InovaçãoNewsletter

Unimed Sorocaba adquire tecnologia inédita para monitorar recém-nascidos

0

No mundo, segundo estudos epidemiológicos acompanhados pela Sociedade Brasileira de Pediatria, a asfixia perinatal atinge mais de 1 milhão de bebês recém nascidos por ano. No Brasil, estima-se que perto de 20 mil crianças nascem com falta de oxigenação no cérebro. Esses dados reforçam a necessidade de acompanhamento de bebês logo nas primeiras horas de vida.

Ciente deste cenário e da necessidade de busca constante de novas tecnologias de sua estrutura e capacitação de seus profissionais, o Hospital Unimed Sorocaba – Dr. Miguel Soeiro, em parceria com a empresa PBSF – Protecting Brains & Saving Futures, instalou em sua UTI neonatal uma nova tecnologia de monitoramento de bebês de alto risco.

A PBSF possui um sistema avançado de telemedicina para o monitoramento especializado de bebês, implementando o conceito de UTI Neonatal Neurológica. Em cinco anos, esta ação já foi aplicada em 6 mil de crianças de alto risco, as protegendo de futuras sequelas irreparáveis.

O Hospital Unimed Sorocaba – Dr. Miguel Soeiro é o único do interior paulista a adquirir essa tecnologia e o segundo da rede Unimed no Brasil. Segundo o médico pediatra e cofundador da PBSF, Alexandre Netto, o número de crianças que tiveram sequelas após a asfixia perinatal é bastante representativo. “Cerca de 25% dos atletas paralímpicos do Brasil têm sequelas por causa da asfixia perinatal, um cenário que queremos mudar. Esta tecnologia vai auxiliar equipes médicas e de enfermagem a identificar lesões cerebrais de uma forma mais precisa, garantindo uma melhor qualidade de vida.”

A tecnologia permite o monitoramento remoto e não invasivo contínuo por horas após o nascimento, reduzindo o número de número de bebês que terão sequelas neurológicas. De acordo com a médica pediatra e intensivista Elaine Garcia Moreno, coordenadora UTI infantil do hospital, o novo sistema vai ajudar médicos e equipe de enfermagem a identificar sinais sutis no bebê que podem resultar em lesões cerebrais. “Estamos em contato com a empresa há dois anos para trazer essa tecnologia ao hospital. Iniciamos agora com uma primeira fase de treinamento, mas teremos um acompanhamento contínuo da empresa através de reuniões regulares para tirarmos dúvidas e discutirmos casos”, explica a médica.

Com a capacitação de suas equipes, o Hospital Unimed Sorocaba – Dr. Miguel Soeiro poderá receber e acompanhar bebês com asfixia perinatal de hospitais da região. “Estamos nos capacitando para poder receber pacientes de outras cidades e estender a um número maior de bebês uma possibilidade de uma melhor qualidade de vida. Para isso, vamos notificar outros hospitais sobre a tecnologia que trouxemos ao nosso hospital”, afirma a doutora Elaine.

Ataques de ransomware a organizações de saúde cresce 94% em 2021, aponta estudo

Artigo anterior

Para especialistas, cliente digital está obrigando setor de saúde a sair da ‘era analógica’

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar