quarta-feira, abril 17, 2024
Home News Uso da IA promete melhorar a documentação de cirurgias ortopédicas

Uso da IA promete melhorar a documentação de cirurgias ortopédicas

por Redação
0 comentário

Pesquisa apresentada na reunião anual da Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos (AAOS, na sigla em inglês) de 2023 avaliou várias modalidades de documentação clínica para determinar a qualidade geral e quanto tempo cada uma leva para capturar as informações do paciente, revelando que os serviços de transcrição virtual baseados em inteligência artificial (IA) são promissores, mas requererem verificação adicional.

O estudo teve como objetivo examinar como a carga administrativa sobre os médicos causada pela documentação de EHR (Electronic Health Record, ou prontuário eletrônico de saúde)  pode ser abordada.

“Em nossa prática, criamos uma força-tarefa para entender melhor e corrigir o esgotamento do médico e estudar o que sabemos ser o principal motivo do esgotamento: a documentação do paciente”, disse Michael Rivlin, médico cirurgião ortopédico do Rothman Institute e professor associado na Universidade Thomas Jefferson, no comunicado à imprensa. “Queríamos procurar maneiras de maximizar a carga de trabalho do médico no nível máximo de sua licença e remover encargos que podem levar ao esgotamento, encontrando métodos para terceirizar certas tarefas, como documentação, pois isso pode ser demorado e redundante.”

Os pesquisadores usaram quatro modalidades para documentar consultas ortopédicas comuns em visitas a pacientes de cirurgia de mão: um serviço de transcrição virtual baseado em IA executado em um tablet e encarregado de extrair tudo o que foi dito na sala, um “redator” médico fisicamente na visita ao consultório ou participando virtualmente para transcrever o encontro com o paciente, um serviço de transcrição no qual o médico grava um arquivo de áudio sobre a consulta do paciente e o envia para uma empresa terceirizada para transcrição, e um aplicativo de reconhecimento de voz móvel (VRM), uma ferramenta integrada ao EMR (registro médico eletrônico) que digita o palavras sendo ditas com base no reconhecimento de voz.

Durante o estudo, três cirurgiões ortopédicos avaliaram dez pacientes padronizados com consultas clínicas pré-escritas ou “vinhetadas”. A documentação clínica durante as consultas foi inicialmente realizada usando a transcrição baseada em IA e o “redator” médico e, posteriormente, com o VRM e o serviço de transcrição.

“Nossos médicos que não estavam envolvidos na documentação representavam essas vinhetas e cada cenário continha um elemento de distração para determinar se a IA seria prejudicada por várias nuances que podem ocorrer durante uma consulta ou visita clínica — como um pai e um menor compartilhando seus pensamentos, ou um paciente interpondo uma história sobre a experiência de um amigo com cirurgia de mão no meio de uma atualização sobre sua própria cirurgia”, explicou Rivlin.

Usando esse desenho de estudo, os pesquisadores documentaram 118 consultas clínicas, incluindo 30 com a transcrição por IA, 30 com o VRM, 28 com o serviço de transcrição terceirizado e 30 com o “redator” médico. As notas clínicas geradas durante cada encontro foram categorizadas como aceitáveis ou inaceitáveis e receberam notas A, B, C ou F com base em um sistema de pontuação de oito pontos. Após esse processo, um advogado revisou todas as anotações para avaliar o risco legal médico.

A equipe de pesquisa descobriu que todas as modalidades atingiram níveis semelhantes de alto desempenho, mas encontraram diferenças importantes entre elas. Uma limitação significativa da modalidade de transcrição por IA é que ela pontuou abaixo das demais na questão “o plano está correto?” A IA conseguiu reunir a maioria dos elementos implícitos e verbais em sua documentação, mas seu desempenho foi deficiente na comparação com o “redator” médico humano e exigiu uma edição manual da seção “plano” da documentação.

A necessidade do “redator” médico para correção e verificação adicionais é uma grande desvantagem para seu uso no ambiente clínico, mas tem um potencial significativo, observaram os pesquisadores.

“O serviço de transcrição virtual baseado em IA é uma ferramenta promissora para ajudar a diminuir a carga de documentação sem diminuir significativamente a qualidade da documentação na comparação com os serviços de software de transcrição e reconhecimento de voz”, disse Rivlin. “Embora a IA tenha algumas limitações, ela continua a melhorar à medida que a tecnologia avança. Esses resultados criam uma paleta de opções para os médicos compararem os resultados, caso desejem explorar novas modalidades”, finalizou.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside