GestãoNewsNewsletter

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês implementa tecnologia hiperconvergente

0
Hospital Geral do Grajau

Nutanix foi selecionada pelo Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês como solução para modernização de infraestrutura de tecnologia em hospitais gerenciados no estado de São Paulo. O projeto em parceria com o integrador Add Value busca potencializar disponibilidade, segurança e performance a todas as unidades gerenciadas pelo Instituto, contabilizando quase três mil usuários (colaboradores) para promover cerca de 150 mil atendimentos no Pronto Atendimento, mais de 130 mil consultas médicas e mais de 1,2 milhão de exames laboratoriais. 

Hoje, o Instituto é responsável pela administração de cinco instituições de saúde em São Paulo, todas rodando seus sistemas na plataforma Nutanix: Hospital Geral do Grajaú; Hospital Municipal Infantil Menino Jesus, Hospital Regional de Jundiaí, AME Interlagos (atendimento ambulatorial) e Serviço de Reabilitação Lucy Montoro de Mogi Mirim.  

“A missão do projeto com a Nutanix é tão importante quanto a do Instituto, que prima por garantir a alta qualidade do atendimento ofertado”, diz Vitor Pereira Clemente, coordenador de Infraestrutura e Segurança do Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês. “Hoje todos os serviços são digitais, não podemos pensar em indisponibilidade, pois isso afetaria serviços de exames de imagem, laudos e a própria ficha médica do paciente”. 

Necessidade de retrofit 

O ponto de partida para o início do projeto com a integradora Add Value, empresa responsável pela idealização e implementação da tecnologia Nutanix, foi a necessidade de retrofit de datacenter, que consistiu em modernizar, corrigir falhas, readequar e deixar o ambiente mais funcional a fim de atender melhor às necessidades do Instituto, que possui seis datacenters atualmente. Para garantir alta disponibilidade e integração com a nuvem – além da segurança – seria necessário sair de um modelo de três camadas em operação há doze anos e partir para um ambiente de hiperconvergencia (HCI).  

A implementação começou em agosto de 2021 em quatro unidades (cerca de 60 máquinas) e agora estão completando a migração da última unidade (Hospital Geral do Grajaú, a maior de todas) totalizando cerca de 90 servidores. A migração ocorre de forma transparente, ou seja, que as unidades não percebam a mudança no sistema e que não ocorram paralisações que poderiam ser críticas. 

Hoje, a hiperconvergência Nutanix apoia os servidores de arquivos, de impressão, aplicações específicas da unidade, controle de acesso e CFTV. A solução implementada foi a tecnologia Nutanix Prism Central, com Acropolis hypervisor da Nutanix (AHV), de gerenciamento de infraestrutura de TI, para administrar todos os ambientes. No total, são 15 nós – três para cada hospital – que permitem controle de performance de forma proativa e centralizada. 

Segurança 

O Instituto possui uma central de monitoramento e consegue analisar tudo de forma proativa. O Nutanix Prism Central promove essa vantagem no gerenciamento entre as unidades administradas pelo Instituto, uma visibilidade total que antes não possuíam. Isso também causou um impacto direto na questão da segurança, uma vez que é possível analisar em tempo real o número de logs, comportamentos atípicos na rede, como aumento de processamento, downloads e uploads, entre outros. Antes, com diferentes consoles e tecnologias não interoperáveis, isso não era possível.  

A Nutanix também trouxe a possibilidade de uma recuperação de sistema (Disaster Recovery – DR) muito rápida em comparação a outros players do mercado ao garantir que o ambiente se tornasse novamente disponível em menos de 10 minutos. Um outro ponto, segundo Clemente, é a robustez de ambientes Nutanix “não vemos relatos de ataques nestes tipos de ambiente por conta da rápida correção de vulnerabilidades e aplicação instantânea de qualquer tipo de correção”. 

Aceleração no atendimento 

A performance do ambiente Nutanix trouxe maior disponibilidade para o sistema, um impacto direto no atendimento à população. Antes a disponibilidade média era de 94% do tempo, com baixas de até 88% em caso de oscilações dos servidores, e agora é de 99,9% com os sistemas hiperconvergentes.  

Além disso, houve melhor aproveitamento e redução do espaço físico, o que surpreendeu positivamente. Segundo Clemente, “muitos não conseguiam acreditar que apenas uma máquina ocupando 2 U poderia fazer o trabalho de um rack inteiro de servidores”.  A diminuição de espaço se converteu em sensível redução de consumo de energia elétrica e refrigeração, gerando grande economia de gastos.  

“Em um setor de missão crítica como a área da saúde, a indisponibilidade de dados e processamento traz uma consequência direta na vida, no tratamento das pessoas e na ação que deve ser tomada rapidamente. Quando se tem atendimento emergencial e poucos minutos para agir, ter o subsídio de um sistema informatizado sempre disponível é crucial entre salvar uma vida ou não”, diz Clemente. 

“É muito gratificante saber que a Nutanix teve a chance de contribuir com essa missão do Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês de prover a excelência administrativa e operacional na saúde pública e no atendimento de qualidade em hospitais de São Paulo. Trata-se de um projeto de extrema importância e de muita satisfação a todos nós”, diz Leonel Oliveira, diretor geral da Nutanix Brasil. 

Cleveland Clinic vai usar IA em patologia

Artigo anterior

ESG nos hospitais: Anahp lança publicação com resultados e boas práticas para orientar setor da saúde

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar

Mais Gestão