NewsNewsletter

GE Healthcare anuncia Serena Bright para exames de mamografias

0

A GE Healthcare apresenta a Serena Bright, a primeira tecnologia de biópsia de mama guiada com realce de contraste (SenoBright HD). Essa tecnologia vai permitir que médicos, ao detectarem uma imagem suspeita durante a mamografia, possam realizar imediatamente a biópsia com contraste, agilizando o resultado e o possível início de tratamento e dando uma chance maior de cura à paciente.

“O Serena Bright é a nossa biópsia de mama unida com a funcionalidade da mamografia espectral de contraste (SenoBright HD). Isso permite que seja realizado no mesmo mamógrafo, no mesmo momento e sob a mesma imagem com realce de contraste todos os procedimentos, desde a mamografia até a biópsia da mama quando necessário. O médico e a equipe não precisam nem mudar de sala para fazer a biópsia, basta apenas que ativem essa função do equipamento para que tudo aconteça”, conta Iris Oliveira, diretora de Marketing e Produto para Saúde da Mulher da GE Heathcare para a América Latina.

Iris também destaca a rapidez no diagnóstico proporcionado como uma das principais vantagens do Serena Bright, principalmente para as mulheres que estão realizando o exame, com medo da possibilidade de um câncer de mama. “Imaginem uma mulher, com uma lesão suspeita, já conseguir sair da clínica com as informações completas para conclusão do diagnóstico, sem precisar aguardar novos agendamentos e procedimentos complexos? Isso é fundamental para sua saúde mental, independente do resultado. Caso seja negativo para o câncer, ela pode seguir sua vida. Se não, promove aumento na chance de cura e já pode iniciar o tratamento”, confirma.

Sem perda de tempo

Quando uma lesão é encontrada na mamografia a partir do uso da tecnologia de contraste, o médico, normalmente, orienta que a paciente faça uma ressonância magnética com contraste. Só que, às vezes, o tempo entre um exame e outro pode se tornar uma barreira, além do maior custo para a realização de uma ressonância, algo nem sempre viável para parte da população. “Algumas mulheres que têm a oportunidade levam semanas para realizar a ressonância com biópsia, enfrentando desafios como a falta de disponibilidade de agendamento, desconforto em ambientes claustrofóbicos, reações a meios de contraste à base de gadolínio e alinhamento do tempo do ciclo menstrual para realização do exame, o que prejudica a detecção precoce e pode comprometer o tratamento”, revela Iris.

Ainda de acordo com a diretora da GE Healthcare, ter uma inovação que une a imagem espectral com contraste com a biópsia pode ser a solução para acelerar ainda mais o processo de diagnóstico do câncer de mama. Além disso, ela destaca outro benefício do Serena Bright: o bem-estar da paciente durante o exame.

“Quando comparamos com a biópsia guiada por ressonância magnética, os benefícios da biópsia com mamografia espectral com contraste, o Serena Bright, são tempo menor e mais conforto para a paciente. A ressonância magnética é um procedimento longo e que obriga a paciente a ficar de bruços. O Serena Bright é realizado no próprio mamógrafo, na mesma posição da mamografia e de forma mais rápida” completa.

O que é o SenoBright HD

A tecnologia do Serena Bright estará disponível em mamógrafos da GE Healthcare, como o Senographe Pristina, que possuírem a biópsia Serena. Mas a chave para a aplicação desta nova tecnologia é o SenoBright HD, um contraste à base de iodo capaz de diagnosticar com a mais alta precisão qualquer anormalidade na mama. “Em uma linguagem não técnica, o Serena Bright é a biópsia com o equipamento modelo Serena e com a funcionalidade do uso de contraste possibilitado pelo SenoBright HD durante o procedimento da biópsia”, explica Íris.

Para a diretora de Marketing e Produto para Saúde da Mulher da GE Heathcare, o novo Serena Bright pode fazer com que a longa fila de biópsias não realizadas, por causa da pandemia do novo coronavírus, sofra uma redução.

“Muitas mulheres que fizeram mamografia e tiveram um resultado suspeito podem ter deixado de fazer a ressonância por medo de contágio ou até mesmo por uma limitação de tempo de aprovação pelo convênio médico. Algumas também podem ter deixado por causa da falta de acesso, dependendo da região do país em que vivam. O Serena Bright junta dois exames em um, é rápido, efetivo, financeiramente mais viável para paciente e clínicas, além de não expor a paciente a riscos adicionais de deslocamento e nem de troca de equipe. É uma ótima aquisição para clínicas e hospitais, que vão continuar enfrentando a pandemia no ano que vem”, conclui Iris.

Novos testes que detectam variantes da COVID-19 começam a ser exportados a partir da Coreia do Sul

Artigo anterior

Cresce procura por excitadores respiratórios usados no tratamento pós-Covid-19

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News