sexta-feira, julho 19, 2024
Home Inovação Professor de medicina da UniSul realiza primeira cirurgia bariátrica Sleeve do mundo

Professor de medicina da UniSul realiza primeira cirurgia bariátrica Sleeve do mundo

por Redação
0 comentário

O cirurgião bariátrico e docente do curso de medicina da UniSul, Nicholas Kruel, realizou um feito histórico: a primeira cirurgia bariátrica do mundo com a técnica Sleeve (remoção de parte do estômago), por meio do robô Versius, um dos mais avançados mundialmente. O procedimento foi realizado no dia 4 deste mês no Hospital de Caridade, em Florianópolis.

Além do marco histórico na medicina, a data é bastante especial para o médico, pois há 26 anos seu pai, o cirurgião geral Nicolau Kruel, foi o primeiro a realizar uma cirurgia bariátrica em Santa Catarina. Agora é Nicholas o pioneiro no procedimento com a robótica no Estado.

“Fico muito feliz, especialmente porque o meu pai foi pioneiro e, décadas depois, vou ter a honra de ser fazer história na mesma especialidade, dessa vez com o robô, um avanço da ciência”, afirma o professor do curso de medicina da UniSul, Nicholas Kruel.

A primeira paciente operada com a cirurgia robótica Sleeve foi Ida Teresinha, de 38 anos, e que antes do procedimento pesava 97kg.

A equipe responsável pela primeira cirurgia bariátrica robótica com a técnica Sleeve contou com a participação do coloproctologista Carlos Eduardo Domene, do cirurgião geral Nicolau Kruel, do cirurgião geral Bruno Ricciardi e do cirurgião de pâncreas e fígado, Danton Corrêa.

Vantagens da robótica

A técnica assegura mais precisão dos movimentos de pinça e o detalhamento de imagem que permitem ao cirurgião acessar locais mais específicos. Na robótica a visão é tridimensional, diferente da videolaparoscopia, que é bidimensional, sendo possível desta forma, ter uma noção de profundidade e acessar, aproximar e detalhar tecidos e fibras mais profundos sem tremores e com menos cortes e sangramentos.

“Por ser um procedimento minimamente invasivo, a recuperação do paciente é muito melhor, mais rápida, com menos dor e tempo de internação após a operação. O tempo de cirurgia também é menor do que o método tradicional”, explica Nicholas.

Segundo o médico, na alta da primeira paciente, ela relatou não sentir dores. “Com isso ela pode ir para casa 24 horas após o procedimento. É uma situação que nos dá mais segurança ainda no que estamos fazendo e nos incentiva ao aprimoramento e cada vez mais estudo da técnica robótica”, conclui o professor de Medicina da UniSul.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside