sexta-feira, julho 19, 2024
Home News App para medir diabetes pode ser porta de entrada para ciberataques, diz especialista

App para medir diabetes pode ser porta de entrada para ciberataques, diz especialista

por Redação
0 comentário

Os grupos cibercriminosos têm como seus alvos preferenciais não apenas instituições financeiras, órgãos governamentais ou grandes corporações que sofrem com os agentes maliciosos. Um dos setores mais visados atualmente é o da saúde, e isso causa seríssimos problemas que vão muito além de prejuízos financeiros.

Em seu mais recente relatório sobre o panorama de cibersegurança, a Apura Cyber Intelligence identificou, com base em dados coletados junto à sua plataforma, que o setor de saúde foi o terceiro mais visado por grupos de ransomware, que buscam invadir sistemas à procura de dados sigilosos e estratégicos e depois pedir resgate por eles. Atrás apenas dos setores de engenharia/arquitetura e financeiro, a saúde foi alvo de 7,9% dos ataques indexados pelo BTTng, sistema da empresa especializada em segurança cibernética e apuração em meios digitais.

“A saúde é um setor crítico, pois uma interrupção em sistemas de saúde pode ter consequências graves e afetar diretamente a vida das pessoas. Os dados confidenciais dos pacientes são altamente valiosos no mercado da dark web, o que torna o setor um alvo atrativo para cibercriminosos”, ressalta Sandro Süffert, CEO da Apura Cyber Intelligence.

Nem mesmo um aplicativo que tem o objetivo de ajudar as pessoas a controlar a diabetes escapou da mira dos cibercriminosos. O Glic, primeiro app para diabetes e controle de glicemia do Brasil, desenvolvido pela GlicOnline em parceria com o Hospital de Clínicas da USP e Fapesp, foi alvo do grupo cibercriminoso de ransomware chamado SiegedSec, que publicou arquivos confidenciais sobre pacientes roubados do serviço GlicOnline. Houve o vazamento de informações sigilosas de mais de 200 mil pacientes e um arquivo compactado com mais de 200Mb que foi publicado em um serviço de compartilhamento de arquivos e baixado centenas de vezes. O grupo ainda terminou a postagem afirmando que haveria novos vazamentos.

Outro caso emblemático foi o do L’hospital Clínic de Barcelona e que atende mais de meio milhão de pessoas por ano. Um ataque de ransomware às máquinas virtuais da casa de saúde em plena manhã de domingo afetou de forma severa o funcionamento da instituição. O ataque também interferiu no atendimento de emergência em outras três clínicas. Todos os aplicativos e sistemas de comunicação do hospital foram atingidos, o que fez com que informações de pacientes ficassem inacessíveis aos profissionais de saúde e o caos fosse instaurado. Cerca de 800 casos considerados urgentes tiveram que ser direcionados a outras instituições de saúde e cirurgias não urgentes, que aconteceriam na sequência, tiveram que ser canceladas, além de mais de três mil consultas. Segundo a apuração, o responsável foi o grupo RansomHouse, que surgiu no cenário em maio de 2022 e tem ligações com outro grupo de ransomware, o WhiteRabbit: ambos utilizam encriptadores que compartilham muitas semelhanças.

Em maio de 2022, o Ministério da Saúde suspendeu o acesso ao Conecte SUS, plataforma que contém toda a informação dos cidadãos brasileiros, inclusive com número de doses de vacina contra a Covid-19 que foram tomadas, e-SUS Notifica e SI-PNI, depois que um ataque foi identificado, o que causou um enorme transtorno para as autoridades federais e, também, aos próprios cidadãos.

Esses ataques mostram como os cibercriminosos estão mais criativos e inusitados em suas investidas. Os ataques cibernéticos são cada vez mais frequentes e sofisticados e podem causar grandes prejuízos, tanto financeiros como para a saúde e segurança das pessoas.

Prevenção e atenção

Segundo Süffert, é importante que as empresas e instituições de saúde estejam sempre atualizadas e adotem medidas de segurança robustas para evitar esses tipos de ataques.

Monitorar constantemente o espaço on-line nas várias camadas da internet, como a deep e a dark Web, em busca de ameaças, contar com a ajuda de experts em cibersegurança e adotar práticas de prevenção e resposta a incidentes são algumas das medidas que ajudam a minimizar os riscos e proteger os dados dos pacientes.

As plataformas de inteligência de ameaças e antifraudes são soluções para as instituições de saúde estarem preparadas para lidar com possíveis ataques. Não há limites para a ousadia dos grupos de fraudadores e hackers, e sem um acompanhamento constante, as vulnerabilidades serão exploradas.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside