NewsNewsletter

Mercado global de “hospital inteligente” deve atingir US$ 59 bilhões até 2026, com EUA e China na liderança

0

A saúde digital avança a passos largos, em especial nos hospitais. Segundo estudo divulgado recentemente pela Juniper Research, este mercado chegará a US$ 59 bilhões em 2026, saltando dos atuais US$ 29 bilhões. São 15% de crescimento médio anual neste mercado que inclui provedores de saúde adeptos a análises avançadas, dispositivos conectados e plataformas de saúde para melhorar o atendimento, a produtividade e a eficiência operacional. 

O novo relatório “Hospitais inteligentes: tecnologias, adoção global e previsões de mercado para 2021-2026” identificou os EUA e a China como os principais mercados de hospitais inteligentes; representando US$ 17 bilhões de valor de mercado em 2021. Destacou as iniciativas digitais de saúde implementadas à luz da pandemia COVID-19 e os altos níveis de digitalização existente na infraestrutura de saúde como a chave para a posição desses países como líderes. 

EUA e China devem liderar o crescimento 

A pesquisa prevê que os EUA e a China crescerão para responder por mais de 60% dos gastos globais com hospitais inteligentes até 2026. Ela prevê que os serviços de hospitais inteligentes pré-existentes nesses países, aliados à formulação de estruturas de reembolso favoráveis, fornecerão um cenário ideal base para novas implantações de hospitais inteligentes. 

No entanto, alertou que a necessidade de infraestrutura digital pré-existente, como registros eletrônicos de saúde, limitará a implantação de hospitais inteligentes em regiões desenvolvidas. Como resultado, prevê-se que a América Latina, África e Oriente Médio representarão menos de 5% dos gastos globais com hospitais inteligentes até 2026. 

A interoperabilidade é vital para desbloquear valor 

O relatório da Juniper Research descreveu como a atual falta de interoperabilidade entre dispositivos e plataformas resultou em um alto grau de fragmentação que exigirá intervenção regulatória em nível de país. 

O autor da pesquisa Adam Wears explicou: “O aprisionamento do fornecedor e os requisitos de alto investimento são os problemas mais prevalentes para os provedores de saúde na adoção de serviços hospitalares inteligentes. Em um momento em que as indústrias de saúde ainda estão sentindo os impactos da pandemia global, os benefícios de longo prazo dos serviços hospitalares inteligentes devem ser demonstrados para fomentar a confiança na capacidade desses serviços de garantir um retorno sobre o investimento”. 

Pesquisadores da Mayo Clinic realizam estudo com pulseira que prevê convulsões para pessoas com epilepsia

Artigo anterior

Token anuncia investimento na healthtech Indiip de interoperabilidade de dados de medicamentos

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News