News

Saúde 4.0 aproxima setor do paciente

0

A era digital vem impactando todos os setores da economia. Na saúde, as organizações ainda avançam a passos lentos na adoção de novas tecnologias, das quais são implementadas na área clínica e baixa adoção no que se refere ao paciente. Segundo Pesquisa realizada pela Accenture, apenas 23% dos hospitais contam com algum sistema de Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP).

Paralelamente a gestão interna ainda é burocratizada e as regulamentações engessam a inovação. Esse cenário envolve tanto o setor público quanto privado, onde ambos têm adotado soluções que inspirem os gestores a investir no paciente 4.0.

Do lado do paciente, ele está cada vez mais perito nos assuntos relacionados à sua saúde pela facilidade de acesso às informações na internet. Hoje, as redes sociais são utilizadas por 42% da população mundial, o brasileiro usa em média quatro horas do seu dia no celular, colocando o País no segundo lugar no ranking mundial dos países que mais utilizam o aparelho. E, embora a saúde movimente 2 trilhões de euros no mundo, apenas 2% são investidos em redes sociais.

“O perfil do paciente 4.0 é formado por mulheres entre 25 a 44 anos. Elas são economicamente ativas e vivem em grandes centros urbanos e o tipo de informação que buscam na internet é sobre especialidades de ginecologia, dermatologia e outras relacionadas à família. Isso impacta diretamente no relacionamento com os médicos, uma vez que já chegam no consultório entendidas daquilo que afeta a saúde”, comenta Luis Gustavo Ferreira, head of Customer Success da Doctoralia no Brasil.

Nicolas Toth Junior, presidente da Sharecare Brasil, enxerga o cenário da saúde 4.0 distribuído em três pilares: longevidade da população atingida com hábitos ruins, gerando perda de qualidade de vida com alto custo no preço pago para tratar as doenças; alto custo da saúde; cronicidade, envolvendo fatores de riscos (hipertensão, obesidade, diabetes e excesso de peso).

O uso de novas tecnologias (big data, IoT, telemedicina e medicina personalizada) pode garantir grandes saltos na indústria da saúde. “Essas ferramentas permitem o monitoramento de pacientes e diagnósticos, unidades de emergência conectadas, tratamentos personalizados para cada indivíduo por meio do mapeamento genético, interoperabilidade, transferência de dados, armazenamento entre médicos, laboratórios e hospitais”, observa Toth.

No entanto, Guilherme Rabelo, da gerência Comercial e Inteligência do mercado – InovaInCor – InCor / Fundação Zerbini, alerta sobre uma profunda análise do que realmente faz sentido no tempo certo para os negócios do setor, sem que a implantação de projetos não produza resultados esperados pelos gestores e para a sociedade. “A saúde não precisa de sistemas mais inteligentes e menos complexos. Isso mal feito pode criar a tempestade perfeita. Por isso, a inovação deve necessariamente atender aos anseios do mercado”.

Fábio Carvalho, CIO do Hospital Adventista de São Paulo, reforça a opinião de Rabelo lembrando sobre a necessidade de haver mais interoperabilidade entre os sistemas e a garantia da segurança. “A IoT pode ser um fator altamente de risco caso um equipamento seja invadido por hacker numa unidade de terapia intensiva, alterando os dados prescritos nas máquinas e gerando um diagnóstico equivocado”, diz Carvalho quando lembra da recente notícia sobre a falha de segurança em equipamento de marca-passo sob o controle de hackers.

A visão é adotar as novas tecnologias na gestão e área clínica, bem como proporcionar a personalização do paciente de forma assertiva. No Hospital Adventista, Carvalho implementou um chatbot no atendimento ao cliente com o uso de WhatsApp, onde o atendimento é feito por robôs. Dessa forma, foi possível atender de forma mais ágil a diversos tipos de pedidos como segunda via de boleto, agendamento de consulta, etc.

Da mesma forma, pequenas iniciativas com resultados expressivos, foram adotadas no setor público com o intuito de avançar para iniciativas mais robustas. Joel Formiga, chefe da PRODAM, exemplifica o aplicativo Agenda Fácil, que pode ser acessado pelo celular ou desktop, onde o primeiro cadastro é feito fisicamente em uma UBS.

Simples e eficiente, o sistema usou a base de dados do Siga Saúde e garante a marcação ou desmarcação de consultas, onde o usuário tem a visão das datas disponíveis, evitando filas de espera. Além disso, o aplicativo permitiu a agilidade no atendimento nas unidades, reaproveitamento de vagas de última hora, redução do absenteísmo, atualização cadastral do cidadão, mais praticidade e menos deslocamento.

Atualmente, o aplicativo conta com 600 mil usuários ativos, 400 mil downloads por dia, 5 a 10 mil transações ao dia. “A transformação digital não é a que você quer, mas da base de sistemas e recursos que você possui”, aponta Formiga, quando lembra que o resultado do aplicativo impactou positivamente para sensibilizar a gestão pública a criar projetos maiores que consolidem a história clínica digital.

Sistema Nacional de Rastreamento de Medicamentos deve entrar em vigor em 2019

Artigo anterior

Health Techs mostram soluções inovadoras na área de saúde

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News