quinta-feira, maio 30, 2024
Home News Com auxílio da CrowdStrike, Bionexo entrega suprimentos para hospitais em toda a América Latina

Com auxílio da CrowdStrike, Bionexo entrega suprimentos para hospitais em toda a América Latina

por Redação
0 comentário

Considere um hospital de 1000 leitos em São Paulo e imagine o volume de medicamentos, materiais médicos e produtos associados necessários consistentemente para mantê-lo funcionando. A Bionexo é uma empresa de tecnologia com sede no Brasil que desenvolve e gerencia soluções digitais para tornar a compra, venda e gerenciamento de processos na cadeia de suprimentos de saúde mais eficientes e econômicos. Alavancando relacionamentos com cerca de 2.000 hospitais e 20.000 fornecedores em toda a América Latina, a Bionexo negocia aproximadamente R$14 bilhões (US$ 2,5 bilhões) por ano por meio de sua plataforma digital.

Ubirajara Maia, o vice-presidente de Tecnologia da Bionexo, descreveu: “Conectamos um comprador de suprimentos hospitalares na Amazônia com o fornecedor certo de produtos de saúde. Sem nós, essa conexão não aconteceria, e significa que podemos processar transações de compra altamente complexas e multi-itens. Permitimos a jornada digital do planejamento ao financiamento e ajudamos os provedores de saúde a reduzir os custos em até 20 por cento.”

Diante da necessidade de entregar produtos médicos que salvam vidas para instituições de saúde, maximizar a disponibilidade dos sistemas e aplicativos da Bionexo é sempre uma tarefa crítica.

A Bionexo usa a nuvem para gerenciar todos os seus negócios e sistemas digitais de saúde, mas historicamente isso só era possível de ser feito a partir de um escritório da empresa. Uma segurança perimetral robusta garantia que os dados e as pessoas estivessem protegidos. Isso estava tudo bem até que a pandemia de COVID-19 de 2020 atingiu e os funcionários foram obrigados a trabalhar de casa. Além de agora terem pontos finais fora das defesas perimetrais, as circunstâncias sem precedentes também expuseram a possibilidade de vulnerabilidades anteriormente não previstas.

Devido à natureza única de seus negócios e aos diversos ambientes de implantação encontrados nos próprios clientes da empresa, a Bionexo desenvolve todas as suas aplicações internamente. Isso também resultou na necessidade de equipes internas desenvolverem e testarem aplicativos executados em vários sistemas operacionais, como Windows, Linux e Apple iOS. Quando usados internamente, cada sistema era robustamente protegido, mas uma vez que os usuários passaram a trabalhar em casa, eles se tornaram mais vulneráveis.

A Bionexo instalou um aplicativo antivírus para proteger os trabalhadores remotos, mas isso não resolveu o problema-chave de garantir o desempenho e a disponibilidade do sistema. Maia acrescentou: “Nossos clientes dependem da plataforma Bionexo para obter produtos de saúde críticos. Se não estiver disponível, como eles controlarão essa cadeia de suprimentos, quem eles contatarão, quando os pedidos chegarão? Simplesmente não é uma opção para nossa plataforma ficar indisponível. Essa necessidade contínua é essencial para apoiar o provisionamento de saúde. A disponibilidade é vital, é o nosso oxigênio.”

A questão-chave enfrentada por André Ceron, chefe de infraestrutura e segurança da Bionexo, era como proteger de forma mais eficaz a Bionexo e suas pessoas durante uma pandemia? Qualquer que fosse a decisão, também tinha que ser executada de forma rápida e ágil, sem interrupções para os usuários e sem interrupções nas operações.

Com base em uma extensa experiência anterior, Ceron optou por implantar a plataforma Falcon da CrowdStrike, populada com um amplo conjunto de produtos CrowdStrike para trazer proteção e visibilidade imediatas ao ambiente recém-expandido da empresa.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias