quarta-feira, junho 19, 2024
Home News Médicos do Hospital de Registro retiram tumor de medula com monitorização

Médicos do Hospital de Registro retiram tumor de medula com monitorização

por Redação
0 comentário

Em uma cirurgia delicada e de alta complexidade, os médicos do Hospital Regional de Registro, no interior de São Paulo, instituição sob a gestão do Instituto Sírio Libanês (IRSSL), realizaram a retirada de um tumor que comprimia a medula de um paciente, com auxílio da monitorização neurofisiológica. A técnica utiliza estímulos elétricos para mapear a área que precisa ser preservada durante a remoção do tumor, em procedimento até então inédito no Vale do Ribeira.

O paciente, Natanael de Jesus Martins, de 62 anos, teve os primeiros sintomas em 2018, com sensação de frio nas pernas, o problema foi evoluindo até que ele perdeu os movimentos no lado esquerdo do corpo e, desde o início deste ano, não conseguia mais andar. Foram muitos exames e consultas até descobrir a causa do problema, um tumor que comprimia sua medula, sob o risco de perder completamente os movimentos do corpo.

“O primeiro diagnóstico foi de polineuropatia (uma disfunção simultânea de vários nervos periféricos), que não tem cura. Resolvi consultar com outro neurologista, que pediu uma ressonância. Foi aí que descobriram o tumor na medula. Como o plano de saúde sequer deu retorno para o pedido de cirurgia, resolvi fazer o processo pelo SUS e deu certo”, revela o paciente Natanael Martins, que é técnico de desenvolvimento fundiário.

A cirurgia para retirada do tumor aconteceu em maio no Hospital Regional de Registro pelos neurocirurgiões Guilherme Alcântara e Rafael Cordeiro, utilizando a técnica de monitorização neurofisiológica. “Além da monitorização, nós usamos outros dois equipamentos especiais: o drill bisoelétrico, que auxilia na precisão dos cortes ósseos sem lesar outros os tecidos para acesso cirúrgico na coluna; e o aspirador ultrassônico, um equipamento novo na região extremamente relevante nesses casos de tumores complexos, pois ajuda a remover os tumores sem causar danos nos tecidos em volta”, explica Alcântara.

Dois dias após a cirurgia, Natanael já conseguia movimentar os dedos da mão esquerda. Cinco dias depois ele recebeu alta hospitalar com melhora expressiva dos movimentos na perna e braço esquerdo. Com o tumor removido por completo, ele seguirá tratamento com fisioterapia e terá retorno no hospital para acompanhamento.

A monitorização neurofisiológica desempenha um papel fundamental no diagnóstico e tratamento de uma variedade de condições neurológicas. Ao fornecer informações objetivas sobre a atividade elétrica do sistema nervoso, ajuda os médicos a identificar distúrbios, planejar intervenções terapêuticas e avaliar a eficácia dos tratamentos.

A mesma técnica de monitorização também foi utilizada para realizar outras duas neurocirurgias realizadas em maio no hospital. Além do tumor medular, também retiraram um tumor dos nervos da coluna lombar de um paciente de 61 anos e outro tumor intracraniano junto ao tronco cerebral de um paciente de 42 anos. As três cirurgias foram um sucesso, com remoção total dos tumores e sem qualquer intercorrência com os pacientes.

Para o diretor técnico do HRR, médico Arnaldo D’Amore Zardo, a unidade se consolida cada vez mais como referência em cirurgias de alta complexidade, possibilitando à população do Vale do Ribeira o acesso ao que há de mais moderno na medicina. “Com uma equipe extremamente qualificada e acesso às melhores tecnologias, mostramos que a parceria com o governo do Estado só fortalece o SUS na região.”

Administrado pelo Instituto de Responsabilidade Social Sírio Libanês, o Hospital Regional de Registro é referência em neurocirurgia, cardiologia e hemodinânica, ortopedia e cirurgia geral para 15 municípios do Vale do Ribeira e três do litoral sul. Em atividade desde agosto de 2018, o HRR foi construído pelo governo do Estado através do “Saúde em Ação”, programa da Secretaria Estadual da Saúde em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Fundado em 2008, o Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês (IRSSL) nasceu com o propósito de fortalecer a atuação social voluntária da Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio-Libanês na saúde pública do Brasil, tendo como missão levar a excelência administrativa e operacional, já reconhecida no setor privado, às esferas municipais e estaduais do País.

Atualmente, o Instituto é responsável pela gestão de dez equipamentos de saúde: Hospital Municipal Infantil Menino Jesus (HMIMJ), Hospital Geral do Grajaú (HGG), Hospital Regional de Registro (HRR), AME Interlagos, Hospital Regional de Jundiaí (HRJ), AME Jundiaí, AMAs Santa Cecília, Núcleo de Saúde da Fundação Lia Maria Aguiar, Ambulatório de Gratuidade e Serviço de Reabilitação Lucy Montoro de Mogi Mirim.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias