quinta-feira, abril 18, 2024
Home Inovação Laboratório brasileiro copia partes do corpo humano para criar vacinas

Laboratório brasileiro copia partes do corpo humano para criar vacinas

por Redação
0 comentário

Organismo biológico, microscópico — portanto invisível a olho nu —, mas com uma capacidade de multiplicação impressionante, agente causador de doenças (graves, inclusive) em animais e plantas. É, em síntese, a definição de vírus. Desenvolver produtos e soluções que combatam tais parasitas tornou-se desafio para a sociedade, além de se constituir em uma atividade econômica que só neste ano deve movimentar US$ 53 bilhões no mundo. Tarefa que demanda conhecimentos interdisciplinares e exige tecnologia, disciplina e segurança.

É o que mostra a rotina de trabalho em um laboratório localizado no ecossistema de biotecnologia de Botucatu, interior de São Paulo, o da Crop Labs. Neste caso, com um diferencial: trata-se de um laboratório que não utiliza animais como cobaias. A Crop Labs, entre outras soluções, ficou conhecido principalmente por realizar pesquisas no combate ao coronavírus causador da Covid-19. Atualmente, é um dos 60 laboratórios que compõem a Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde (Reblas), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Inicialmente é importante contextualizar a rotina em um laboratório que se dedica a testar produtos contra vírus e que produtos são esses. Trata-se de saneantes e antissépticos, e mesmo vacinas e medicamentos eficazes contra vírus e suas ações. Tal eficácia, porém, precisa de ser cientificamente comprovada, e é nesse ponto que entram os testes. “O primeiro passo é comprovar que funcionam em bancada, ou in vitro, como chama”, pontua o engenheiro de biotecnologia Aruã Prudenciatti, diretor da Crop Labs. “Após atestar a eficácia in vitro, podem ser feitos testes em voluntários, para atestar a eficácia na população. Além da eficácia, é também importante testar a segurança desses produtos”, acrescenta.

Trilha de testes

Ao receber um produto para ser testado, o laboratório precisa garantir que tudo seja rastreável, desde o lote de produção da amostra recebida até os insumos utilizados no teste. O virologista Lucas Ribeiro, responsável técnico pelas instalações da Crop Labs, destaca as especificidades entre trabalhar com vírus e outros organismos igualmente patogênicos, como bactérias e fungos. “Diferentemente das bactérias, que precisam apenas de açúcares para crescerem, os vírus precisam de uma célula hospedeira. Basicamente, ele tem de infectar uma célula humana para se multiplicar, e isso é o que deve ser feito em laboratório, antes do teste do produto”, conta.

Assim, além da eficácia, assinala o biotecnologista Aruã Prudenciatti, “é também importante testar a segurança dos produtos. São testes vão desde a avaliação da irritação na pele de um produto antisséptico até testes de toxicidade crônica, por uso prolongado, em medicamentos e vacinas, por exemplo”.

Na Crop Labs, no lugar de ratinhos ou qualquer outro animal como cobaia, os testes são feitos a partir de um método que consiste em mimetizar o corpo humano a partir da célula de algum órgão, como fígado ou rim. In vitro, a célula é expandida, criando-se um “mini órgão”. Esse novo organismo é que se torna, na prática, a “cobaia”, e não um ser vivo.

Disciplina e biosseguarança

Para além do conhecimento científico acumulado, que viabiliza a descoberta e aplicação de métodos eticamente responsáveis, e de tecnologia de ponta para colocá-los em prática, medidas de biossegurança são indispensáveis, e cumpridas rigorosamente, com disciplina exemplar. Ainda mais, quando há vírus envolvido — dada a já mencionada capacidade de reprodução e contaminação desses patógenos.

Equipamentos de proteção individual, instrumentos para manipulação e objetos em geral observam normas que garantam proteção dos profissionais e execução dos testes com mitigação absoluta de riscos. Arquitetura e outras configurações do ambiente laboratorial igualmente devem proporcionar atendimento a quesitos de segurança. “Trabalhar com vírus exige biossegurança mais elevada, o que passa por uma estrutura específica, treinamento de pessoal e controle minucioso de qualidade”, afirma Aruã Prudenciatti.

O diretor sublinha que, para poder realizar testes de produtos contra vírus, a Crop Labs trabalhou no desenvolvimento de tecnologias em conjunto com o Laboratório de Biotecnologia Aplicada do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside