NewsNewsletter

Pacientes com fibrilação usando wearables vão ao hospital mais do que seus pares, de acordo com o estudo

0

Pacientes com fibrilação atrial (AFib) que usam wearables são mais propensos a usar o sistema de saúde do que seus pares, de acordo com um novo estudo do JAMA, segundo o MobileHealth News.

Os pesquisadores descobriram que, embora os pacientes que usam os wearables tenham taxas de pulso comparáveis ​​àqueles que não usam a tecnologia, eles são mais propensos a se submeter a um procedimento de ablação do que seus colegas.

“Nosso estudo está entre os primeiros estudos a caracterizar sistematicamente o uso de vestíveis entre indivíduos com FA como parte da prestação de cuidados de saúde de rotina. Os indivíduos que usavam vestíveis eram mais jovens, mais saudáveis ​​e socioeconomicamente melhores do que aqueles que não usavam vestíveis. Não encontramos nenhuma diferença nas taxas de pulso medidas na clínica entre os 2 grupos, mas taxas mais altas de uso de cuidados de saúde entre os indivíduos que usaram wearables “, escreveram os autores do estudo.

Depois de usar um método de correspondência para o estudo, os pesquisadores descobriram que a taxa de pulso média era semelhante entre os 125 pacientes que usavam wearables (75,01) e os 500 que não usavam os wearables (75,79).

No entanto, aqueles que usaram wearables tiveram uma pontuação de uso composto significativamente maior de 3,66 dos pacientes que usaram wearables em comparação com 3,27. A ablação foi significativamente maior em pacientes que usam wearables (17,6%) em comparação com aqueles que não os usam, com 7,4%.

Métodos

Os pesquisadores usaram um processo de correspondência para inclusão no estudo retrospectivo. Para serem incluídos, os pacientes do grupo de não vestíveis tinham que ser vistos por um clínico para Afib dentro de “60 dias de pelo menos um dos encontros por um membro do grupo de usuários.

Os participantes receberam uma data de índice que era o dia 0 da análise. Os pesquisadores definiram esta data como a data anterior em que uma nota sobre o wearable foi incluída em seu registro de saúde e, para não usuários, a data foi definida como a última consulta médica em que um código AFib foi usado.

Os participantes que não eram usuários de wearables foram então comparados com aqueles que usaram os wearables, com uma “correspondência de pontuação de propensão em uma proporção de 4 para 1” usando um modelo de regressão logística. No total, 125 indivíduos usando wearables foram incluídos e 500 pacientes que não os usaram.

Engajamento

Os wearables estão cada vez mais se tornando parte da pesquisa clínica. Um exemplo importante é o Apple Heart Study, uma colaboração entre Stanford, American Well, BioTelemetry e Apple, que se concentrou no papel do Apple Watch na detecção de AFib. No ano passado, os pesquisadores do estudo descobriram que, embora as taxas de inscrição fossem altas, o engajamento no estudo virtual era baixo.

Este não é o primeiro estudo feito sobre a conexão entre a utilização da saúde e vestíveis. Um estudo publicado no Journal of the American Medical Informatics Association sugeriu que o recurso de detecção de pulso anormal da Apple pode estar alimentando a utilização desnecessária de serviços de saúde.

FORUM SAÚDE DIGITAL

O Fórum Saúde Digital, que acontece dias 29 e 30 de junho, terá um painel sobre o tema: O SAÚDE CONECTADA – Engajamento digital para melhoria dos cuidados de saúde. Mais informações em www.forumsaudedigital.com.br

Pesquisa da ASICS com um milhão de pessoas vai mapear o impacto do esporte na mente

Artigo anterior

Transformação digital visa contribuir com o diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News