ArtigosNewsletter

Data-driven: a importância dos dados na saúde

0

Em qualquer mercado, inclusive no da saúde, o segredo do sucesso de uma organização está na entrega de valor ao seu cliente. E a regra básica de como começar a fazer isso é: “foque nas pessoas!”.

Na saúde, chamamos isso de “colocar o paciente no centro”. Mas para alcançarmos o sucesso para o paciente, precisamos buscar primeiro algo que é central na Epistemologia e um dos fundamentos da teoria de David Deutsch: os dados.

Colocar o paciente no centro do cuidado não é novo. O movimento do The Human-Centered Design cunhou essa frase na década de 80 e, desde lá, vemos a IDEO (empresa americana de design e uma das maiores líderes em inovação no mundo) e Don Norman (fundador do Norman Nielsen Group) hasteando essa bandeira e influenciando nada menos que Apple e milhares de outras empresas, e consequentemente muitos dos produtos que amamos. O conceito que pregam é simples: foque na melhor maneira do cliente se relacionar com seu produto.

“Observe as pessoas, elas que vão te mostrar formas de resolver os problemas” é a frase do Don Norman — e o valor está aí. O valor de algo está intimamente ligado ao tipo de problema que você está resolvendo ou, como Clayton Christensen chamou, o Job to be Done das pessoas. Por isso, quando queremos entender o valor do lado, temos que entender qual é o tipo de problema que ele está resolvendo.

Veja, por exemplo, o famoso caso de Florence Nightingale, a enfermeira e estatística inglesa, que é considerada a mãe da Enfermagem moderna e que revolucionou o sistema sanitário mundial. Na Guerra de Criméia, ela percebeu que a principal causa de mortes dos soldados ingleses nos hospitais não era por conta dos ferimentos de guerra, má nutrição e falta de suprimentos. O maior problema eram as condições sanitárias dos hospitais.

Para investigar, ela coletou os dados sobre a causa das mortes e os organizou em um diagrama, que hoje é conhecido como Diagrama da Rosa ou Gráficos Polares. Assim, provou de uma maneira bastante visual que a principal causa das mortes dos soldados era decorrente de uma deficiência no sistema sanitário dos hospitais. A partir disso, ela influenciou mudanças que reduziram drasticamente o número de mortes e revolucionou a saúde mundial. Uma mulher incrível!

A Florence perguntou aos seus pacientes o que eles precisavam? Indiretamente sim, e as respostas foram os dados que ela anotava sobre os motivos que levavam esses soldados à morte. Nesse caso, qual foi o valor do dado? Incalculável. Nem ela e nem os pacientes nos hospitais de campanha sabiam inicialmente para onde isso os levaria, mas fica clara a importância de ela ter tido acesso a um histórico de informações.

 

Muitas vezes não sabemos para que o dado servirá, pois dependemos de um entendimento prévio do problema, mas toda vez que o entendemos, pensamos: “queria ter uma série histórica de dados para confirmar minha hipótese” ou “queria acesso a dados para otimizar esse processo”.

Daí a importância de termos empresas data-driven, coletando dados de qualidade e, ao mesmo tempo, focando em entender os problemas fundamentais que as pessoas enfrentam.

Observar essas “respostas” em forma de dados e seu comportamento vai gerar as melhorias que podem agilizar processos, auxiliar na tomada de decisão, permitir uma coordenação de cuidado mais assertiva e calcular o tão necessário desfecho clínico, para implementarmos a saúde baseada em valor.

Na saúde, a dificuldade de captar dados de forma organizada é um desafio ainda maior, pois para isso temos que entender e implementar modelos de terminologia e semântica clínica. Então, começar antes é fundamental. Estabelecer uma cultura onde todos reconheçam a razão da coleta de informações e que o desperdício de dados também pode jogar fora grandes respostas.

Devemos usar o legado da Florence como exemplo e começar hoje a dar importância para aquilo que vai possibilitar a tão necessária transformação da saúde.

Lasse Koivisto, CEO e sócio da Prontmed.

Token anuncia investimento na healthtech Indiip de interoperabilidade de dados de medicamentos

Artigo anterior

Nexodata atrai advisors e cria novo Conselho de olho em grandes hospitais e operadoras

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais Artigos