News

Projeto quer prevenir AVC usando Big Data

0

A Indra lidera o P-Ictus, um projeto cuja finalidade é criar uma solução para a prevenção do AVC em pacientes de risco, a partir do conhecimento extraído com tecnologias big data do histórico de saúde digital e outras fontes não clínicas de pacientes. Com um orçamento de dois milhões de euros, vai fornecer insumos mais precisos para o diagnóstico, melhorando o tratamento dos pacientes.

Para o desenvolvimento deste projeto está sendo utilizada como fonte de informação principal a Unidade de Ictus do Hospital San Pedro de Alcántara de Cáceres. Basicamente, são extraídos os dados de pacientes que tenham registrado um AVC, como a informação registrada em outras seções do seu histórico clínico como hospitalizações, recaídas, medicamento ou testes diagnósticos realizados. Essas informações serão reunidas com outros dados sociodemográficos, econômicos, climatológicos, de poluição e sociais para melhorar o posterior processo de estratificação individual.

Toda esta informação será tratada com técnicas Big Data de análise estatística, assim, será possível facilitar a criação de novos algoritmos baseados em modelos físicos e matemáticos, que permitirão gerar conhecimento sobre a prevenção e diagnóstico dos diferentes tipos de AVC. Os resultados obtidos facilitarão o desenvolvimento de regras e modelos baseados na evidência científica, que serão integrados a uma ferramenta de apoio à tomada de decisões acessível para os profissionais.

A solução desenvolvida vai gerar o primeiro sistema de informação gerado a partir dos dados armazenados nos históricos de saúde dos sistemas de informação sanitária. “Em todos os setores se fala do potencial das técnicas de Big Data em saúde, mas até agora ninguém está conseguindo aplicá-las em dados clínicos relevantes validados por profissionais sanitários como diagnósticos, antecedentes ou alergias”, explica Carlos Gutiérrez, gerente de saúde na Indra e coordenador do projeto.

O P-Ictus é financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e o Centro para o Desenvolvimento Tecnológico Industrial (CDTI) e sua finalização está prevista para o primeiro trimestre de 2019. Além da Indra, participam do projeto o Grupo Casaverde, uma organização especializada na reabilitação de pacientes com ictus; a DRIMAY,  da região de Andaluzia especializada na análise estatística dos dados e com ampla presença no setor da saúde; e a Xtrem, de Extremadura especializada no desenvolvimento de ferramentas informáticas para as estações clínicas dos profissionais da saúde.

UnitedHealthcare faz doações milionárias para ações sociais nos Estados Unidos

Artigo anterior

Embleema lança blockchain de registros de saúde

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News