News

APM desenvolve plataforma virtual para melhorar assistência aos pacientes

0

Em novembro último, o presidente Michel Temer decretou a obrigatoriedade de todos os prestadores de serviços de Saúde – nas esferas públicas, suplementar e privada – entregarem um Conjunto Mínimo de Dados (CMD) ao Ministério da Saúde. A exigência fez com que a Associação Paulista de Medicina começasse a trabalhar na ampliação do escopo de atenção do Projeto Idoso Bem Cuidado, a fim de atender à normativa. Na prática, isso significa que está nascendo um novo modelo de assistência e promoção em saúde para os brasileiros, todo organizado em nuvem.

A meta é promover atenção integrada aos pacientes, com maior resolubilidade na saúde suplementar, por meio do compartilhamento de dados. A iniciativa busca ainda otimizar os custos e racionalizar o fluxo de atendimento.

Trata-se, em suma, da centralização das principais informações de saúde dos usuários em um sistema eletrônico, que facilitará o acesso de profissionais em toda a rede privada, com segurança máxima e permissão do paciente.

Na plataforma, haverá um conjunto de informações a ser compartilhada entre serviços médicos, hospitais, laboratórios e outros profissionais da Saúde.

O intuito é que, no momento de espera da consulta, o paciente receba um comunicado por celular via SMS pedindo autorização para que haja transferência de suas informações para o especialista médico ou demais profissionais da Saúde.

Se disser sim, automaticamente os dados resumidos de consultas anteriores vão para o prontuário do médico, por exemplo.

Etapas

O objetivo do Governo Federal é utilizar os dados para subsidiar as atividades de gestão, planejamento, programação, monitoramento, avaliação e controle dos sistemas e serviços de Saúde. “Já estamos dando passos concretos para amplia o escopo do Idoso Bem Cuidado, que já estava estruturado, para atender essa demanda geral, aumentando a atenção aos pacientes de todas as idades”, afirma Antonio Carlos Endrigo, diretor de Tecnologia da Informação da APM.

O próximo passo será muito importante para a estruturação do novo modelo do projeto: uma etapa de testes em Caxias do Sul (RS). “Lá, iremos trabalhar com duas operadoras, em um ambiente com poucos hospitais, para testarmos o funcionamento dessa troca de dados. Por ser uma região mais fechada, ser um ecossistema de saúde restrito a uma região, teremos controle do fluxo de informações compartilhadas e o funcionamento do processo. É uma ação relevante para vermos como se dará a prática”, completa Endrigo.

A APM quer se tornar referência nesse aspecto, já que o Programa Idoso Bem Cuidado estava, de maneira geral, estruturado. Ele havia sido iniciado oficialmente em novembro de 2017, como uma plataforma tecnológica de suporte e auxílio à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), em modelo similar ao do sistema de saúde inglês, conhecido como NHS. Assim, o ambiente já estava pronto para ser testado.

Além disso, neste momento sete empresas (entre sistemas de prontuários, hospitais e planos de saúde) participam de um novo projeto piloto que deve alimentar o banco de dados com informações de Saúde de, aproximadamente, 15 milhões de pacientes.

Essa nova fase de testes deve se encerrar em julho próximo, quando o convite para a integração de dados será aberto para interessados.

Startup Dandelin oferece alternativa aos planos de saúde

Artigo anterior

FORD lança serviço de transporte médico não emergencial nos EUA

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News