News

Merck relança centros de colaboração com novo conceito e nome M Lab

0

A Merck está relançando sua rede global de centros de colaboração com os clientes, fornecendo um ambiente exploratório compartilhado com cientistas e engenheiros, trabalhando para solucionar seus desafios mais difíceis na produção biotecnológica (biomanufacturing) e ajudar a acelerar o desenvolvimento de novas terapias.

Anteriormente conhecidos como centros de ciência e treinamento de produção biotecnológica, os novos M Lab Collaboration Centers modernos fornecem um ambiente de produção simulada para experimentos, identificação de falhas em produtos ou processos (troubleshooting) e solução de problemas, em uma instalação não GMP, que encoraja a educação e o suporte total ao desenvolvimento de processos ponta a ponta.

Os clientes participam de demonstrações de produtos, treinamento prático e trabalho de prova de conceito, bem como aplicam melhores práticas e novos métodos para desenvolver, otimizar e aumentar a escala de processos e simplificar a transferência global de tecnologia.

“Esses centros têm sido um recurso importante para nossos clientes e para o setor biofarmacêutico por mais de duas décadas”, disse o membro do Conselho Executivo da Merck e CEO da Life Science, Udit Batra. “Agora, reinventada e reprojetada como M Lab Collaboration Centers, levamos nosso conceito líder do setor para um patamar mais alto. Estamos criando instalações únicas e inspiradoras em que os clientes podem explorar novas maneiras de aumentar a produtividade e aperfeiçoar processos, em estreita colaboração com nossa equipe de especialistas”.

A Merck apresentou seu primeiro centro remodelado em Tóquio, Japão, em 29 de junho passado. A rede, estabelecida em 1995, também terá unidades no Brasil, China, França, Índia, Cingapura, Coreia do Sul e Estados Unidos, com os relançamentos formais dos centros em todo o mundo programados para o restante de 2016 e 2017.

Cada M Lab Collaboration Center irá acolher clientes e parceiros de colaboração de governos, mundo acadêmico, órgãos regulamentadores e associações do setor, oferecendo melhores práticas de aplicação e compartilhamento de conhecimentos, ajustados para atender as necessidades específicas de fabricantes de produtos farmacêuticos locais. Os clientes terão acesso a ferramentas de classificação por tamanho e simulação e metodologias, bem como suporte de analítica e de modelagem e programas de educação do cliente.

M2G cria rede nacional de informações para atendimento de operadoras de saúde

Artigo anterior

Pesquisa revela que pacientes e profissionais acreditam em tecnologias conectadas para melhorar saúde

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News