NewsNewsletter

Sistema de saúde da Irlanda é paralisado por ataques de ramsomware

0

O sistema público de saúde da Irlanda foi interrompido na última sexta-feira,14, devido seus sistemas de TI terem sofrido um ataque criminoso de ransomware. Os departamentos de emergência continuaram operando normalmente, mas as autoridades de saúde disseram em um comunicado na segunda-feira, 17, que estão trabalhando para colocar os sistemas de computador de apoio à maternidade, cuidados infantis e radiologia novamente online.

A invasão do ransomware no Health Service Executive (HSE) da Irlanda, o sistema de saúde público de US $ 25 bilhões, forçou hospitais em várias partes da Irlanda a alterar seus serviços. Em alguns casos, funcionários do hospital dizem que entraram em contato com mulheres grávidas e as encorajaram a não vir ao hospital a menos que estejam perto da data prevista.

Não estava claro quando os sistemas HSE seriam colocados novamente online. Autoridades de saúde disseram que o desligamento da rede foi temporário para conter a disseminação do ransomware, segundo informa o site CyberScoop.

O primeiro-ministro irlandês, Micheál Martin, disse que o governo não vai pagar resgate.

Na capital Dublin, o Hospital Rotunda, uma maternidade, cancelou muitas consultas ambulatoriais. E o UL Hospital Group, que administra seis hospitais no oeste da Irlanda, disse que a maioria das consultas ambulatoriais e procedimentos eletivos serão realizados a partir de segunda-feira, mas que “pacientes não urgentes podem sofrer atrasos significativos”.

Fergal Malone, um oficial sênior do Rotunda Hospital, disse que o hospital teve que voltar a usar papel e caneta e entrar em contato com os pacientes por mensagem de texto.

“Já enviamos uma mensagem de texto a todas as pacientes que têm consultas hoje para que saibam que, a menos que estejam com mais de 36 semanas de gravidez ou a menos que tenham uma emergência ou uma preocupação com seu bebê, provavelmente não deveriam vir ao hospital,” Malone disse à emissora irlandesa RTE.

Os sistemas de TI que a Child and Family Agency da Irlanda usa para coletar referências online sobre segurança infantil também estavam offline por causa do incidente de ransomware. A agência incentivou as pessoas a fazerem referências entrando em contato com os escritórios locais.

O National Cyber ​​Security Center (NCSC) do governo irlandês disse que os invasores usaram o Conti , uma variedade de ransomware que surgiu há um ano e tem sido usada em várias tentativas de extorsão. O NCSC disse que está trabalhando com a União Europeia e outros aliados para compartilhar dados sobre o incidente e “garantir que o HSE tenha acesso imediato a suportes cibernéticos internacionais”.

Além da violação das redes do HSE, havia atividade cibernética maliciosa na rede do Departamento de Saúde da Irlanda, disse o NCSC. Os investigadores, no entanto, frustraram a tentativa dos hackers de executar ransomware “devido à implantação de ferramentas durante a investigação”, de acordo com o comunicado.

É apenas uma das muitas interrupções que o ransomware causou aos serviços de saúde em todo o mundo durante o surto do coronavírus.

A pandemia trouxe à tona as vulnerabilidades digitais do setor de saúde, uma vez que grandes hospitais e clínicas minúsculas também tiveram que lidar com hackers. Só em 2020, 560 instalações de saúde nos EUA foram afetadas por incidentes de ransomware, de acordo com a empresa de segurança Emsisoft.

Startup Vitamine-se auxilia brasileiros a ter acesso a suplementos

Artigo anterior

Dispositivo médico que realiza exames físicos à distância pode reduzir custo do paciente pediátrico, revela estudo

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News