terça-feira, junho 18, 2024
Home News Aplicativos auxiliam pessoas amputadas no uso mais adequado de próteses

Aplicativos auxiliam pessoas amputadas no uso mais adequado de próteses

por Redação
0 comentário

A fisioterapeuta gaúcha Stefanie Malinski (foto), 27 anos, tem como uma das principais atividades do dia verificar o nível de bateria da prótese que ela usa no lugar de sua perna esquerda, amputada em 2017 após tratamento contra um câncer. Para isso, ela tem uma comodidade: apesar de ser possível verificar se há necessidade de fazer o carregamento no próprio equipamento, a fisioterapeuta se sente mais confiante com o uso de um aplicativo. “Em dias que eu exijo mais da prótese, a bateria dura menos do que em dias que eu não exijo tanto dela. Pelo celular é possível acompanhar esse desempenho e ter mais controle”, comenta.

A realidade de Stefanie é um exemplo de como os utilizadores desses equipamentos no Brasil têm, cada vez mais, os benefícios da evolução tecnológica a seu favor. E isso é ainda mais fundamental quando é analisado o crescimento no número de pessoas amputadas no país. Segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), o país apresentou no ano de 2021, o último com dados completos, média mensal de 2,4 mil amputações de membros. Além disso, entre 2012 e 2021, houve aumento de 53% no número de cirurgias para retirada de pés, pernas, mãos e braços.

Com isso, os aplicativos trazem praticidade e segurança a essas pessoas. Stefanie comenta que recebe a recomendação de sempre carregar a bateria da prótese antes de dormir para utilizar o equipamento no dia seguinte. Porém, isso pode não ser possível em alguns casos. Ela conta sobre uma situação em que não conseguiu colocar o equipamento para carregar e o aplicativo foi ainda mais importante para o dia seguinte. “Teve uma competição em que eu participei e precisei viajar, mas não consegui fazer o carregamento de um dia para o outro. Com isso eu acompanhei o nível de bateria pelo celular para ter mais certeza sobre o tempo de uso da prótese”, exemplifica, ao comentar sobre um torneio de natação.

Controle na palma da mão

Uma das próteses que a fisioterapeuta usa é o joelho C-Leg, produzido pela empresa alemã Ottobock, que tem atuação no Brasil e é especializada também em outras tecnologias voltadas a pessoas com problemas de mobilidade. Este equipamento apresenta um aplicativo com o qual a gaúcha pode adaptar as funções e modos conforme suas necessidades diárias.
O diretor de academy da Ottobock na América Latina, Thomas Pfleghar, comenta que associar um aplicativo ao uso de uma tecnologia tão essencial para um paciente resulta em trazer as funcionalidades mais adequadas para que a pessoa tenha uma rotina saudável e independente. “É fundamental proporcionar autonomia ao utilizador de uma prótese para que acione os modos necessários e tenha mais controle em seu uso. Aplicativos permitem que a pessoa explore o equipamento da melhor forma possível”, afirma.

A fisioterapeuta consegue ter acesso a três funções da prótese: o nível de bateria, a resistência do equipamento para descer escadas e rampas e a contagem diária de passos. Esta última função é semelhante a outros aplicativos que contabilizam as horas caminhadas no celular, mas que, neste caso, está associado às outras funções para o melhor uso de uma prótese. Ela concorda com o diretor da empresa sobre a praticidade do dispositivo no celular. “Acredito que a importância de ter um aplicativo está na questão de que isso nos permite uma sensação de controle maior”, explica Stefanie.

Liberdade em poucos cliques

Com uma rotina dividida entre o trabalho como fisioterapeuta e os treinos e competições de natação, liberdade é uma das palavras que resume o uso de aplicativo para adaptar a prótese ao momento de seu dia. Além de acompanhar funções como a bateria ou a resistência, Stefanie também pode realizar mudanças nos modos de uso do equipamento.

Stefanie explica que isso é definido previamente em suas visitas à clínica da Ottobock em Porto Alegre, quando a tecnologia recebe ajustes necessários para operar conforme o que ela precisa. Atualmente a fisioterapeuta utiliza três modos: o básico, que aciona para uso geralmente no trabalho; o modo bicicleta, para as práticas com o veículo; e o modo tênis de mesa. Sobre este último, ela explica que não significa que ela pratique o esporte. “Apesar de eu não jogar tênis de mesa, ao testar esse modo na clínica achei que seria bom para as minhas funções no dia a dia, por me proporcionar mais segurança”, afirma.

Segundo a Ottobock, além do joelho C-Leg, a empresa desenvolve aplicativos para as próteses Genium X3, destinada a membros inferiores, Myo Plus, para membros superiores, além da órtese C-Brace, também para membros inferiores. Para utilizar os aplicativos, que estão disponíveis em Android e iOS, basta baixar no aparelho pelas lojas dos celulares, fazer o pareamento com o equipamento e preencher alguns dados.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias