Home Artigos Saúde 4.0 tem avanço barrado por falta de dados estruturados e digitalização

Saúde 4.0 tem avanço barrado por falta de dados estruturados e digitalização

por Cristian Rocha*
0 comentário

Cada vez mais essencial para todos os setores, o acesso à internet faz absoluta diferença na qualidade da saúde praticada no país. A automação de uma série de serviços, desde recepção e histórico de atendimento, até o monitoramento individual de cada paciente durante uma internação ou bateria de exames. Os sistemas operacionais do hospital e a gestão das próprias equipes também podem, atualmente, ser facilmente administrados digitalmente.

No entanto, a todo tempo, percebemos dois “Brasis”. O Brasil dos hospitais de ponta nos grandes centros urbanos e o dos postos de saúde sem eletricidade, equipamentos, insumos e profissionais. Que dirá internet e inteligência artificial.

Outra adversidade é a falta de atuação na saúde primária, notória a ausência de investimentos até mesmo em saneamento básico. Em todas as cidades, incluindo as metrópoles mais ricas do país, existem bairros e comunidades, onde a população ainda não tem acesso a água tratada e esgoto, condição sanitária mínima.

Sem contar a economia de recursos financeiros que poderia acontecer principalmente na saúde terciária, já que uma população mais saudável e atendida em primeira instância (UBSs e Usafas, por exemplo) evitaria ou diagnosticaria precocemente doenças graves. E teria maior possibilidade de sucesso em tratamentos no início dos sintomas, evitando custos ao sistema em procedimentos de alta complexidade, como internações e cirurgias.

Essas dificuldades enfrentadas pelo setor podem ser divididas entre básicas e técnicas.

As básicas incluem acesso à internet nas unidades de saúde e nas residências em locais mais distantes, o que facilitaria a ampliação da telemedicina no Brasil; além da falta de computadores e smartphones para coleta de dados e, para os profissionais, treinamento e entendimento do benefício da tecnologia na formação e atuação no mercado da Saúde. Este último aspecto, principalmente, de muita resistência em boa parte das implantações.

Já no âmbito técnico, os principais impasses estão diretamente relacionados à falta de dados estruturados, sistemas para digitalização de tais dados e históricos clínicos, e falta de processamento adequado para todo esse conteúdo. Sem contar a falta de padronização nos sistemas, porque cada um “fala sua própria língua” e não conversam entre si.

Esta digitalização superficial dos hospitais e clínicas limita-se quase exclusivamente às áreas administrativas e financeiras, não alcançando a ponta do serviço, no atendimento ao paciente por médicos e enfermeiros.

Superados tais desafios, o Brasil em toda sua extensão territorial tem potencial para desenvolver amplamente soluções e tratamentos. É o que nós, com a missão de aplicar tecnologia a saúde, esperamos e trabalhamos para conseguir.

*Cristian Rocha é diretor executivo e cofundador da Laura, healthtech que oferece soluções de inteligência artificial para a democratização do acesso à saúde.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias