GestãoNewsletter

Uso de tecnologias de próxima geração na saúde ainda é pequeno, aponta estudo

0

As instituições de saúde estão nas fases iniciais da adoção da nuvem e atrás da média global das demais indústrias, de acordo com uma pesquisa realizada pela Vanson Bourne sob encomenda da Nutanix, para publicação de seu relatório “Enterprise Cloud Index (ECI)”. O estudo estima, no entanto, que a adoção dessa arquitetura de TI salte de 27% para 51% nos próximos três anos, em linha com a tendência global de evoluir para uma infraestrutura de TI multicloud que abrange uma mistura de nuvens privadas e públicas.

Multicloud é a arquitetura de TI dominante em uso no mundo todo, entretanto, entre os entrevistados para o ECI da área de saúde, apenas 30% disseram que a nuvem privada é o modelo de implantação de TI mais comum. O setor é altamente regulamentado e provavelmente tem demorado mais na adoção da nuvem pública como um componente genuíno de seus ambientes de TI por razões de segurança e privacidade.

Embora a adoção do multicloud esteja aumentando, a complexidade do gerenciamento entre fronteiras da nuvem continua sendo um grande desafio para as instituições de saúde, com 92% dos entrevistados concordando que o sucesso requer um gerenciamento mais simples em infraestruturas multicloud. Para enfrentar os principais desafios relacionados à interoperabilidade, segurança, custo e integração de dados, 90% concordam que um modelo híbrido multicloud, um modelo operacional de TI com múltiplas nuvens tanto privadas quanto públicas com interoperabilidade entre elas, é o ideal.

“O multicloud veio para ficar, mas a complexidade e os desafios permanecem à medida que as regulamentações impulsionam as decisões de implementação de TI de muitas organizações de Saúde”, diz Joseph Wolfgram, CTO de healthcare na Nutanix. “Independentemente de onde eles estejam em suas jornadas multicloud, a evolução para uma infraestrutura de TI multicloud híbrida que abrange uma mistura de nuvens privadas e públicas com interoperabilidade está em andamento e é necessária para o sucesso das organizações de Saúde”.

Os entrevistados foram questionados sobre seus atuais desafios na nuvem, como eles estão executando aplicações de negócios e onde planejam executá-las no futuro. Os respondentes também foram questionados sobre o impacto da pandemia nas decisões recentes, atuais e futuras de infraestrutura de TI e como a estratégia e as prioridades de TI podem mudar por causa disso. As principais conclusões do relatório deste ano foram:

  • Os principais desafios multicloud incluem integração de dados entre nuvens (49%), gerenciamento de custos (48%) e desafios de desempenho com sobreposições de rede (45%). Embora a adoção multicloud esteja aumentando, a maioria das organizações de Saúde está lutando com a realidade de operar em múltiplas nuvens, privadas e públicas. Considerando que mais de 84% dizem que atualmente não possuem as habilidades de TI necessárias para atender às demandas de negócios, a simplificação das operações provavelmente será um foco para muitos no próximo ano. No entanto, líderes de TI estão percebendo que não há uma abordagem única para todas as nuvens, tornando a multicloud híbrida a ideal, de acordo com a maioria dos entrevistados.
  • A mobilidade da aplicação é o mais importante. Todas as organizações de Saúde (100%) ouvidas pela pesquisa mudaram uma ou mais aplicações para um novo ambiente de TI nos últimos 12 meses, provavelmente de ambientes de três camadas para nuvens privadas, dada a penetração acima da média da nuvem privada e dos datacenters tradicionais na área de Saúde. Contudo, 80% dos entrevistados concordam que mover uma carga de trabalho para um novo ambiente de nuvem pode ser caro e demorado. Eles citam a segurança (48%) como o principal motivo da mudança, superando a média global (41%), seguido por obter o controle da aplicação (38%), e melhora do desempenho (36%).
  • O foco na continuidade dos negócios e na recuperação de desastres está ajudando a impulsionar a adoção da nuvem. Por ser uma indústria altamente regulamentada, as organizações de Saúde têm sido mais lentas em abraçar a nuvem pública como um componente principal de seus ambientes de TI por razões de segurança. Entretanto, os profissionais de TI da área de Saúde indicaram a intenção de usar os serviços de nuvem pública como infraestrutura de TI complementar à qual podem fazer failover para melhorar os níveis de continuidade de negócios e as configurações de recuperação de desastres (BC/DR). Na verdade, eles citaram a melhoria da BC/DR com mais frequência como motivação de seus planos de três anos para aumentar o uso e multicloud (38%). O interesse da área de Saúde em aumentar BC/DR pode ser o impulso para uma maior aceitação da nuvem pública, pois esse caso de uso tem um forte componente de nuvem pública, o que poderia acelerar o uso geral de multicloud no setor.
  • As principais prioridades de TI na área de Saúde para os próximos 12 a 18 meses incluem a adoção do 5G (47%), serviços baseados em AI/ML (inteligência artificial e machine learning) (46%), melhoria de BC/DR (45%) e gerenciamento multicloud (44%). Os entrevistados da área de Saúde também disseram que a pandemia do COVID-19 os estimulou a aumentar seus gastos com TI em certas áreas, tais como o reforço da postura de segurança (62%), a implementação de tecnologia de autoatendimento baseada em IA (60%) e a atualização da infraestrutura de TI existente (48%).

A pesquisa ouviu 1.700 tomadores de decisão de TI em todo o mundo em agosto e setembro de 2021.

Afip Medicina Diagnóstica cria ferramenta para controle de infecções hospitalares

Artigo anterior

Avatar e Digisystem firmam acordo para oferta de solução de gestão de receita para hospitais

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar

Mais Gestão