ArtigosNewsletter

O novo marco para a telemedicina

0

Em quatro meses de isolamento social, já ficou claro para todos, sejam do segmento médico ou não, que a telemedicina se expandiu e é um caminho sem volta. Diferentemente do que muitos pensam, ela não começou com a pandemia da covid-19. Na verdade, sempre existiu o atendimento a distância, mas de maneira informal. Quem nunca fez uma pergunta a um médico por telefone, e-mail, WhatsApp ou qualquer ferramenta de interação? Porém, esse modelo contemplava um público extremamente reduzido e dependia diretamente da relação próxima com o profissional.

Os aplicativos de telemedicina chegaram com o objetivo de resolver as dores das duas partes. Para os pacientes, que poderão ter acesso mais democrático às consultas remotas, intercaladas com as presenciais, otimizando tempo e recursos, e, para os médicos, que terão a possibilidade de maior alcance, além de mais liberdade em seus horários de trabalho.

Adicionalmente, num país de dimensões continentais, a telemedicina pode agilizar o auxílio nas regiões remotas e garanti-lo nas situações em que sejam requeridas especializações não disponíveis na localidade.

Outros fatores, todavia, vão contribuir para a disseminação da telemedicina. De acordo com estudo de mercado feito pela empresa indiana Mordor Intelligence, que monitora diversos ramos de atividade, o segmento deve testemunhar uma taxa de crescimento de 18,5% no período 2017-2025. Colaboram para esse desempenho principalmente a subida dos custos com saúde, as inovações tecnológicas, a popularização do monitoramento remoto de pacientes e a elevação da carga de doenças crônicas.

Segundo a pesquisa, o principal motivo que explica o aumento de custos com saúde é justamente a expansão do uso de serviços no setor, como resultado da maior demanda do consumidor por técnicas inovadoras e recentes. O estilo de vida também contribuiria para essa elevação no uso. Ainda se estima que o atendimento ao idoso seja quatro vezes mais caro do que aos jovens, bem como que a população idosa demande entre 40% e 50% dos recursos de saúde.

A Mordor aponta que a América do Norte é o maior mercado e prevê que a escalada será mais elevado na Ásia. Para o Brasil, a projeção é de aumento pequeno. No entanto, a conectividade será ponto crítico de sucesso: de um lado, haverá múltiplas prestadoras de serviços em telemedicina e, de outro, o varejo farmacêutico e as clínicas – entre vários segmentos –, que precisarão consumir as informações para dispensação de medicamentos (prescrição eletrônica) e realização de procedimentos. Portanto, empresas especializadas nesse tipo de integração passarão a cumprir papel decisivo na escalada da modalidade.

É importante, contudo, discutir o modelo de negócio que viabilizará os custos operacionais. Quem será o pagador deste serviço? Atualmente, existe de tudo um pouco. Alguns aplicativos cobram de médicos; outros, de pacientes ou de operadoras de saúde.

Em resumo, tudo é novo e há vários caminhos a desbravar.

Mario Souza, gerente de Soluções na Interplayers.

Ministério da Saúde lança sistema de mapeamento em educação na saúde

Artigo anterior

Pesquisa estima 1,5 milhão de pessoas com 18 anos ou mais infectadas pelo novo coronavírus na capital paulista

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais Artigos