sexta-feira, julho 19, 2024
Home News Inovação na indústria farmacêutica pode levar país ao protagonismo mundial, diz executivo

Inovação na indústria farmacêutica pode levar país ao protagonismo mundial, diz executivo

por Redação
0 comentário

O Brasil pode assumir maior protagonismo mundial se apostar na indústria farmacêutica como vetor de inovação, beneficiando os brasileiros, ao ampliar o acesso a tratamentos e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Com essa mensagem, Carlos Sanchez, presidente do conselho de administração do Grupo NC, conglomerado que tem a EMS como principal empresa, abriu o “Fórum EMS: o futuro da saúde no Brasil”.

Promovido pela farmacêutica em conjunto com a Esfera Brasil, o evento, divido em três painéis temáticos, aconteceu na manhã de quarta-feira, 27, em Brasília. Durante sua exposição, Sanchez anunciou em primeira mão um acordo exclusivo para cooperação técnica firmado entre a EMS e a Fiocruz, por meio do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos).

O executivo defendeu que o país reveja a estratégia para o setor e remova gargalos que têm impedido o fortalecimento e desenvolvimento deste segmento, esforço que envolve o governo federal e o judiciário. “A inovação muda tudo e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) precisa estar na política industrial para que o Brasil se desenvolva tecnologicamente”, acrescentou Sanchez, destacando a importância do órgão regulador e o objetivo de atender o Sistema Único de Saúde (SUS) e dar mais destaque ao Brasil no cenário global. Ainda segundo ele, o Brasil está pronto para a inovação incremental, passo anterior da inovação radical, mas ainda há algumas dificuldades com os estudos clínicos e com a questão da agilidade. “A indústria farmacêutica brasileira tem capacidade de se tornar uma potência mundial como a indústria americana”, afirmou.

Acordo de cooperação técnica

A EMS e a Fiocruz assinaram no evento um acordo exclusivo para cooperação técnica, único desse tipo atualmente em vigência no país e que estabelece a criação de um amplo programa de mútua cooperação para desenvolvimento tecnológico, pesquisa científica, além da produção de novos fármacos e protótipos. O contrato tem vigência inicial de 12 meses e também inclui cláusulas para alinhar conceitos, traçar diretrizes, definir métodos e subsídios para ações em conjunto.

Presente no evento, o vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Geraldo Alckmin (PSB), apontou a saúde como um dos dois segmentos com mais alta demanda e potencial de expansão no país (o outro é a tecnologia da informação). Segundo ele, a indústria brasileira sofreu um processo de desindustrialização precoce e é momento de recuperar sua relevância. Alckmin enumerou os fatores que favorecem esse movimento — como a combinação virtuosa de melhorias no câmbio, na carga tributária, redução da taxa de juros e controle da inflação.

Alckmin esteve acompanhado da Ministra da Saúde, Nísia Trindade, que, na ocasião, aproveitou para reconhecer a atuação da EMS no segmento de genéricos, “nessa importante alternativa que se construiu para o acesso a medicamentos no Brasil”. “É uma história marcada pela política importante dos genéricos, mas também pela cooperação internacional, ajuda humanitária, como a campanha da OMS para erradicação da bouba que conta com a participação fundamental da EMS doando medicamentos para essa finalidade. O Brasil é reconhecido por ações como essa da EMS”, concluiu.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside