InovaçãoNewsletter

Apple amplia investimento na área de saúde, contrata médicos e cria mais recursos

0

A Apple está ampliando seu investimento na área da saúde, que vai além de aplicativos de bem-estar e a criação de novas funções para medir dezenas de dados do corpo humano, mas também a contratação de médicos e parceria com centenas de instituições médicas em inúmeros países. 

O inicio dessa nova estratégia vai começar com o lançamento do novo sistema operacional da companhia, o iOS 16 (para iPhone) e o watchOS 9 (para os relógios), previsto para setembro. Ao todo, ela vai somar 150 tipos diferentes de dados de saúde que são coletados ou mensurados entre o Apple Watch, iPhone e aplicativos e dispositivos de terceiros conectados no aplicativo “Saúde”, que vem embarcado nos produtos da companhia. 

A meta da Apple é concentrar sua atuação em 17 áreas de saúde e condicionamento físico, de saúde do coração e sono até mobilidade e saúde da mulher. 

Na quarta-feira, 20, a Apple divulgou um novo relatório, intitulado “Capacitando pessoas para viver um dia mais saudável”, que oferece um instantâneo das maneiras pelas quais os produtos da Apple estão capacitando as pessoas a estarem no centro de sua saúde e agindo como um guardião inteligente de sua saúde e segurança. Usuários, desenvolvedores, instituições médicas e organizações de saúde em todo o mundo estão usando dispositivos, recursos e APIs da Apple para quebrar as barreiras entre as pessoas e suas informações de saúde, mantendo a privacidade em mente. 

Os esforços da Apple para promover a saúde se enquadram principalmente em duas categorias, detalhadas em duas seções correspondentes do relatório. A primeira seção descreve o foco da Apple em recursos pessoais de saúde e condicionamento físico no Apple Watch e no iPhone, que oferecem insights acionáveis e baseados em ciência e ajudam a proteger a saúde e a segurança dos usuários. A segunda seção compartilha o trabalho da Apple com a comunidade médica para apoiar pesquisas e cuidados. Ambas as seções – juntamente com uma seção Extensões e Destaques no final do relatório – incluem uma variedade de exemplos de desenvolvedores terceirizados, instituições de saúde e organizações inovando com a tecnologia Apple. 

“Acreditamos apaixonadamente que a tecnologia pode desempenhar um papel na melhoria dos resultados de saúde e incentivar as pessoas a viver um dia mais saudável, e estamos entusiasmados com as muitas maneiras pelas quais os usuários estão se beneficiando de nossos recursos de saúde e condicionamento físico e pelas maneiras como desenvolvedores terceirizados, instituições e organizações estão usando a tecnologia da Apple para promover a saúde e a ciência”, disse Jeff Williams, diretor de operações da Apple. “Nossa visão para o futuro é continuar a criar tecnologia baseada na ciência que equipa as pessoas com ainda mais informações e atua como um guardião inteligente de sua saúde, para que não sejam mais passageiros em sua própria jornada de saúde. Em vez disso, queremos que as pessoas estejam firmemente no banco do motorista com insights significativos e acionáveis.” 

 Capacitando os usuários em suas jornadas de saúde  

Desde o lançamento do aplicativo Saúde em 2014 e do Apple Watch em 2015, a Apple introduziu uma ampla gama de recursos inovadores de saúde e condicionamento físico, com o objetivo de fornecer aos usuários insights significativos e fáceis de entender para que eles possam viver uma vida mais saudável. O relatório descreve os quatro pilares dos recursos de saúde e fitness da Apple: 1) oferecer aos usuários um local central e seguro para armazenar e visualizar seus dados de saúde no aplicativo saúde; 2) oferecer recursos que permitem que o Apple Watch atue como um guardião inteligente para os usuários; 3) oferecer recursos que ajudam os usuários a melhorar sua saúde e condicionamento físico diários para obter melhores resultados de saúde; e 4) alimentar aplicativos inovadores de saúde e condicionamento físico de terceiros com ferramentas de desenvolvedor. 

Com o lançamento do iOS 16 e do watchOS 9 , o Apple Watch e o iPhone oferecerão recursos que se concentram em 17 áreas de saúde e condicionamento físico, desde saúde do coração e sono até mobilidade e saúde da mulher e muito mais. Ao longo dos anos, clientes de todas as idades compartilharam como esses recursos de saúde e condicionamento físico, em suas próprias palavras, mudaram suas vidas. Vários compartilham suas histórias no relatório, incluindo clientes que descobriram problemas cardíacos graves, receberam assistência de emergência após uma queda ou melhoraram drasticamente sua saúde por meio de atividades diárias. 

Os usuários agora podem armazenar mais de 150 tipos diferentes de dados de saúde do Apple Watch, iPhone e aplicativos e dispositivos de terceiros conectados em uma visualização central no aplicativo Saúde, além de dados de registros de saúde disponíveis de instituições conectadas nos EUA, Reino Unido, e Canadá. Atualmente, existem dezenas de milhares de aplicativos na App Store que usam a API HealthKit, que permite aos desenvolvedores incorporar dados que os usuários escolhem compartilhar do aplicativo Health para oferecer experiências inovadoras de saúde e condicionamento físico, com protocolos rigorosos de privacidade e segurança de dados. O relatório destaca exemplos de aplicativos habilitados para HealthKit mundialmente populares, como Nike Run Club, Calm e WeightWatchers, 

Apoiar o ecossistema de saúde colaborando com a comunidade médica 

A Apple acredita que as mais fortes inovações em saúde só são possíveis por meio da colaboração direta com a comunidade médica, e o relatório descreve quatro categorias dessa colaboração: 1) construir ferramentas para permitir que pesquisadores façam novas descobertas científicas, 2) ajudar a fortalecer a relação médico-paciente com dados significativos, 3) colaborar com organizações de saúde para promover estilos de vida saudáveis em larga escala e 4) apoiar iniciativas de saúde pública e governamentais. 

A estrutura do ResearchKit oferece aos pesquisadores a oportunidade de recrutar participantes do estudo de uma grande base de usuários de iPhone e Apple Watch, e para os participantes optarem por compartilhar dados de saúde para ajudar no avanço da ciência. Por meio do aplicativo Research, a Apple colaborou com a Harvard TH Chan School of Public Health e o National Institute of Environmental Health Sciences, o Brigham and Women’s Hospital e a American Heart Association, e a Universidade de Michigan e a Organização Mundial da Saúde para oferecer aos usuários nos EUA a oportunidade de participar de três estudos de pesquisa inéditos: o Apple Women’s Health Study, o Apple Heart and Movement Study e o Apple Hearing Study. Os primeiros aprendizados dos estudos aparecem no relatório, bem como informações sobre outros estudos que a Apple apoiou, 

Os registros de saúde no iPhone no aplicativo Saúde, juntamente com aplicativos e dispositivos desenvolvidos por terceiros usando ferramentas de desenvolvedor da Apple, ajudam a fortalecer as relações médico-paciente com dados significativos. Os registros de saúde agora estão disponíveis para pacientes em mais de 800 instituições em mais de 12.000 locais, tornando mais fácil para os pacientes verem seus dados médicos disponíveis de vários provedores no aplicativo Saúde sempre que quiserem. A pesquisa mostrou que conectar pacientes com suas equipes de atendimento remotamente resulta em melhores resultados com o aplicativo Corrie Health, programas de assistência médica UVA em casa e o Departamento de Assuntos de Veteranos dos EUA emprestando dispositivos Apple a veteranos para conectá-los aos seus serviços de saúde VA. As equipes de atendimento são mais capazes de ajudar pacientes com condições crônicas no Ochsner Health System e no NHS Sunderland. 

O aplicativo Research oferece aos usuários em todos os EUA a oportunidade de participar de três estudos de pesquisa inéditos: o Apple Women’s Health Study, o Apple Heart and Movement Study e o Apple Hearing Study.

Organizações e empresas de saúde em todo o mundo — incluindo Paceline nos EUA; Recompensas Vitality Active nos EUA, Reino Unido, África do Sul e Austrália; e LumiHealth em Cingapura — colaboraram com a Apple para integrar o Apple Watch em seus programas de bem-estar. Atualmente, existem 55 programas em execução em 17 países, com mais de um milhão de usuários participando de um programa de incentivo que aproveita o Apple Watch. Esses programas foram bem-sucedidos em aumentar os níveis de atividade física dos participantes e a adoção de comportamentos de saúde, como buscar padrões de sono mais regulares, focar na atenção plena e trocar opções de alimentos mais saudáveis. 

Por fim, o relatório destaca as parcerias da Apple com médicos e governos locais em maneiras exclusivas de apoiar seu trabalho crucial para promover a saúde pública, incluindo a criação de aplicativos e recursos durante a crise de saúde do COVID-19. 

Baseado na ciência e projetado em torno da privacidade 

 Todos os recursos de saúde e fitness da Apple foram desenvolvidos com dois princípios abrangentes: 

Processos de validação científica rigorosos: os médicos internos da Apple estão profundamente envolvidos no processo de desenvolvimento de produtos e trabalham lado a lado com engenheiros e designers de produtos. Isso, combinado com a colaboração de especialistas das principais instituições de pesquisa, garante que os produtos e recursos sejam baseados em ciência e fáceis de usar. 

Privacidade no centro: A privacidade é um valor fundamental na Apple, e a privacidade dos dados é fundamental para dados confidenciais de saúde. Os recursos de saúde e fitness da Apple colocam a privacidade dos usuários no centro e fornecem proteções aos usuários, incluindo transparência e controle. Quando o iPhone é bloqueado com um código de acesso, Touch ID ou Face ID, todos os dados de saúde e condicionamento físico no app Saúde — exceto a identificação médica — são criptografados e todos os dados de saúde sincronizados com o iCloud são criptografados em trânsito e nos servidores da Apple. E se um usuário tiver uma versão recente do watchOS e iOS com a autenticação de dois fatores padrão e uma senha, seus dados de saúde e atividade serão armazenados de uma maneira que a Apple não poderá ler. Os dados do aplicativo de saúde nunca são compartilhados com terceiros sem a permissão explícita do usuário e, se os usuários decidirem compartilhar seus dados de saúde, o aplicativo Health fornece aos usuários controle granular sobre os tipos de dados que eles compartilham e com quem eles os compartilham. Eles podem revisar e gerenciar permissões a qualquer momento. 

Ultrassom oferece maior segurança nos procedimentos neurocirúrgicos

Artigo anterior

Sanofi promove campanha para levar água potável à região da Amazônia

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar