terça-feira, junho 18, 2024
Home News Wearables podem ajudar a monitorar pacientes após evento traumático

Wearables podem ajudar a monitorar pacientes após evento traumático

por Redação
0 comentário

Um dispositivo vestível (wearable) pode ajudar a detectar e monitorar pacientes com problemas de sono, dor e ansiedade após um evento traumático, de acordo com pesquisa publicada no JAMA Psychiatry. O estudo rastreou mais de 2 mil pacientes por oito semanas depois de terem relatado no atendimento de emergência a exposição a um estresse traumático, como acidente de carro, agressão física, agressão sexual, queda grave ou incidente com vítimas em massa. A maioria das pessoas no estudo estava se recuperando de um acidente de carro.

Os participantes foram equipados com o relógio de estudo da Verily Life Sciences e instruídos a usá-lo pelo menos 21 horas por dia. Os pesquisadores encontraram oito biomarcadores significativos para sintomas de sequelas neuropsiquiátricas pós-traumáticas adversas, como dor, depressão, ansiedade e distúrbios do sono.

A redução da variação da atividade de 24 horas foi associada a maior gravidade da dor, e seis medidas de atividade em repouso foram associadas a mudanças na dor ao longo do tempo. Eles também descobriram que um biomarcador do sono, o número de vezes que um participante acordou durante o sono, foi associado a mudanças na dor, sono e ansiedade.

“Simples pontos de corte de biomarcadores ou alterações de sintomas sugerem que esses biomarcadores podem ter utilidade como ferramentas de triagem inicial para identificar indivíduos com boa recuperação potencial nesses domínios que podem não precisar de avaliação adicional. Na prática clínica, eles podem servir como dados auxiliares para ajudar pacientes e médicos identificar se os sintomas estão melhorando ou piorando após o trauma”, escreveram os autores do estudo.

“Notavelmente, a magnitude das associações entre biomarcadores individuais de atividade em repouso e resultados de APNS [dores, calafrios, náuseas, vômitos] foi pequena, e nenhum biomarcador único alcançou alto valor preditivo positivo e negativo para alteração de sintomas de APNS.  Diante disso, esses biomarcadores provavelmente teriam mais utilidade se usados para aumentar outras medidas, como autorrelato.”

Por que isso importa

Os pesquisadores observaram algumas limitações no estudo, como todos os participantes se reportaram ao departamento de emergência e a maioria sobreviveu a acidentes de carro, portanto, os dados podem não ser generalizáveis para outros pacientes com trauma.

O estudo foi limitado a oito semanas após um evento traumático, e a análise exigiu dados vestíveis e autorrelatados.

Eles também notaram que seu estudo incluiu um grupo mais desfavorecido socioeconomicamente. A maioria dos participantes era do sexo feminino, enquanto metade do estudo era negra, 34% era branca e 11% era hispânica. Quase 80% do estudo não tinha diploma universitário, enquanto 64% ganhavam US$ 35.000 por ano ou menos.

“A maioria dos indivíduos experimenta eventos traumáticos, e muitos indivíduos que chegam ao pronto-socorro após estresse traumático lutam com um ou mais APNS persistentes. Isso é particularmente verdadeiro para indivíduos de populações socioeconomicamente desfavorecidas”, escreveram os pesquisadores.

“Dispositivos vestíveis de pulso com acelerometria são comuns, e as características de atividade de descanso de 24 horas obtidas de dispositivos vestíveis podem identificar aqueles que se recuperarão de traumas em populações de alto risco”.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias