terça-feira, julho 16, 2024
Home Artigos Healthtechs no Brasil: Qual o atual cenário e o que esperar no segundo semestre de 2024?

Healthtechs no Brasil: Qual o atual cenário e o que esperar no segundo semestre de 2024?

por José Maurício
0 comentário

O Brasil tem observado  um aumento significativo no mercado de healthtechs e esse fenômeno não apenas reflete a transformação digital global, mas também responde a demandas locais por soluções mais acessíveis, eficientes e personalizadas no cuidado com a saúde.

Atualmente, esse ecossistema no Brasil é diversificado e dinâmico. Empresas emergentes estão explorando uma variedade de áreas, desde telemedicina e saúde digital até diagnósticos avançados e gestão de dados de saúde. Além disso, essas startups não apenas introduzem novas tecnologias, como inteligência artificial e big data, mas também repensam modelos de negócios tradicionais, buscando melhorar a eficiência operacional e a experiência do paciente.

De acordo com o levantamento feito pela Liga Ventures, maior rede de inovação aberta da América Latina, em parceria com a Unimed Fesp, ao todo, foram mapeadas 536 startups ativas que utilizam diferentes tecnologias com o objetivo de transformar o setor de saúde e entregar melhores soluções e produtos para a população. O estudo aponta que, cerca de 1% delas foram criadas entre 2020 e 2023, sendo: bem-estar físico e mental (10%); planos e financiamentos (10%); buscadores e agendamentos (8%); Inteligência de dados (8%) e seniortechs (6%).

Um aspecto crucial do sucesso é sua capacidade de adaptação às especificidades locais do sistema de saúde. Enquanto algumas startups se concentram em oferecer acesso a consultas médicas remotas em regiões remotas, outras desenvolvem soluções para melhorar a gestão de hospitais e clínicas urbanas. Esse enfoque personalizado não apenas atende às necessidades variadas dos pacientes brasileiros, mas também reforça  o potencial de crescimento das empresas no mercado interno e além-fronteiras.

À medida que nos aproximamos do segundo semestre de 2024, as healthtechs no Brasil estão posicionadas para enfrentar novos desafios e oportunidades. Um aspecto promissor é a crescente integração da tecnologia no sistema de saúde público e privado, impulsionada por políticas de digitalização e pela demanda crescente por eficiência e transparência.

Em complemento, a pesquisa citada acima mostra que, 40% das healthtechs são emergentes, 28% estão estáveis, 16% são nascentes e 16% delas disruptoras. Com relação às tecnologias mais aplicadas, destacam-se Telemedicina (23%); Data Analytics (22%); API (18%); Inteligência Artificial (17%) e Banco de Dados (15%). Já referente ao público-alvo, o estudo mostra que 49% das startups têm como foco o mercado B2B.

Diante desse cenário, espera-se que essas startups continuem a inovar, não apenas desenvolvendo novas soluções tecnológicas, mas também fortalecendo parcerias estratégicas com instituições de saúde estabelecidas, empresas de tecnologia e investidores. Essas parcerias são essenciais para escalar operações, expandir o alcance e garantir a sustentabilidade a longo prazo.

Além disso, o cenário regulatório também desempenhará um papel crucial. À medida que o governo e os órgãos reguladores adaptam suas políticas para acomodar o avanço tecnológico, assim elas poderão operar em um ambiente mais previsível e propício à inovação.

José Maurício, COO da Doctoralia.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside