quarta-feira, maio 22, 2024
Home News DNA Consult desenvolve novas metodologias para prevenir câncer de colo do útero

DNA Consult desenvolve novas metodologias para prevenir câncer de colo do útero

por Redação
0 comentário

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) aponta o câncer de colo do útero como o quarto tumor maligno mais frequente na população feminina brasileira, atrás do câncer de pele não melanoma, câncer de mama e câncer colorretal. Além disso, também é a quarta causa de morte de mulheres nesta categoria no Brasil. Portanto, é importante que as mulheres entendam quais são as formas de prevenir a doença e, principalmente, as novas metodologias para diagnosticá-la, tornando o tratamento mais rápido e eficaz.

O principal agente causador do câncer no colo do útero é o papilomavírus humano (HPV). Segundo Euclides Matheucci Jr, diretor científico e de inovação do Grupo DNA, vice-coordenador do Comitê Científico de Diagnóstico Molecular da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC-ML) e professor no programa de pós-graduação em biotecnologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a infecção é transmitida por meio da relação sexual. “Tanto o sexo oral como qualquer contato com a região genital, inclusive com as mãos, podem provocar a transmissão”, explica.

Dentre os sintomas do vírus estão verrugas na região genital e no ânus, que normalmente são causadas por tipos de HPV não cancerígenos. “Já quando há lesões subclínicas, que não são visíveis a olho nu, há o risco, alto ou baixo, para o desenvolvimento de câncer. Elas acometem vulva, vagina, colo do útero, região perianal, ânus e região pubiana. Menos frequentemente, podem estar presentes em áreas extragenitais, como conjuntivas e mucosas nasal, oral e laríngea”, diz o especialista.

Para o profissional da saúde, devido à infecção em questão ser uma das grandes precursoras do câncer no colo do útero, tomar medidas de prevenção contra o vírus é fundamental. “A vacinação é essencial no combate ao HPV. A vacina está disponível no Brasil e é recomendada para crianças e adolescentes entre 9 e 14 anos”, alerta o diretor científico e de inovação do Grupo DNA.

Já em relação ao diagnóstico, Matheucci pontua que há dois desafios nos métodos mais utilizados e conhecidos. “O primeiro deles é que o rastreamento no país ainda é muito realizado por meio do exame de papanicolau, que apresenta baixa sensibilidade quando comparado ao teste molecular específico para identificação do vírus. O segundo está na coleta de amostra de colo de útero, que tradicionalmente é feita em consultórios e clínicas; ou seja, é um procedimento que deve ser agendado  com antecedência e gera custos excessivos para o paciente”, afirma Matheucci.

Ele reforça não existir motivo para realizar a citologia antes do diagnóstico molecular do HPV, pois, na citologia, teste de baixa sensibilidade, o paciente já está com a lesão e o que interessa é a prevenção.

A DNA Consult, laboratório de biotecnologia especializado em exames genéticos do Grupo DNA, desenvolveu duas metodologias que atacam justamente os desafios na rastreabilidade do HPV: a autocoleta de amostras do colo do útero e a qPCR. O objetivo da empresa com os novos métodos é otimizar os custos, tempo e alavancar a precisão dos resultados.

Para realizar o exame, a paciente recebe uma escova cervical em sua casa para fazer a coleta. “O envio do conteúdo ao nosso laboratório é extremamente prático, pois pode ser feito pelo correio, sem necessidade de refrigeração. O teste não demanda um pedido médico e aproximadamente depois de sete dias úteis o resultado já está disponível”, explica Matheucci.

De acordo com o diretor científico e de inovação do Grupo DNA, publicações recentes comprovam que a autocoleta de amostras de colo uterino são eficientes e apresentam um custo-benefício maior em relação às metodologias tradicionais de coleta. Uma delas é o estudo “Autocoleta e teste de DNA HPV como método de rastreamento em Mulheres Privadas de Liberdade no Amazonas”, tese de doutorado da discente Hilka Pereira para a Universidade Estadual Paulista (Unesp).

A pesquisa, feita com mulheres de 26 a 33 anos, mostra que 99,3% das pacientes fariam uso novamente desse método. Quando questionadas sobre a preferência entre a autocoleta ou a coleta por um profissional da saúde, 90,3% escolheram a primeira. Dentre elas, 78,5% afirmaram que o motivo se deve à facilidade da realização do exame e à ausência de constrangimento no mesmo.

“A autocoleta é um processo seguro e preciso. O nosso serviço, por exemplo, segue as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) e pode ajudar a identificar lesões pré-cancerosas causadas pelo HPV, que levam muitos anos para se desenvolver. Portanto, elas podem ser tratadas de forma antecipada e evitar o tumor”, diz Matheucci. “O exame também pode ajudar a diagnosticar o câncer em um estágio inicial, fazendo com que o tratamento tenha melhor potencial de cura”, finaliza.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside