GestãoNewsletter

Anahp lança indicadores de qualidade hospitalar inéditos no mercado

0

A Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) lança a publicação Indicadores de Qualidade Hospitalar Anahp, material que terá periodicidade trimestral e servirá como parâmetros de qualidade para beneficiários e contratantes de serviços de saúde. O documento completo está disponível em https://bit.ly/indicadores-qualidade-Anahp-2T2021.

O conteúdo, inicialmente, contará com 16 indicadores, como média de permanência em UTI adulto; taxa de mortalidade institucional; taxa de parto normal, taxa de infecção, entre outros. Em breve, novos indicadores inéditos de desfechos clínicos também serão incorporados à publicação.

O objetivo da Associação é estimular o debate sobre qualidade na saúde, bem como evidenciar quais são os parâmetros relevantes para esse tipo de análise- de como identificar o que é qualidade em saúde.

Para Antônio Britto, diretor-executivo da Anahp, os novos dados serão base para transformar a discussão de qualidade no mercado de saúde, tanto para empresas que contratam planos, quanto para os próprios beneficiários, operadoras e hospitais. “Queremos trazer mais transparência, fazemos um trabalho muito forte junto aos associados para aumentarmos o número de acreditações, melhores práticas de assistência e precisamos tornar esse trabalho visível”.

O executivo explica, ainda, que essa é uma forma de quebrar um grande tabu na saúde. “Nós já utilizávamos esses dados internamente, mas agora queremos deixar na mão do consumidor. Quando ele compra uma roupa ou escolhe um restaurante, ele tem o direito de saber a qualidade do que está adquirindo. Por qual motivo isso ainda não ocorria no nosso setor?”, finaliza.

Veja a lista completa dos indicadores e acesse aqui a publicação:

– Média de permanência

– Média de permanência em UTI adulto

– Média de permanência em semi-intensiva

– Média de permanência em UTI pediátrica

– Média de permanência em UTI neonatal

– Média de permanência em maternidade

– Taxa de mortalidade institucional ≥ 24h

– Taxa de mortalidade operatória até 7 dias após procedimento cirúrgico

– Taxa de parto normal

– Densidade de incidência de infecção da corrente sanguínea associada à cateter venoso central em UTI adulto

– Densidade de incidência de infecção do trato urinário associada à cateter vesical de demora em UTI adulto

– Densidade de incidência de pneumonia associada à ventilação mecânica em UTI adulto

– Taxa de infecção em sítio cirúrgico pós-cirurgia limpa

– Densidade de incidência de quedas que resultaram em lesão de pacientes com 18 anos ou mais

– Densidade de incidência de lesão por pressão adquirida no hospital em pacientes com 18 anos ou mais

– Densidade de incidência de erro de medicação com dano ao paciente.

Prescrição médica digital cresce na pandemia

Artigo anterior

Especialistas discutem como a pandemia impactou modelos de assistências hospitalares no Brasil e no mundo

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais Gestão