quarta-feira, junho 19, 2024
Home News Disfonia, uma das principais causas que afasta professores da sala de aula

Disfonia, uma das principais causas que afasta professores da sala de aula

por Redação
0 comentário

A perda da voz é uma das principais causas de afastamento de professores. Dados do Núcleo de Estudos de Saúde e Trabalho da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) apontam que mais da metade dos docentes falta pelo menos uma vez por ano, por motivo de saúde, e as causas mais frequentes são justamente a rouquidão e a diminuição da potência vocal.

Datado de 2020, esse levantamento é um dos mais recentes sobre o tema e corrobora com outros, publicados em anos anteriores, que apresentaram resultados semelhantes. Pesquisa de 2008, feita pelo Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinprosp), em parceria com o Centro de Estudos da Voz, revelou que 63% dos professores da rede particular já tiveram problemas com a voz.

Diagnósticos similares também foram verificados na rede pública, por meio de levantamentos do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de SP (Apeoesp) e da própria Prefeitura de São Paulo.

Não é por acaso que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) considera o professorado a categoria de maior risco de desenvolver distúrbios vocais. Dentre os principais motivos, o uso excessivo da voz é o mais óbvio, sem dúvida. Mas é certo que a falta de cuidados com o aparelho fonatório também contribui para esta situação – conforme alerta o Dr. Domingos Tsuji, médico especialista em diagnóstico de patologias de laringe e responsável pelo Voice Center do Hospital Paulista.

“Ter a voz como principal instrumento de trabalho requer muita disciplina, sobretudo no que se refere à hidratação do corpo e o descanso necessário da voz, para evitar os chamados fonotraumatismos (lesões nas cordas vocais). Há técnicas de aquecimento e desaquecimento da voz e exercícios vocais que também ajudam muito nessa proteção e devem ser associadas”, destaca o médico, que elencou uma série de dicas para auxiliar nessa tarefa (detalhes abaixo).

A maior preocupação, segundo ele, é que essas lesões recorrentes possam ensejar quadros de doenças mais graves. Por isso é tão importante preveni-las. “Rouquidão que persiste em mais duas, três semanas, por exemplo, é um sinal de alerta que não pode ser ignorado. Aliás, o sintoma mais clássico de lesões pré-malignas e câncer de laringe é a alteração da voz”, enfatiza o Dr. Tsuji.

Ele lembra que o Brasil é um dos países com maior taxa de diagnósticos de câncer de laringe – o que demanda atenção redobrada da nossa parte. “Embora a curabilidade seja alta, é fundamental o diagnóstico precoce e isso nem sempre acontece. Nesse contexto, a prevenção entra como uma aliada importante em casos de alterações vocais persistentes ou recorrentes que precisam ser investigadas”.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias