NewsNewsletter

MG e ES vão receber R$ 150 milhões em recursos para investimentos em saúde

0

Os estados de Minas Gerais e do Espírito Santo e 36 municípios mineiros vão receber R$ 150 milhões em recursos compensatórios da Fundação Renova para investimentos exclusivamente em saúde. A homologação da destinação dos valores aconteceu no último dia 23 pela 12ª Vara Federal de Belo Horizonte (MG) e estava prevista no Eixo Prioritário 11, atendendo à deliberação 470 do Comitê Interfederativo (CIF). A Fundação Renova tem o prazo de 30 dias para efetuar o depósito judicial.

Ao todo, serão destinados R$ 82,8 milhões para o Estado de Minas Gerais, R$ 60 milhões para o Estado do Espírito Santo e R$ 7,2 milhões para 36 municípios mineiros. Considerado de caráter compensatório e como antecipação de reparação pelo rompimento da barragem de Fundão, os recursos serão empregados no Sistema Único de Saúde (SUS) para reforçar o combate à Covid-19 e proporcionar um legado estrutural e permanente para as regiões contempladas.

No caso dos Estados, os valores serão destinados, exclusivamente, para a aquisição de bens de capital e de consumo duradouro, como equipamentos médicos, ambulâncias, monitores cardíacos, respiradores pulmonares, camas hospitalares, aparelhos de tomografia e aparelhos de ultrassonografia, além de construção e reforma de áreas hospitalares para ampliação de leitos. Já nos municípios, os valores poderão ser alocados em outras frentes, como aquisição de medicamentos e contratação de profissionais.

Para o gerente do Programa de Apoio à Saúde Física e Mental da População Impactada, Wagner Elisio Tonon, o financiamento de ações compensatórias, por parte da Fundação Renova, para o fortalecimento do SUS contribuirá para a atenção à saúde de toda população nos municípios atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão. “A forma de utilização desses recursos foi definida pelos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo e representam um apoio significativo da Fundação Renova para a Rede de Atenção à Saúde Pública em um momento tão delicado vivido pelos municípios no combate à pandemia do COVID 19”, diz.

Os recursos não poderão ser destinados para pagamento de despesas com aluguéis, diárias, telefonia e tributos. A fiscalização será submetida ao controle judicial, devendo as partes prestarem contas à 12ª Vara Federal, sem prejuízo da atuação dos demais órgãos de controle interno e externo (TCE/MG e TCE/ES).

Recursos para o governo de Minas Gerais

Para promover a estruturação do Hospital Regional de Governador Valadares (HRGV) serão destinados mais R$ 54,3 milhões, além dos R$ 75,3 milhões já repassados anteriormente por meio da Agenda Integrada. Com a conclusão das obras e compra dos equipamentos, o hospital terá 265 leitos, sendo 176 de enfermaria, 39 de urgência e emergência e 50 leitos de UTI, além de 9 salas de cirurgia.

Já para a implantação do SAMU Leste do Sul serão destinados R$ 28,4 milhões. Esse valor considera o pagamento do convênio para a estruturação de bases descentralizadas e da Central de Regulação de Urgência (CRU), além da compra de 23 ambulâncias de suporte básico ou avançado. Também é considerado o custeio total das atividades do serviço de urgência por 12 meses.

O SAMU Leste do Sul vai atender 53 municípios, sendo eles 8 reconhecidos como atingidos pelo TTAC e outras 45 cidades.

Recursos para municípios mineiros

Para o fortalecimento do sistema público de saúde de 36 municípios de Minas Gerais serão destinados R$ 7,2 milhões, sendo R$ 200 mil para cada localidade, conforme indicado pelo Fórum de Prefeitos do Rio Doce. Caberá a cada município, observada a sua realidade local, fazer a destinação que melhor atenda aos seus interesses.

Os valores poderão ser utilizados para a aquisição de medicamentos e produtos hospitalares, contratação/disponibilização de exames, contratação de médicos e enfermeiros, instituição/manutenção de unidades de urgência/emergência, aquisição de ambulâncias e aquisição de equipamentos médicos.

Serão contemplados com os recursos as 35 cidades mineiras previstas pelo TTAC além de Ponte Nova: Aimorés; Alpercata; Barra Longa; Belo Oriente; Bom Jesus do Galho; Bugre; Caratinga; Conselheiro Pena; Córrego Novo; Dionísio; Fernandes Tourinho; Galileia; Governador Valadares; Ipaba; Ipatinga; Itueta; lapu; Mariana; Marliéria; Naque; Periquito; Pingo d’Água; Ponte Nova; Raul Soares; Resplendor; Rio Casca; Rio Doce; Santa Cruz do Escalvado; Santana do Paraíso; São Domingos do Prata; São José do Goiabal; São Pedro dos Ferros; Sem Peixe; Sobrália; Timóteo; Tumiritinga.

Investimentos no Espírito Santo

Ao governo do Estado do Espírito serão destinados R$ 60 milhões, para serem investidos na construção de Unidades de Pronto Atendimento em Linhares e Colatina e a construção de Hospital de Pequeno Porte em Baixo Guandu.

As UPAs e o hospital vão beneficiar diretamente 300 mil habitantes, moradores dessas cidades, além de municípios da região norte do estado, que contarão com mais estruturas de atendimento hospitalar.

Também estão previstos até R$ 15,2 milhões para a aquisição de 45 ambulâncias, sendo 37 Unidades de Suporte Básico (USB) e 8 Unidades de Suporte Avançado (USA), e de equipamentos hospitalares, como tomógrafos, ultrassons, cardioversores, máquinas de raio-x fixas e móveis, sistemas de radiografia computadorizada e aquecedores de contraste.

Veja como serão distribuídos os recursos:

DISTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS
MINAS GERAIS
HOSPITAL DE GOVERNADOR VALADARES R$ 54.310.256,05
SAMU LESTE DO SUL R$ 28.489.743,95
  R$ 82.800.000,00
ESPÍRITO SANTO
UPA LINHARES R$ 9.652.500,00
UPA COLATINA R$ 9.652.500,00
HOSPITAL BAIXO GUANDU R$ 25.492.500,00
EQUIPAMENTOS E AMBULÂNCIAS R$ 15.202.500*
  R$ 60.000.000,00
MUNICÍPIOS DE MINAS GERAIS
APOIO À SAÚDE PÚBLICA MUNICIPAL R$ 7.200.000,00
TOTAL R$ 150.000.000,00

 

* Valor pode ser de até R$ 15.206.434,00, excedendo os R$ 60 milhões previstos para o Estado do Espírito Santo.

Fundação Renova

A Fundação Renova é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, constituída com o exclusivo propósito de gerir e executar os programas e ações de reparação e compensação dos danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão.

A Fundação foi instituída por meio de um Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado entre Samarco, suas acionistas Vale e BHP, os governos federal e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de uma série de autarquias, fundações e institutos (como Ibama, Instituto Chico Mendes, Agência Nacional de Águas, Instituto Estadual de Florestas, Funai, Secretarias de Meio Ambiente, dentre outros), em março de 2016.

Em busca de rotina ágil em serviços da rede pública, FIDI investe em automação de processos

Artigo anterior

Game educativo mostra o papel transformador da tecnologia na conscientização sobre depressão

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News