quarta-feira, abril 24, 2024
Home Artigos Plano de saúde em xeque e o futuro da saúde suplementar

Plano de saúde em xeque e o futuro da saúde suplementar

por Paulo Bittencourt
0 comentário

Desde a promulgação da Constituição de 1988, a saúde foi estabelecida como um direito fundamental no Brasil, com responsabilidades compartilhadas entre o Estado e o setor privado. No entanto, a complexa interdependência entre esses dois pilares muitas vezes é subestimada. Alterações nos custos dos planos de saúde privados não só afetam diretamente os usuários e empresas envolvidas, mas também exercem um impacto indireto sobre o Sistema Único de Saúde (SUS), colocando em risco a qualidade e a eficiência do atendimento prestado a toda a população.

O ano de 2024 promete desafios significativos para o setor de saúde no Brasil. Os custos dos planos empresariais de saúde, que representam 70% do setor, aumentaram acima da média global. As operadoras estão diante da necessidade de um reajuste estimado em 25% para o ano, impactando diretamente cerca de 41 milhões de brasileiros. Como CEO do Plano Brasil Saúde, uma healthtech em ascensão, é imperativo buscar estratégias para enfrentar os percalços que afetam o setor, considerando não apenas as pressões financeiras, mas também os desafios de gestão e as necessidades dos usuários.

Esse reajuste, impulsionado por uma inflação médica prevista em 14,1% e uma sinistralidade que atingiu 88,2% até o terceiro trimestre de 2023, também inclui perdas por fraudes e desperdícios – estimados em R$ 34 bilhões em 2022. Diante desse cenário, os planos coletivos e empresariais podem enfrentar um aumento de até 58,94% nas mensalidades, enquanto os custos médico-hospitalares continuarão a crescer. Isso destaca a urgência de soluções estratégicas por parte das operadoras.

Um dos pontos críticos desse desafio é o excesso de regulamentação imposto pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Embora a intenção seja proteger os consumidores, as regras rígidas muitas vezes sufocam a capacidade das operadoras de inovar e otimizar seus modelos de negócios. Isso é particularmente evidente na questão da alta redução dos planos individuais e familiares. Esses tipos de planos estão sujeitos a uma regulamentação mais rigorosa, o que restringe a liberdade das operadoras em rescindir contratos e definir os índices de reajuste anual.

Para garantir a sustentabilidade a longo prazo do setor, é fundamental reconsiderar a regulamentação da ANS e promover incentivos para os planos individuais. Isso implica buscar um equilíbrio entre a proteção do consumidor e a flexibilidade necessária para a inovação e competitividade no mercado. Tal abordagem permitiria uma avaliação mais precisa dos riscos e custos no momento da contratação do plano, estimulando uma concorrência saudável e a oferta de planos mais acessíveis. Defendo ainda a utilização de recursos como o Fundo Garantidor de forma mais eficaz.

O mercado de saúde suplementar é altamente regulamentado e dominado por grandes empresas com faturamento bilionário, apresentando desafios significativos na conquista de clientes e na complexidade operacional, fatores que contribuem para o desequilíbrio do segmento. Uma estratégia é o investimento na prevenção, na figura do “médico da família” e em cuidados personalizados, visando reduzir a sinistralidade, as fraudes e os desperdícios que afetam o setor.

O acompanhamento da saúde dos beneficiários e dos parceiros que compõem a rede credenciada de atendimento é fundamental para impedir custos desnecessários ou elevados. O “médico de família” desempenha um papel fundamental nessa abordagem, atuando como o primeiro ponto de contato para os beneficiários e acompanhando-os ao longo do tempo. Esse modelo melhora a experiência do paciente e reduz a duplicidade de consultas e exames, fraudes e desperdícios.

Ao investir em um sistema de saúde preventiva, as operadoras reduzem a necessidade de procedimentos desnecessários, e é possível também identificar e evitar desperdícios, oferecendo uma experiência mais eficiente e econômica para seus clientes e parceiros corporativos.

O segredo para driblar o desarranjo do setor está na atenção à sinistralidade, foco na prevenção, no monitoramento constante e na prestação de cuidados personalizados. Ao evitar desperdícios e fraudes, e ao proporcionar serviços de alta qualidade a preços justos, as operadoras estão bem posicionadas para continuar crescendo. Em um setor tão delicado e competitivo como o da saúde, o compromisso com a prevenção, em vez de apenas remediar problemas, é fundamental para o sucesso a longo prazo.

Paulo Bittencourt, CEO da healthtech Plano Brasil Saúde e atua no setor de saúde há mais de 20 anos.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside