NewsNewsletter

Dados do Fitbit sugerem que pessoas com COVID-19 experimentam efeitos prolongados na saúde

0

Uma nova pesquisa publicada esta semana no JAMA Network Open é a mais recente a indicar que algumas pessoas experimentam sintomas persistentes de COVID-19 meses após a recuperação, segundo informa o site Mobile Health News.

Os dados vêm do estudo DETECT (Digital Engagement and Tracking for Early Control and Treatment), que coleta dados de saúde de diferentes wearables – como Fitbits, Apple Watches, Garmins, Oura Rings ou qualquer outro que possa compartilhar dados com o Google Fit ou Apple HealthKit – para compreender as alterações individuais associadas a doenças virais, incluindo COVID-19.

Esta parte do estudo analisou 875 usuários do Fitbit que relataram sintomas de uma doença respiratória aguda e foram submetidos ao teste COVID-19. Ele comparou seus dados vestíveis da linha de base até a doença e de volta à linha de base para ver como o COVID-19 afetou a recuperação.

Indivíduos com COVID-19 demoraram mais para retornar às suas linhas de base de freqüência cardíaca, sono e atividade do que aqueles com sintomas cujo teste foi negativo. Em média, as pessoas com COVID-19 experimentaram efeitos fisiológicos prolongados por dois a três meses, com alguns demorando muito mais para voltar ao normal.

Os participantes positivos para COVID-19 tenderam a experimentar uma queda na frequência cardíaca em repouso no início dos sintomas, seguida por um período prolongado de frequência cardíaca elevada que durou em média 79 dias. No entanto, um pequeno subconjunto de participantes (13,7%) experimentou uma frequência cardíaca em repouso acima do normal por mais de 133 dias.

A contagem de passos e a quantidade de sono voltaram à linha de base mais rápido do que a frequência cardíaca em repouso em 32 e 24 dias, respectivamente.

O estudo também coletou dados de sintomas nos estágios iniciais da doença e descobriu que indivíduos positivos para COVID-19 experimentaram frequências mais altas de tosse, dores no corpo e falta de ar.

Os pesquisadores observam que apenas monitorar os sintomas no início da doença pode ser uma possível limitação do estudo, porque eles não puderam comparar as alterações fisiológicas de longo prazo com os sintomas de longo prazo.

Apesar disso, os pesquisadores acreditam que as pessoas que apresentam sintomas piores no início e que apresentam distúrbios maiores em sua frequência cardíaca demoram mais para se recuperar.

Métodos

Dos 875 indivíduos no estudo, 234 testaram positivo para COVID-19 e 641 deram negativo.

No grupo positivo, a idade média foi de 45,3 anos e a maioria (70,9%) identificada como do sexo feminino. Da mesma forma, a idade média do grupo negativo foi de 44,7 anos e a maioria (71,1%) eram mulheres.

A pesquisa foi liderada por uma equipe do Scripps Research Translational Institute.

Tendência

O estudo DETECT começou em março passado, com o objetivo de identificar áreas com surtos virais, como o COVID-19, mais rapidamente e usar sinais vitais específicos de pessoas para criar abordagens mais individualizadas aos cuidados de saúde. Até agora, mais de 38.000 pessoas contribuíram com seus dados para o estudo.

Descobertas anteriores do estudo mostram que os dados de emparelhamento coletados por wearables com sintomas auto-relatados podem melhorar a previsão do COVID-19.

Na mesma época em que o estudo DETECT foi lançado, a UC San Francisco iniciou seu estudo TemPredict, que usa dados do Oura Rings para prever e rastrear COVID-19. Os primeiros resultados do estudo indicam que os dados de temperatura coletados pelo Oura Ring foram capazes de detectar com segurança o aparecimento de febres, um dos sintomas mais comuns associados ao COVID-19 e à gripe.

O Fitbit tem contribuído para a pesquisa do COVID-19 e conduziu estudos anteriores para desenvolver um algoritmo para a detecção precoce do COVID-19 e para prever a gravidade da doença, a prevalência dos sintomas, a duração da doença e a probabilidade de hospitalização. Ele também publicou dados sobre hábitos de sono durante a pandemia e recentemente fez parceria com a Stanford Medicine para estudar a disseminação do COVID-19 entre atletas universitários.

FutureProofing Healthcare lança o primeiro Índice Latino-americano de Saúde Personalizada no Brasil

Artigo anterior

IRCAD América Latina celebra 10 anos de atuação no Hospital de Amor

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News