quinta-feira, maio 30, 2024
Home News Aderência a planos de saúde com coparticipação sobe para 53% no Brasil

Aderência a planos de saúde com coparticipação sobe para 53% no Brasil

por Redação
0 comentário

Avaliar se o plano de saúde com coparticipação vale a pena é um dos desafios de pessoas físicas, MEI, empresários e profissionais de RH para escolher o convênio médico ideal. Por ser uma opção que costuma oferecer mensalidades menores, é uma alternativa viável para parte da população interessada em contratar o serviço e com valores mais acessíveis. O que muda é o modelo de cobrança — além da mensalidade, o beneficiário pagará uma taxa ou percentual sobre os serviços utilizados. Segundo o estudo Balanço Observatório da Anahp (Associação Nacional de Hospitais Privados), a coparticipação apresenta maior crescimento no setor. O número saltou de 48,49%, em 2019, para 53,10%, em 2023, no Brasil.

Os serviços com coparticipação no plano de saúde funcionam para as três modalidades de contratação (individual, coletivo empresarial e coletivo por adesão). O que muda é a forma de pagamento. Além da mensalidade, o beneficiário pagará um valor adicional por cada procedimento ou tratamento realizado. Dessa forma, consultas, exames, procedimentos ou internações são cobrados à parte, com um valor diferenciado que varia de operadora para operadora, mas costuma ser mais baixo que o de uma consulta particular ou de uma mensalidade de plano com cobertura completa.

Há ainda empresas turbinando o modelo padrão de coparticipação e inovando para torná-lo mais atrativo. Por exemplo, para a Sami, revolução dos planos de saúde, mesmo aos clientes que optarem pela coparticipação sempre haverá a entrega do cuidado coordenado. “Sem nenhum custo a mais, oferecemos via telemedicina ou presencialmente em alguma de nossas unidades físicas, acesso ao Time de Saúde (formado por médico(a), enfermeiro(a) e coordenador(a) de cuidado). Além disso, também garantimos a manutenção das terapias mais complexas, como tratamento de câncer ou hemodiálise, e exames com coleta domiciliar”, explica Gustavo Costa, diretor comercial da healthtech.

A coparticipação é bastante utilizada por pequenas e médias empresas e microempreendedores individuais (MEIs) por normalmente ter um preço mais acessível. A cobrança é geralmente feita em cima dos procedimentos realizados e os valores não devem ultrapassar a mensalidade paga pelo beneficiário. Ou seja, o usuário tem como prever quanto terá que pagar no fim do tratamento. Ainda sobre o pagamento, o valor não é pago diretamente ao prestador credenciado de serviços (médico, clínica, laboratórios, hospitais, etc.). A cobrança do valor adicional, referente à coparticipação, é feita pela operadora do plano de saúde, com a mensalidade ou em um boleto à parte”, detalha Gustavo Costa.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias