InovaçãoNewsNewsletter

Vencedores do desafio global de dados nos EUA descobrem relações entre COVID-19 e reabertura das faculdades

0

Pesquisadores da Universidade de Michigan e da Universidade do Alabama que estudaram o impacto das aulas presenciais em faculdades nos casos da COVID-19, ganharam os principais prêmios no primeiro desafio de dados da American Heart Association. Foram 26 especialistas envolvidos na revisão dos trabalhos, e o desafio centrou-se em compreender as relações entre a COVID-19 e outros fatores de risco, condições de saúde e determinantes sociais que podem acarretar outras doenças ou até a morte.

O primeiro lugar foi conquistado por Brahmajee Nallamothu, doutorado em Medicina, e Ji Zhu, Ph.D., da Universidade de Michigan. Eles receberam US$15.000,00 pela liderança do projeto “Características de base populacional e sua associação com a infecção por Coronavírus (COVID-19) nos Estados Unidos”. A equipe analisou dados nacionais de fatores de risco para infecção por COVID-19, incluindo idade, condições médicas e estados imunocomprometidos (devido a transplante de órgão sólido ou uso de drogas), e mapeou uma variedade de riscos por estado.

A equipe também analisou o impacto das políticas de reabertura no primeiro semestre de 2020 em universidades e faculdades locais. A pesquisa descobriu que a realização de aulas presenciais estava associada a um aumento de novos casos da COVID-19, enquanto a reabertura online ou em modo híbrido estava associada a um número menor de novos casos confirmados.

Considerar essas descobertas pode ser valioso, pois os governantes consideram qual é a melhor maneira de adaptar a reabertura de empresas e outras atividades, já que os EUA se preparam para novas ondas de infecção durante o inverno que se aproxima.

Já o segundo lugar foi para Ramaraju Rudraraju, Ph.D. da Universidade do Alabama, que liderou o projeto “Compreendendo o impacto dos determinantes sociais da saúde no surto da COVID-19”, conquistando assim, o prêmio de US$ 10.000,00. A pesquisa explorou os padrões dos surtos do vírus e sua fatalidade, associados a determinantes sociais, como habitação, educação, fatores econômicos e raciais. A descoberta foi que as regiões socioeconomicamente desfavorecidas e com uma alta proporção de populações de imigrantes, relataram problemas de saúde e tiveram maior prevalência de doenças crônicas. Esta pesquisa pode informar as autoridades locais de saúde sobre o risco iminente da COVID-19 a nível municipal.

“Parabéns a essas equipes por seu trabalho excepcional no desafio global de dados”, disse Frank Ricotta, CEO da BurstIQ. “A única maneira de entender verdadeiramente porque a COVID-19 tem um impacto desproporcional em certas populações é reunir muitos tipos diferentes de dados e explorar as conexões entre eles. Trabalhando com a plataforma de medicina de precisão da American Heart Association e a plataforma BurstIQ, essas equipes foram capazes de descobrir informações importantes que serão realmente impactantes na luta contra a COVID-19. Estamos muito orgulhosos do trabalho que realizaram”.

A American Heart Association, uma organização de saúde voluntária, lançou o desafio de dados COVID-19 em maio de 2020. O desafio se tornou possível devido ao apoio financeiro da Hitachi Vantara, fabricante e líder global em armazenamento e gerenciamento de dados, e suporte de dados da BurstIQ, fornecedora líder de soluções de dados seguras baseadas em blockchain para o setor de saúde.

Os pesquisadores que participaram do desafio usaram a rede de troca de dados da BurstIQ e uma extensa biblioteca de conjuntos de dados globais para realizar análises em espaços de trabalho colaborativos virtuais na plataforma de medicina de precisão. A Plataforma de Medicina de Precisão habilitada para nuvem é o hub central da American Heart Association que se conecta à comunidade de pesquisa científica, fornecendo acesso a dados e ambientes de trabalho com computação e análise de alto desempenho de última geração. Os pesquisadores conectaram seus próprios dados com outros conjuntos de dados hospedados na Fundição de Pesquisa da BurstIQ, e na Plataforma de Medicina de Precisão.

“Esses projetos de desafio de dados estão fornecendo insights muito necessários sobre as relações entre COVID-19 e comunidades carentes e vulneráveis. Impulsionados pelos princípios orientadores de dados do FAIR (localizáveis, acessíveis, interoperáveis ​​e reutilizáveis), os desafios de dados recrutam cientistas de alto nível que fornecem soluções potenciais que são necessárias durante esta pandemia. ” disse Jennifer Hall, Ph.D., chefe de ciência de dados e co-diretora do Instituto de Medicina Cardiovascular de Precisão da American Heart Association.

A Hitachi Vantara, que fornece a infraestrutura técnica para a Plataforma de Medicina de Precisão da American Heart Association, está fornecendo mais de US$ 100.000,00 para apoiar o desafio, incluindo financiamento para prêmios, custos para gerenciar as duas fases do desafio, e custos para recrutar os melhores cientistas.

“À medida que os casos da COVID alcançam novos picos em várias partes do mundo, acreditamos que os dados são a chave para ajudar a manter as comunidades seguras. Na Hitachi, temos o compromisso de usar nossos recursos para contribuir positivamente com a sociedade. Temos orgulho de apoiar essas excelentes equipes de pesquisa com as ferramentas digitais de que precisam para salvar vidas e ajudar a acabar com as iniquidades da saúde”, finaliza Gajen Kandiah, CEO da Hitachi Vantara.

Sabin Medicina Diagnóstica reduz investimento em infraestrutura de TI

Artigo anterior

Robôs de telepresença são usados em mais de 11 mil atendimentos a pacientes com Covid-19 no Hospital das Clínicas

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar