News

UNICEF e Facebook fazem parceria para combate ao Zika no Brasil

0

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Facebook se uniram para ajudar a combater o zika no Brasil. Com base em insights de conversas online, foi possível identificar as principais dúvidas das pessoas sobre o vírus e, a partir daí, a entidade direcionou sua campanha digital de conscientização e prevenção, aumentando o engajamento dos brasileiros sobre a doença.

“Gostaria de ressaltar o quanto aprendemos sobre o potencial do Facebook e como maximizar nossos resultados gerando o envolvimento dos usuários com as informações certas no momento certo. Isso pode, literalmente, salvar vidas”, afirma a diretora de Comunicação e Parcerias do UNICEF Brasil, Edith Asibey.

O Facebook compilou apenas postagens agregadas e anonimizadas sobre o zika, ou seja, sem revelar nenhuma informação sobre indivíduos ou alterar a experiência de ninguém na plataforma. Foram analisadas 17,3 milhões de interações (posts, reações, comentários e compartilhamentos) no Facebook sobre o zika entre maio e agosto de 2016.

Nesse período, “Aedes aegypti” foi o tema dominante de conversas sobre zika no Facebook no Brasil, sugerindo que o controle do mosquito que transporta o vírus era a maior preocupação das pessoas. As conversas no Facebook também se concentraram nos sintomas e nas consequências do zika, principalmente a microcefalia que afeta bebês recém-nascidos de mulheres infectadas com o vírus. A prevenção do zika não foi amplamente discutida.

“Quando as pessoas se conectam, coisas poderosas acontecem. Nosso trabalho com o UNICEF mostra o quão valioso pode ser o entendimento das conversas online na construção de campanhas eficazes para ajudar a responder crises”, afirma o diretor de Políticas Públicas do Facebook no Brasil, Bruno Magrani.

O relatório completo pode ser acessado aqui.

Anahp lança manual de orientação sobre segurança da informação em hospitais

Artigo anterior

Provata Health lança aplicativo de meditação pioneiro guiado por realidade virtual

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News