terça-feira, março 5, 2024
Home News Estudo aponta mudanças nas cadeias de suprimentos de life sciences e healthcare

Estudo aponta mudanças nas cadeias de suprimentos de life sciences e healthcare

por Redação
0 comentário

A rápida transformação do setor de life sciences e healthcare também está provocando mudanças na logística, levando esses players da indústria a reavaliar seus métodos de entrega e design de cadeia de suprimentos. Com isso, o grupo alemão DHL publicou um white paper intitulado Delivering Next-Level Healthcare, que esclarece sobre seis grandes tendências que estão reformulando o cenário de life sciences e healthcare: saúde centrada no paciente, terapias avançadas, tecnologias digitais, novos ecossistemas industriais, soluções sustentáveis e resiliência.

O estudo indica ainda mais o impacto dessas tendências nas cadeias de suprimentos e fornece insights sobre soluções e melhores práticas para a entrega de life sciences e healthcare, como também para a construção de capacidades da cadeia de suprimentos.

“As terapias revolucionárias refletem o ritmo acelerado do progresso médico e preparam terreno para uma mudança transformadora no setor de saúde, com modelos centrados no paciente, tecnologias digitais e práticas ambientalmente conscientes. Portanto, impulsiona o surgimento de novos ecossistemas de negócios. O futuro traz uma mudança de paradigma, já que a saúde de próximo nível exige a criação de cadeias de suprimentos mais inovadoras e avançadas”, aponta Claudia Roa, presidente de life sciences e healthcare na DHL Customer Solutions & Innovation.

Ao examinar com mais profundidade a tendência de saúde centrada no paciente, a conexão entre a fabricação de produtos farmacêuticos e os usuários finais exige relacionamentos mais próximos e responsivos. Por exemplo, a maneira como as pessoas buscam, escolhem e acessam tratamentos está mudando: 90% dos consumidores da geração Z fazem pesquisas online sobre custos e opções de saúde antes de visitar um médico. Além disso, o desenvolvimento de ensaios clínicos sofreu uma mudança, em que 89% dos patrocinadores usam tecnologia para viabilizar um modelo descentralizado em pelo menos um de seus ensaios clínicos, resultando em maior retenção em comparação com estudos que exigem presença em clínicas. Nesse caso, a redução do “movimento de pessoas” será substituída por um aumento no envio de produtos farmacêuticos para um cenário de destino ainda mais diversificado.

Tendências demográficas e da indústria também estão impulsionando a mudança no segmento de produtos de consumo para a saúde. A pressão sobre os gastos com saúde pública, o envelhecimento da população e o aumento do foco do consumidor em saúde e bem-estar contribuem para um crescimento previsto de 12% até 2025. Além disso, estão surgindo novos modelos de serviços e de assinatura de produtos, que aumentam o volume de vendas de comércio eletrônico e novas categorias de produtos. Isso gera requisitos adicionais de cadeia de suprimentos e logística.

Outra grande tendência é o crescimento de abordagens terapêuticas novas, incluindo produtos biofarmacêuticos e medicamentos baseados em genes. O mercado para tais terapias deve crescer de cerca de US$ 5 bilhões em 2012 para quase US$ 37 bilhões até 2027. Além disso, os produtos biofarmacêuticos são delicados, caros e precisam ser manuseados com cuidado em todas as etapas da cadeia de suprimentos. Por isso, a indústria farmacêutica investe mais de US$ 17 bilhões por ano em logística de cadeia fria. Isso levou a uma ampla gama de serviços de logística de cadeia fria, abrangendo remessas que requerem temperaturas tão baixas quanto 196 graus Celsius negativos para produtos ultracongelados.

Naturalmente, essa crescente demanda por soluções de remessa complexas e muitas vezes mais individualizadas torna a sustentabilidade outra tendência proeminente, que também ressoa em outras indústrias. Embora 75% das empresas farmacêuticas tenham reduzido com sucesso suas emissões de Escopo 1 e Escopo 2 até 2021, as emissões de Escopo 3 representam um significativo 83% do impacto climático do setor. Com isso, o setor farmacêutico exibe uma intensidade de carbono mais alta em comparação com a indústria automobilística global.

Diferentes setores de saúde precisam de diferentes soluções de logística

As tendências identificadas estão reformulando a entrega de assistência médica em diversos setores das indústrias de life sciences e healthcare, incluindo dispositivos médicos, saúde do consumidor, produtos farmacêuticos, ensaios clínicos e organizações governamentais e não governamentais. Essas transformações colocam novas e, por vezes, diferentes demandas nas cadeias de suprimentos de saúde, seja introduzindo complexidade nos processos existentes ou exigindo a adoção de modelos totalmente novos de cadeia de suprimentos.

Isso inclui desde a melhoria da visibilidade e controle de distribuição até a segmentação das cadeias de suprimentos e canais de distribuição, até a proteção rigorosa das remessas e o monitoramento em tempo real das condições, garantindo a integridade do produto. Como resultado da falta de vacinas durante a pandemia de Covid-19, os países estão considerando uma revisão completa dos processos logísticos. Isso inclui explorar a possibilidade de aumentar a produção interna de produtos de saúde críticos, de acumular suprimentos e de mudar para transportar mais matérias-primas e ingredientes farmacêuticos ativos.

O white paper da DHL compartilha oito aspectos-chave para as empresas considerarem para o futuro das suas cadeias de suprimentos: capacidades de cadeia fria, serviços especiais, modelos de entrega direta, digitalização da cadeia de suprimentos, orquestração da cadeia de suprimentos, soluções sustentáveis de cadeia de suprimentos, otimização de inventário e conformidade regulatória. As empresas devem, por exemplo, priorizar a escalabilidade, versatilidade e agilidade de suas redes de cadeia fria para atender efetivamente às demandas em mudança. Os pacientes agora esperam o mesmo nível de escolha e conveniência na assistência médica que experimentam ao adquirir outros produtos e serviços, como pedidos online ou entrega direta em casa, o que exige capacidades de logística que ofereçam altos níveis de serviço e possuam flexibilidade para se adaptar aos requisitos exclusivos dos usuários.

Um desafio extremo nesse contexto são as terapias celulares autólogas, em que os tratamentos são derivados do sangue de um indivíduo, o que requer uma cadeia de suprimentos bidirecional rigorosamente controlada para cada paciente. Garantir que os tratamentos personalizados cheguem ao paciente certo toda vez cria requisitos rigorosos de cadeia de identidade e cadeia de custódia. Como esses tratamentos ainda são relativamente raros em ambientes clínicos, o serviço final precisa ser perfeito, intuitivo e projetado de acordo com as necessidades do paciente e de seu médico.

Para alcançar o sucesso na reformulação de suas cadeias de suprimentos, as empresas devem primeiro estabelecer uma visão clara de suas prioridades emergentes. Compreender como as cadeias de suprimentos operarão no futuro permitirá que as organizações identifiquem as capacidades necessárias para dar vida a essa visão.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside