InovaçãoNewsletter

Igenomix cria divisão de Oncologia de Precisão na unidade de São Paulo

0

A Igenomix, laboratório multinacional de biotecnologia referência em genética reprodutiva, anuncia o lançamento da divisão de Oncologia de Precisão, que será inaugurada no dia 28 deste mês, na sede da empresa na cidade de São Paulo. Com a expansão, a Igenomix Brasil potencializa sua capilaridade mundial em testes genéticos que, a partir de agora, passam a investigar também alterações adquiridas por tumores, conhecidas como somáticas. Junto com as análises de síndromes de câncer hereditário já disponíveis anteriormente, a oferta de testes genéticos em oncologia estará completa no laboratório.

Por meio da identificação das características moleculares específicas de um tumor é possível colocar em prática a oncologia de precisão, na qual se adota tratamentos mais efetivos — especialmente desenhados para agir naquela alteração molecular específica — e, consequentemente, com menor toxicidade. Além disso, os testes genômicos também podem ajudar o médico no monitoramento da resposta ao tratamento e identificação de mecanismos de resistência.

Exemplificando pelo câncer de pulmão, atualmente não é suficiente saber a localização anatômica ou tipo histológico deste tipo de câncer. Os mais beneficiados pela oncologia de precisão entre os tumores pulmonares são os adenocarcinomas. Para esse subtipo, genes como EGFR, ALK e BRAF devem ser avaliados para que terapias alvo possam ser utilizadas de acordo com o subtipo molecular.

Testes germinativos e somáticos

Todo câncer é genético, o que significa que ocorre em consequência de alterações no DNA de uma célula.  No entanto, há uma importante diferenciação entre tumores esporádicos (fortemente associados a fatores ambientais) e hereditários. Este último, ocorre devido uma alteração germinativa (herdada) presente desde o nascimento.

A partir do mês de maio, o laboratório de São Paulo passa a disponibilizar painéis moleculares para avaliação tumoral e do DNA livre circulante por biópsia líquida complementando a realização de testes germinativos disponível atualmente que investigam a presença de variantes herdadas ao nascimento e responsáveis por uma predisposição genética ao câncer.

“Estamos propiciando o cenário ideal, que é oferecer testes genéticos a todos que tenham indicação clínica baseada em suas características e histórico familiar (acompanhado de consultas de aconselhamento), assim como acesso aos painéis ampliados de genes que investigam a predisposição para doenças, além de diagnosticar precocemente ou predizer resposta a determinados tratamentos. Estamos, de fato, fazendo Oncologia de Precisão”, destaca Diego Miguel, médico geneticista e diretor médico da Igenomix Brasil.

Representatividade brasileira

A Igenomix conta com 700 colaboradores no mundo, sendo 20% deles com PhD (doutorado). Com quase 500 publicações científicas e seis patentes, é um importante produtor de ciência em saúde reprodutiva e genética. No Brasil, as atividades se iniciaram em 2014 e desde então, todos os anos, a capacidade do laboratório foi ampliada para atender a demanda crescente das clínicas e pacientes. Em 2020, a Igenomix realizou 550 mil análises genéticas e, em 2021, foi superada a marca de 650 mil análises.

No Brasil, a capilaridade também é crescente: ao comparar os períodos de janeiro a setembro de 2020 e 2021 o crescimento acumulado é de 71% entre os dois períodos. Com as novas instalações na Av. República do Líbano, 500, no Ibirapuera, a unidade de São Paulo saltou de 45 para 85 funcionários, entre eles médicos, biólogos, biomédicos e profissionais administrativos. Sob a liderança da biomédica e geneticista brasileira Márcia Riboldi, CEO da Igenomix Brasil e Argentina, o país consolida um mercado estratégico da Igenomix.

Dois fatores foram importantes na decisão da Igenomix em eleger o Brasil como primeiro centro da divisão de Oncologia. Um deles é o reconhecimento da gestão e expertise dos profissionais da Igenomix no país. O outro fator está no avanço dos testes genômicos no Brasil nos últimos anos. “Apesar disso, gargalos como tempo extenso para liberação de resultados ainda são comuns no nosso país e é justamente um dos principais pontos onde acreditamos que faremos diferença na vida de muitas pessoas”, conclui Gabriel Macedo, biólogo molecular e head de oncologia da Igenomix Brasil.

One Laudos inaugura central de laudos em São Paulo com tecnologia de ponta

Artigo anterior

Algoritmo de machine learning indica pacientes com câncer colorretal de alto risco

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar