NewsNewsletter

Grupo Sabin expande portfólio e oferece testes RT-PCR com resultados em poucas horas

0

Na semana em que os números divulgados indicam a aceleração do ritmo da pandemia, o Grupo Sabin anuncia que integrou ao seu portfolio um novo teste molecular para a SARS-CoV-2, com amplificação isotérmica. “Ele é semelhante ao RT-PCR tradicional, mas utiliza amplificação isotérmica molecular, que diferente dos métodos convencionais, funciona em um sistema fechado onde é detectada uma região específica do gene RdRp do vírus e em 15 minutos já é possível conhecer o resultado do exame. Assim, potencializamos as etapas das análises e das fases subsequentes”, explica o médico e Diretor Técnico do Grupo Sabin, Rafael Jácomo.

O especialista destaca que o novo modelo de testagem é mais rápido que outros métodos moleculares, além de diminuir o tempo de espera para acesso ao resultado. “Com a implantação do novo sistema conseguimos emitir o laudo em até 2 horas e quem ganha com isso é o nosso paciente, que tem a segurança da qualidade do exame RT-PCR, que demora várias horas, e também a comunidade médica que consegue tomar decisões clínicas mais eficazes em menor tempo. “, afirma.

O procedimento de coleta é similar ao RT-PCR padrão. “A coleta é igual ao que já conhecemos e material é o mesmo, secreção de nasofaringe, obtido com um swab (cotonete) específico”, destaca. Outro ponto importante é que o exame é Point of Care, sendo oferecido somente na modalidade particular, já que não consta no rol de exames de cobertura obrigatória, estabelecida pela Agência Nacional de Saúde. Além disso, o teste molecular para COVID 19 com amplificação térmica não exige pedido médico e pode ser feito sem preparo especial prévio. “É mais uma forma de facilitar pacientes que buscam por opções mais rápidas, como viajantes, por exemplo, profissionais que estão voltando às suas atividades. Empresas também serão beneficiadas nesta fase de retorno, com mais esta opção de retomada segura, investindo na saúde de seus colaboradores”, conclui.

Pesquisa estima que 2,2 milhão de adultos já foram infectados pelo novo coronavírus na capital paulista

Artigo anterior

Dasa faz parcerias para oferecer educação médica com aulas e conteúdos gratuitos

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News