NewsNewsletter

Telemedicina, wearables e IA impulsionam home care e atendimento móvel no país

0

A atenção domiciliar à saúde, popularmente conhecida como home care, registrou crescimento expressivo nos últimos dois anos, especialmente em decorrência da pandemia de covid-19. Antes, no entanto, a atividade já vinha ganhando espaço devido, principalmente, ao crescimento no número de idosos e, consequentemente, de pacientes com doenças crônicas e degenerativas. Os avanços tecnológicos também têm contribuído para impulsionar o home care, com a larga adoção de devices e equipamentos com sensores para monitorar a prevenção da saúde, e até mesmo o atendimento móvel.

“A internet das coisas médicas é fundamental para que a interoperabilidade em toda a jornada do paciente, dentro e fora do ambiente clínico hospitalar, seja aplicada com dados fidedignos. Um dos grandes problemas que encontramos de implementação de interoperabilidade é a falta de infraestrutura física e lógica”, diz Fernando Paiva,  Co-Founder NephroTech e diretor de Relações Institucionais Lab HL7 Brasil, acrescentando que “sem um processo de sensibilização estruturado para aumentar o nível de maturidade dos profissionais de saúde sobre interoperabilidade, não conseguiremos engajamento em tecnologias exponenciais”

Um exemplo é o da Fleximedical, empresa que transforma caminhões, carretas, vans e ônibus em centro cirúrgico, ambulatório e centro de diagnóstico itinerantes, levando atendimento médico a regiões com escassez de estruturas de saúde. Os serviços são contratados principalmente por órgãos do governo e empresas que prestam serviço para o SUS (Sistema Único de Saúde).

Segundo Iseli Yoshimoto Reis, CEO da Fleximedical, que participou do Fórum Saúde Digital, a empresa hoje  tem 70 veículos adaptados e já fez mais de 3 milhões de atendimentos. A empresária conta que no auge da pandemia, com as UTIs lotadas e a falta de estruturas de saúde,  a Fleximedical se engajou a um projeto para  atender o maior número de pessoas possível. “A Mercedes-Bens queria inovar e criou uma unidade tomografia para um hospital de campanha focado na covid-19”, diz ela, salientando que a unidade agora vem sendo utilizada em outros tipos de atendimento.

Recentemente, a Fleximedical lançou cabines voltadas para atendimentos via telemedicina. O objetivo é ampliar as possibilidades da telemedicina, com cabines equipadas para medir pressão, temperatura, gordura corporal e até fazer um eletrocardiograma do paciente, explica Iseli. “Com essas cabines, podemos levar o conhecimento de médicos altamente especializados para regiões sem acesso à saúde usando a tecnologia”, diz.

A NotreDame Intermédica, maior operadora de saúde do Brasil, que no passado firmou acordo com a Hapvida para fusão das operações, criou um programa de home care para casos de alta complexidade de pacientes que estão acamados. O atendimento é feito online pelo médico, que tem acesso ao prontuário clínico do paciente em tempo real. “Como operadora de saúde, a NotreDame tem como meta fazer a prevenção, por isso é fundamental que o paciente esteja engajado. “Quando se consegue gerir o paciente, os custos são menores e o resultado é melhor”, diz Paulo Yoo, gerente executivo médico de saúde digital da Notredame Intermédica.

Yoo diz que o atendimento preventivo home care evita que 95% dos pacientes sejam indicados para ir ao pronto socorro. “A saúde digital com desfecho, que é tirar as pessoas do hospitais, é o futuro”, diz ele.

Ao destacar a importância dos wearables no acompanhamento da saúde das pessoas, a Philo Care aponta que esses dispositivoscontribuem também para que elas adquiram hábitos mais saudáveis, em função do feedback recebido. “Embora eles não sejam dispositivos médicos, eles cumprem a função de alertar sobre a possibilidade de um problema cardíaco, por exemplo, e também conscientizar as pessoas para a necessidade de uma vida saudável”, observa Douglas Betioli, CEO e fundador da Philo Care.

Segundo ele, a empresa foi criada para acompanhar a saúde das pessoas antes dela de transformar em doença. “E a gente percebe que isso é uma dificuldade, já que todo o processo foi desenhado para a pessoa se sentir mal, procurar um médico e aí ele vai dizer o que ela precisa fazer. Aqui, o médico monitora os dados de saúde e quando percebe algum desvio ele liga e diz o que a pessoa precisa fazer, explica.

Já a W3.Care, que fornece soluções tecnológicas como inteligência artificial, telemedicina e dados em tempo real para unidades móveis de resgates e ambulâncias com o objetivo de reduzir custos, sequelas e mortes, vê como fundamental iniciar o cuidado de um paciente traumatizado grave o mais rápido possível.

“Através de um input muito simples é possível saber se o paciente pode ser atendido in loco com o uso da telemedicina ou se deve ser encaminhado para o pronto atendimento, com um comunicado ao hospital”, afirma Jamil Cade, médico e CEO da W3.Care. Segundo ele, a W3.Care é uma healthtech que “leva médicos especialistas em locais onde eles não existem”, como UBS, hospitais menores, ambulâncias e resgates, dando suporte para uma automatização dos processos.

Hospital Moinhos de Vento mira em exemplos da Alemanha para inovar na saúde

Artigo anterior

Open health depende de sistemas interoperáveis, dizem especialistas

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar

Mais News