GestãoNewsletter

Sami e Beneficência Portuguesa-SP passam a integrar dados de clientes

0

A operadora de saúde Sami e a BP-Beneficência Portuguesa de São Paulo, um dos principais hubs do país, acabam de concluir a integração de seus sistemas usando padrões internacionais específicos, de forma pioneira, para troca de dados de saúde. A agregação dos sistemas vai permitir o intercâmbio do histórico médico do paciente em tempo real — mediante autorização do mesmo —, com segurança de dados respaldada pelo barramento exclusivo para esse tipo de tráfego, o norte-americano HL7 FHIR (Fast Healthcare Interoperability Resources), que mantém terminologias clínicas e garante a conformidade, sigilo, integridade das informações, além de prevenir fraudes e vazamentos.

De acordo com Vitor Asseituno, médico e presidente cofundador da Sami, essa troca de dados e o fácil acesso de ambas as instituições é tendência no setor — praticada em outros países como Estados Unidos —, e vai permitir o avanço da inteligência na área da saúde ao viabilizar análises estratégicas de protocolos e acompanhamento de quadros clínicos, bem como a descoberta de novos tratamentos.

“Sabe quando você vai a um médico pela primeira vez, leva alguns exames antigos, e precisa contar toda a sua história, mas acaba deixando passar alguma data importante, remédios que toma, ou procedimentos e exames que já fez, e precisa fazer tudo de novo? A interoperabilidade vai evitar esse tipo de situação, impedir que qualquer informação se perca entre uma consulta e outra, facilitar a conclusão do diagnóstico, e otimizar o tempo de atendimento dedicado aos pacientes. Daqui para a frente, os membros Sami terão essa vantagem por fazerem parte de um plano de saúde digital”, afirma Asseituno.

O que muda na experiência do cliente?

Ao buscar atendimento, os pacientes Sami e da BP serão informados sobre a possibilidade da interoperabilidade, e o intercâmbio de informações só é realizado mediante autorização formalizada por meio de um termo de consentimento. Após assinatura do termo, todos os procedimentos realizados com o cliente são registrados na base de dados e os profissionais envolvidos no tratamento têm acesso a estas informações de forma imediata. Os dados de cada consulta/procedimento são armazenados na nuvem, tanto pela Sami quanto pela BP, para orientar atendimentos futuros, tudo em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Para o presidente da Sami, o uso da tecnologia nesse compartilhamento de informações permite que o atendimento seja personalizado e o paciente analisado de forma integral, visto que toda sua jornada é levada em conta e fica registrada. Contribui ainda na rotina dos médicos por permitir que eles tenham acesso a um relatório completo dos exames e diagnósticos já realizados, possibilitando comparações, acompanhamento das evoluções e uma melhor recomendação de tratamento. “A Sami não foi criada para ser mais um plano de saúde descolado. Queremos oferecer para o brasileiro planos de saúde de alta qualidade e que as pessoas consigam pagar. Como criar um plano ótimo pelo menor custo possível? Usando a tecnologia, que eleva a qualidade clínica e ao mesmo tempo reduz custos”, ressalta.

De acordo com Lilian Quintal Hoffmann, diretora executiva de Tecnologia e Inovação da BP, a interoperabilidade no mercado de saúde é um caminho sem volta e é uma forma de as organizações trabalharem de maneira cada vez mais integrada, sempre em prol do bem estar das pessoas. “Valorizar a vida é o propósito da BP e, por isso, queremos garantir a cada um que confia sua vida a nós uma experiência única e cada vez mais aprimorada. A interoperabilidade permitirá a concentração de informações em ambas as instituições, BP e Sami, e isso fará com que o cliente sinta os efeitos disso na prática, recebendo diagnósticos e tratamentos mais abrangentes. Nos preocupamos também com o aspecto da segurança e implementamos nesta parceria com a Sami as melhores práticas, baseadas em padrões elevados de interface de sistemas. E, claro, estamos seguindo todos os princípios de segurança preconizados na LGPD”, explica a executiva.

Já a diretora executiva de Desenvolvimento de Negócios e Expansão da BP, Patrícia Holland, explica que a parceria com a Sami chancela que a instituição é um dos principais hubs de saúde do país e que está sempre de olho nas melhores práticas do mercado, visto que a interoperabilidade está expandindo cada vez mais. “A BP é uma instituição que está na vanguarda das principais tendências nacionais e internacionais de saúde e inovação do país. Por isso, sempre buscamos parcerias com instituições que estejam alinhadas com o nosso propósito, com nossos parâmetros de qualidade e que cumpram o propósito de atender bem com excelência os nossos clientes, como é o caso da Sami”, conclui.

InterSystems anuncia oferta PaaS para simplificar integração de dados

Artigo anterior

Viveo cria assistente virtual MEL para dar mais eficiência ao atendimento ao cliente

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar

Mais Gestão