiva e a segurança do trabalhador.

EMEA – KPMG Áustria. Critérios de governança ambiental, social e corporativa (ESG) ajudam investidores a encontrar empresas com valores que correspondam aos seus. A equipe da KPMG, parceira SAS, desenvolveu um novo recurso de análise de dados para sua ferramenta de ESG, CLIMAID. A ferramenta utiliza machine learning SAS e processamento de linguagem natural para analisar dados da web, pontuar empresas em 39 categorias e construir um modelo para prever as pontuações de ESG de qualquer portfólio.

Por indústria (global)

AgTech – NPK4Ever [EUA]. Ver descrição acima.

Banking – ifb4Sustainability [Alemanha]. A ferramenta Positive Impact Analyzer for Banking da equipe ajuda o setor financeiro a explorar seu papel para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. A ferramenta combina um modelo Python para calcular as pontuações do índice SDG e um painel que utiliza o SAS Visual Analytics para investigar e explorar dados sobre o desempenho de sustentabilidade passado, presente e futuro dos bancos.

Energia – everis/Enel [Espanha/Itália]. Uma equipe da everis, parceira SAS, usou o SAS Viya e os notebooks de código aberto Jupyter para ajudar a empresa de energia Enel a desenvolver modelos de previsão de custos externos baseados em resultados históricos. A equipe usou o SAS Viya para carregar, modelar e visualizar os dados, e comparou diferentes modelos para determinar o mais preciso para a previsão a longo prazo.

Governo/Setor público – Hackanadians [Canadá]. As colisões são a segunda principal causa de mortes de bombeiros nos EUA, e todos os anos, centenas deles morrem de colisões com veículos de emergência. Muitos desses acidentes ocorrem em cruzamentos. Esta equipe de cientistas de dados criou o Traffic Lights for Life, um sistema baseado em IA que permite que os semáforos “ouçam” os veículos de emergência através de sensores de áudio, deep learning na nuvem e controle de intersecções. O sistema protege os socorristas, que, por sua vez, nos protegem.

Saúde – Red Hot Chili Steppers [Canadá]. A equipe da Pinnacle Solutions (parceira da SAS) e Instituto de Tecnologia da Universidade de Ontário colocou sensores de IoT em palmilhas inteligentes, que usam IA e machine learning SAS para criar um modelo de risco. Com ele, os profissionais de saúde podem analisar os movimentos de um paciente e criar uma pontuação de risco para perda de equilíbrio e queda.

Saúde/Obesidade infantil – Co-vencedores Tupã Fit [Brasil] e Digital Community Twin [Suécia]. O crescimento da obesidade infantil é uma grande preocupação em todo o mundo. Por meio do projeto “Brasil 2030”, pesquisadores da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), da NK Sistema de Informação em Saúde e da Universidade Estadual da Paraíba usam tecnologias digitais de inteligência artificial do SAS para interpretar dados sobre obesidade infantil e conectar e educar as pessoas. O projeto foi inspirado no trabalho de pesquisadores da Universidade de Uppsala, na Suécia, que utilizaram dados municipais e regionais para criar um gêmeo digital da sociedade sueca. As mudanças no gêmeo permitem que os pesquisadores estudem o impacto de novos programas sobre a saúde das crianças e caminhem em direção à erradicação da obesidade infantil.

Seguros – Eagles [China]. A equipe criou um modelo de machine learning que explora e monitora big data em reinvindicações de seguro saúde. O modelo serve como um sistema de alerta precoce que detecta comportamentos anormais de médicos, incluindo possíveis fraudes.

Manufatura – LivNSense [Índia]. A equipe de uma startup servindo o setor de manufatura criou uma solução que combina IoT industrial e IA para otimizar o desempenho – tanto em termos de consumo de energia quanto de emissões – para fornos a vapor e a gás. A tecnologia iSense41 transforma estes fornos em equipamentos cognitivos que abastecem as fábricas inteligentes.

Varejo – 3KT [Índia]. Esperar na fila – seja no banco, pedágio, loja, bilheteria ou sala de espera de um hospital – pode ser frustrante. A equipe de cientistas de dados da 3K Technologies, parceira do SAS, analisou dados de vídeo com o SAS Event Stream Processing e Python. Depois, usaram o SAS Viya para explorar os dados e construir e treinar seu modelo para otimizar a experiência da fila.

Telecom – Telefónica España [Espanha]. Uma equipe de engenheiros usou o SAS Analytics para criar, treinar e pontuar modelos e gerar previsões, criando um painel de controle atualizável. Com ele, a equipe pode monitorar o desempenho da rede, antecipar problemas de capacidade e congestionamento antes que eles ocorram e estimar os recursos necessários para resolvê-los. Desta forma, a Telefónica pode garantir o melhor serviço possível para seus clientes.

Por Tecnologia (global)

Visão Computacional – ITsAmsterdam [Holanda]. Uma equipe com membros do Centro Médico Acadêmico da Universidade de Amsterdã e dos Hospitais Gelre e TIsPeople criou um modelo de visão computacional para ajudar os cirurgiões a aumentar a segurança do paciente durante as colecistectomias, muito comuns, porém grandes cirurgias para a remoção da vesícula biliar.

Visualização de dados – Red Hot Chili Steppers [Canadá]. Ver descrição acima.

Internet das Coisas (IoT) – LivNSense [Índia] – Ver descrição acima.

Processamento de linguagem natural – Butterfly Data [Canadá]. A equipe da Butterfly Data Canada, parceira do SAS, usou a nova funcionalidade de conversação da IA do SAS Viya para criar um chatbot e dar conselhos de estilo de vida para pacientes com câncer e seus familiares e amigos. Ele apresenta dados estatísticos de todo o Canadá, informações nutricionais, direção para serviços de saúde locais e links para sites confiáveis.

O caso de uso de cada equipe foi avaliado por mais de 50 juízes especialistas, de acordo com diversos critérios baseados no modelo de negócios Lean Canvas, incluindo problemas e soluções em geral, a tecnologia apresentada, o valor único, o potencial de mercado, o nível de inovação e a viabilidade do plano de negócios. “Demonstrando compromisso e investimento em educação, o SAS ofereceu às equipes do Hackathon recursos de capacitação e coaching em tópicos como IA, ambiente de nuvem e indústrias”, declarou Peter Lundqvist, gerente do programa global Hackathon, no SAS.

Elsevier desenvolve plataforma de insights clínicos

Artigo anterior

ibyte disponibiliza aplicativo para atendimento psicológico de colaboradores

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar