InovaçãoNewsletter

Tecnologia permite coletar dados de testes de coronavírus em até 3 minutos

0

A Fundação CERTI desenvolveu um sistema inédito no Brasil, capaz de coletar dados de testes de coronavírus em até 3 minutos e registrar informações de 5 mil exames em um só dia. Todos os 56 mil testes moleculares realizados pela startup Biomehub em pessoas assintomáticas em Santa Catarina, dentro do Projeto Iniciativa Covid-19, foram cadastrados por meio da plataforma da CERTI. Uma dessas ações de testagem em massa foi realizada em parceria com a prefeitura de Florianópolis, em 6,5 mil profissionais do setor produtivo, entre trabalhadores do comércio e de Educação Física de academias da capital.

Os aplicativos integrados ao sistema desenvolvido pela CERTI dispensam o uso de planilhas de preenchimento pelos profissionais que coletam as amostras, agilizando o processo. Ele também pode ser usado pelo paciente que será examinado. A pessoa testada pode baixar o aplicativo, que terá um QR Code para ser escaneado pelo agente de saúde que realiza a coleta. Dessa forma, poderá acessar o resultado de seu exame assim que ficar pronto. Além da agilidade, outra vantagem é a rastreabilidade, que ajuda a reduzir contaminações. Por meio do aplicativo é possível, por exemplo, rastrear a geolocalização e identificar quem teve contato com pessoas contaminadas pela Covid-19, para que também sejam testadas.

“Com esta solução, o paciente tem a garantia de que receberá o resultado do exame de forma rápida, segura e digital, ao contrário de processos manuais que são passíveis de erros e atrasos. Atualmente, a coleta de dados de Covid-19 num laboratório ou em campo leva cerca de 20 minutos. Com o app, é possível fazer a coleta e liberar o paciente em até 3 minutos”, explica Maurício Dobes, diretor de Convergência Digital da CERTI.

De acordo com a organização, o sistema oferece segurança no diagnóstico e mantém em sigilo as informações sensíveis dos pacientes, em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que já está em vigor. O software também armazena um histórico de exames e pode ser integrado aos bancos de dados do laboratório, podendo ser usado para coleta de outras amostras de materiais biológicos, além de detectar Covid-19.

“Um sistema como esse facilita ações da saúde pública, pois permite que prefeituras e laboratórios criem processos próprios para vacinas e exames epidemiológicos em larga escala, já que qualquer cidadão poderá ter seu próprio QR code. O governo, por exemplo, poderá usufruir do legado desse software para futuras campanhas de saúde”, diz Dobes.

Os testes realizados pela BiomeHub, por meio do Projeto Iniciativa Covid-19, tratam-se de uma parceria com CERTI, SESI e Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), para proporcionar a retomada da economia de forma segura e monitorar a evolução das contaminações pelo vírus. Para isso, foram realizadas testagens moleculares tipo RT-PCR – os mais precisos para detectar o vírus ativo num indivíduo – em grande escala e com baixo custo de aplicação – entre 20 a 25% do custo do mercado.

“Nesta etapa de retomada, é a realização dos protocolos de segurança, juntamente com a testagem em massa recorrente, que vai fazer com que consigamos isolar mais rapidamente os indivíduos infectados. Neste contexto, chamo a atenção para os infectados assintomáticos, pois apesar de não terem sintomas, possuem carga viral semelhante aos sintomáticos e, logo, o mesmo potencial de transmissão”, observa o doutor em Genética e Biologia molecular Luiz Felipe Valter de Oliveira, CEO da BiomeHub.

Mackenzie Campinas realiza projeto em colaboração com Harvard University

Artigo anterior

Shift cria solução com tecnologia InterSystems para laboratórios cumprirem portaria do Ministério da Saúde

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar