News

São Paulo representa um terço dos novos casos esperados de câncer colorretal no país

0

O câncer colorretal é um tumor maligno que se desenvolve no intestino grosso, isto é, no cólon ou em sua porção final, o reto. São Paulo está entre os estados do Brasil que registram maior incidência de câncer colorretal, com cerca de 4 mil novos casos por ano e representando um terço dos esperados no País. De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), os índices dos cânceres de intestino predominam nas regiões Sul e Sudeste e, dentre os alertas, está o excesso de consumo de carne vermelha, diretamente relacionado a maior prevalência deste tipo da doença.

O INCA aponta que o Estado de São Paulo apresenta a maior prevalência de câncer no intestino dentre todos os Estados brasileiros, tanto entre homens quanto mulheres, estimada em cerca de 11.600 novos casos no ano. Em São Paulo, segundo o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ligado ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e à Secretaria de Estado da Saúde, o câncer de colorretal é o segundo mais incidente nas mulheres (7,4%), atrás apenas do câncer de mama. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) por meio da Pesquisa Nacional de Saúde, que avaliou os hábitos de consumo alimentar dos brasileiros, o consumo de peixe ao menos uma vez por semana em São Paulo é hábito de apenas 50,5%. No geral, há baixa ingestão de carne branca, frutas, legumes e hortaliças e elevado o consumo de carne vermelha.

Em alusão ao Março Marinho, mês de conscientização sobre o câncer colorretal, o especialista em endoscopia digestiva e mestre em gastroenterologia Ricardo Anuar Dib, do Delboni Auriemo, laboratório da Dasa, ressalta que a doença possui diferentes causas envolvidas em seu desenvolvimento. Em razão disso, além da adoção de uma dieta equilibrada, ela recomenda estabelecer outras medidas preventivas como praticar regularmente exercícios físicos, controlar o peso, evitar fumar e evitar o consumo de bebidas alcoólicas em excesso. O especialista alerta ainda que alguns casos, a minoria, podem ser resultado de síndromes genéticas e, por isso, os exames preventivos devem ser realizados com mais frequência.

Investigação da doença

O médico revela que o principal exame para investigação de câncer colorretal é a colonoscopia, indicado para homens e mulheres assintomáticos a partir dos 50 anos e com repetição a cada 5 ou 10 anos (de acordo com orientação médica). Recomenda-se também que, caso haja um ou mais episódios de câncer colorretal em parentes de 1º grau, a primeira colonoscopia seja feita a partir dos 40 anos e com repetição anual.

De acordo com o especialista, a investigação da doença também se dá por meio da pesquisa de sangue oculto nas fezes. “Utilizado em muitos casos como triagem prévia à colonoscopia, o exame não é invasivo, é mais barato e de repetição anual”. Também existem exames de sangue que podem contribuir para o diagnóstico precoce, como o marcador tumoral denominado CEA (Antígeno Carcino Embrionário).

Câncer colorretal por síndrome genética

O câncer colorretal é uma doença em que o pico de incidência se dá a partir dos 60 anos. Isso porque o seu desenvolvimento está relacionado com a exposição cumulativa ao longo da vida aos fatores de risco como dieta não equilibrada, sedentarismo, obesidade, tabagismo e consumo excessivo de álcool. Porém, um a cada 10 casos ocorre devido a uma mutação genética e pode ser registrado em pessoas mais jovens.

Estima-se que 3 a 5% dos casos de câncer colorretal são associados com a síndrome de Lynch, por exemplo. A alteração genética aumenta a predisposição para câncer colorretal e também o surgimento de tumores em outros órgãos como intestino delgado, ovários, endométrios, vias urinárias e mama. Outra doença hereditária que afeta o intestino é a síndrome adenomatosa familiar, quando os pacientes são acometidos por múltiplos pólipos que precisam ser removidos por colonoscopia.

A GeneOne, laboratório de medicina genômica da Dasa, realiza o sequenciamento (leitura) das amostras de sangue dos pacientes com suspeita de serem portadores de uma destas síndromes, com a proposta de identificar mutações no DNA. Dentre seus kits de testes, a GeneOne disponibiliza painéis que investigam a existência das mutações nos genes mais relacionados com predisposição hereditária de câncer colorretal.

Programa promove aceleração de negócios de impacto social em Saúde

Artigo anterior

Philips divulga ferramenta de apoio para planejamento da gestão de saúde na atenção primária nos municípios

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News