NewsNewsletter

Startup social SAS Brasil leva acesso à saúde a comunidades carentes

0

Referência no combate à covid-19 e em oferecer soluções para garantir o acesso gratuito à saúde especializada a comunidades vulneráveis de todo o país, o SAS Brasil, startup social itinerante e sem fins lucrativos, impactou, ao longo de 2020, 43 mil pessoas, em mais de 198 cidades, realizando cerca de 24 mil teleatendimentos. Desde 2013, a organização, que nasceu durante uma expedição do Rally dos Sertões – a mais tradicional prova de off road realizada no país e a maior das Américas -, beneficiou mais de 108 mil pessoas.

O ano de 2020 revelou a importância do terceiro setor na atuação de combate ao coronavírus. Especialmente na área da saúde, os obstáculos do Brasil são complexos e trazem ainda mais relevância para as organizações sem fins lucrativos. O SAS Brasil, como startup social, defende o uso da tecnologia e inovação para vencer os desafios. A principal causa que a organização acredita é a utilização da telemedicina como ferramenta para garantir o acesso à saúde de comunidades carentes, em cidades distantes de grandes centros urbanos. Isso é especialmente relevante, dado o cenário brasileiro, em que mais de 65 milhões de pessoas vivem em cidades com taxas inferiores a 1 médico por mil habitantes, sendo que a média nacional é de 2,7.

Desde julho de 2020, o SAS Brasil passou a atender também por telemedicina e contabilizou zero óbitos entre os 7.000 pacientes monitorados com suspeita ou positivados com covid-19, tornando-se, hoje, referência no uso da tecnologia.

Para 2021, o SAS Brasil aposta em mais um formato para garantir acesso à saúde: as Unidades de Telemedicina Avançada (UTAs), as quais já foram instaladas em quatro cidades com acesso escasso a serviços de saúde especializada, como é o caso de Cavalcante, em Goiás, que apresenta o menor IDH do estado. Com estrutura de 12 metros, as UTAs contam com consultórios equipados para a realização de consultas e pequenos procedimentos cirúrgicos, além de uma cabine de telemedicina, modelo inovador que alavancou o SAS Brasil frente a soluções de acesso à telessaúde para populações sem acesso a internet ou celular. A instituição realiza atendimentos em 17 áreas, como ginecologia, dermatologia, oftalmologia, odontologia e saúde mental. A expectativa é realizar 54 mil atendimentos, beneficiando 100 mil pessoas este ano.

As cabines, que também estão presentes nas comunidades do Jardim Colombo, em São Paulo, e Maré, no Rio de Janeiro, são equipadas com oxímetro, medidor de pressão arterial e de temperatura. Com esses equipamentos, o médico, mesmo a distância, consegue ter informações sobre os dados vitais do paciente. Além disso, a cabine possui conexão de internet por fibra óptica, webcam, monitor para que os pacientes possam conversar com os profissionais de saúde e contam com filtragem constante do ar, com filtros HEPA (High Efficiency Particulate Arrestance), tecnologia usada em ambientes hospitalares, com alta eficiência na separação de partículas e esterilização do ambiente por feixes de luz ultravioleta após as consultas.

Todo atendimento é feito por meio de um sistema de videochamada e prontuário médico eletrônico próprio. A plataforma garante a segurança de dados e a privacidade dos pacientes, atendendo às normas da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais).

“Vivemos em um país em que a população que vive distante de grandes centros urbanos muitas vezes não conta com um médico na própria cidade, e que, para realizar uma consulta ou um procedimento, os pacientes precisam viajar centenas de quilômetros. Acreditamos que a telessaúde é uma das principais ferramentas para vencer esses obstáculos. Conseguimos levar o médico na tela até os pacientes. Facilitando o acesso, economizando tempo e também recursos para governos e pacientes”, explica Sabine Zink, diretora e uma das fundadoras do SAS Brasil.

Além do atendimento à distância, o grupo volta a atender presencialmente em mutirões, como o do Projeto Anariá, que visa fazer prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças voltadas à saúde feminina, como o câncer de colo de útero.

“Já rodamos dezenas de milhares de quilômetros pelas estradas do Brasil, levando atendimento com alegria para as pessoas. É uma forma de lembrar que a saúde não precisa ser associada a algo chato, tedioso ou que gera medo, além de fazer com que o paciente se sinta acolhido”, pontua Adriana Mallet, médica e fundadora do SAS Brasil.

InterSystems lança solução de agendamento automatizado de vacinação contra Covid

Artigo anterior

Astellas Farma Brasil abre edital para receber projetos sociais em prol de pacientes de oncologia, onco-hematologia e urologia

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News